ENRIQUE CAPRILES É UM HISTÉRICO GOLPISTA CONTRA O PROGRESSO ECONÔMICO SOBERANO DO POVO VENEZUELANO


histeria do venezuelano Enrique Capriles mostra  porque o presidente do Equador, Rafael Correa, falou por muitos!




O "falecido" candidato venezuelano da oposição Enrique Capriles mostrou-se histérico porque o presidente do Equador, Rafael Correa, considerou um golpe de Estado a postura agressiva de Capriles de querer anular  a todo custo, com muita violência a decisão soberana do povo venezuelano nas eleições no qual Maduro foi vencedor. 
Esta avaliação foi expressa pelo presidente equatoriano durante uma entrevista nos EUA na rede de televisão CNN. Quando o repórter perguntou se Capriles é um golpe? O presidente equatoriano respondeu: "claro, toda a direita venezuelana". 
Veja o papel de Capriles no golpe de 2002, aquele golpe de Estado contra Chávez. " Ele também reiterou que as eleições de 14 de abril de venezuelanos foram "transparente e democrático" e que "não há nenhuma razão para duvidar" da vitória de Nicolas Maduro e o veredito do Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela. 

Em seguida, Correa declarou: como um membro da Unasul não me permito desestabilizar a Venezuela, referindo-se a uma declaração recente, no qual Correa salientou que a Unasul não toleraria mais golpes na Venezuela. 

Capriles tentou responder ao presidente do Equador, lembrando que anos atrás, aumentou ainda mais a sua reputação na Venezuela, quando enfrentou e até venceu o golpe. Ele disse a jornalistas que ele exige "respeito aos assuntos internos de nosso país", não só para Correa, "mas quem tem a intenção de vir a intrometer-se" em áreas como essas. 
Alguém se intrometeu
Sim, na última semana de fevereiro de 2013, o Secretário de Estado Jacobson disse que iria continuar a apoiar os grupos de oposição (da direita) dos venezuelanos, e manteve silencioso e cúmplice apoio a Capriles. Jacobson, 15 depois criticou duramente o processo eleitoral na Venezuela, em entrevista concedida ao jornal espanhol El País. Jacobson disse que o povo merecia eleições "aberta, justa e transparente" e que gostaria da presença de observadores internacionais ", como a OEA e a União Europeia." Mas o importante agora, é que as eleições sejam justas e transparentes, o que, segundo Jacobson, "vai ser um pouco difícil", mas é o que os venezuelanos e a comunidade internacional deve acompanhar. 
Jacobson, para a surpresa de muitos, fechou a entrevista com o El País dizendo que o candidato Henrique Capriles "poderia ser um bom presidente." 

Quando o presidente Rafael Correa se posiciona, como muitos outros chefes de Estado, que observaram a derrota Capriles nas eleições de 14 de abril, é acusado raivosamente por ele de intervir nos assuntos internos da Venezuela, na verdade, seu maior desconforto vem da resposta esmagadora de Correa a CNN - Capriles é um golpe de Estado, como evidenciado por, entre outros, seu desempenho público na tentativa fracassada de golpe contra Hugo Chávez em 2002. 
Daí a histeria de Caprilles  contra o presidente equatoriano. 
O presidente Rafael Correa, sem dúvida nenhuma,  foi um grande porta voz da América Latina a medida que exigiu respeito a democracia soberana.
Postar um comentário