VAVÁ - O VEREADOR DO POVO!

Vavá é um vereador assíduo e apresentou os projetos mais relevantes na Câmara de Vereadores, de acordo com o Movimento Voto Consciente.










A ZN NÃO DA ARREGO PARA GOLPISTA CANALHA. FORA TEMER!


Mais de 100 mil pessoas ocuparam a Av. Paulista neste domingo (11) para dizer primeiramente e novamente #ForaTemer

PROPAGANDA DE (PARA) GUERRA!

A propaganda bélica é feita de mentiras bem publicitadas
Companheiro Jorge Cadima 
A foto da criança síria que alegadamente sobreviveu a um bombardeio das forças governamentais encheu as primeiras páginas.
Explorando os sentimentos que a foto naturalmente suscita, a campanha mediática adubou o terreno para maiores intervenções das potências imperialistas, responsáveis pela guerra na Síria. Mas em quase total silêncio passou a revoltante história da outra criança na Síria, degolada e decapitada por «rebeldes moderados» financiados e armados pelas potências imperialistas. Os carrascos gravaram orgulhosamente tudo em vídeo. No vídeo, os «combatentes pela liberdade» imperialista fazem piada da doença da criança, e quando o infeliz pede para ser morto a tiro e não degolado, afirmam em tom de chacota que «
somos piores que o ISIL» e procedem à sua decapitação. A BBC referiu-se ao caso (21.7.16), mas titulando: «Conflito sírio: rapaz decapitado por rebeldes 'era combatente'» o que, convenha-se, mais parece uma tentativa de justificar a barbárie. As histórias das duas crianças têm até uma ligação directa. O fotógrafo da foto que fez manchetes tem também alegresselfies com os carrascos do jovem cuja decapitação não mereceu relevo na comunicação social de regime (off-guardian.org, 23.8.16). 
No início deste ano, o então ministro da Defesa de Israel, Moshe Ya'alon, deu razões para esta convivência com a barbárie: «Se na Síria a escolha é entre o Estado Islâmico [ISIL] ou o Irã, eu escolho o Estado Islâmico» (Times of Israel, 19.1.16). Há poucos dias, um professor universitário em Israel escreveu que «a continuação da existência do IS[IL] serve um objectivo estratégico. Por que se há-de ajudar o brutal regime de Assad a ganhar a guerra civil Síria?» (besacenter.org, 2.8.16). Os «valores ocidentais» convivem bem com a decapitação de crianças.


A propaganda bélica é feita de mentiras do tipo Rede Globo. Muitos lembrar-se-ão da campanha em 2014 sobre uma alegada violação de águas territoriais suecas por um «submarino russo». Poucos saberão que no início deste Verão, o ministro da Defesa sueco confessou que «o sinal de sonar, que os militares suecos consideraram o indício crucial da presença de um submarino estrangeiro perto de Estocolmo durante as buscas de 2014, era proveniente de um 'objeto sueco'» (RT, 12.6.16).
A campanha serviu no entanto para «justificar um aumento de muitos milhões de dólares nas despesas militares» e para promover a adesão da Suécia à NATO. Também o Ministério da Defesa britânico acabou por reconhecer (em resposta à Câmara dos Comuns, HCWS177, 7.9.15) que os danos a uma embarcação de pesca no Mar da Irlanda em Abril de 2015 não tinham sido, como a comunicação social na altura se encarregou de repetir, obra dum submarino russo, mas sim «de um submarino do Reino Unido». Mas, tal como na recente ilibação de Milosevic, a comunicação social do regime não encontra espaço para desmentir as falsas informações das suas manchetes.


Talvez pelas contradições nas negociações do TTIP, a revista alemã Der Spiegel (28.7.16) também se queixa das mentiras de guerra. Acusa «uma rede clandestina de agitadores ocidentais, em torno do dirigente militar da NATO [General Breedlove, de] alimentar o conflito na Ucrânia», através de «fontes duvidosas» que «exageram as atividades russas». Como diz o ditado, quando as comadres brigam, descobrimos (algumas) verdades sobre elas. No fim, o artigo diz que «a saída do General Breedlove do seu cargo na NATO não acalmou ninguém […] A provável sucessora [de Obama], a democrata Hillary Clinton, é considerada da linha dura contra a Rússia. Mais: [Victoria] Nuland, uma diplomata que partilha muitos dos mesmos pontos de vista de Breedlove, poderá vir a ocupar um lugar ainda mais importante após as eleições de Novembro [como] ministra dos Negócios Estrangeiros». A guerra é indissociável do imperialismo. E as mentiras são indissociáveis da propaganda de guerra.

ALEMANHA VE O FIM DA UE

Merkel admite ruptura da UE
A chanceler alemã, Angela Merkel, reconheceu, dia 26, que a saída britânica «não é apenas um acontecimento», mas pode ser também «um ponto de rutura na história da União Europeia».

Falando numa conferência de imprensa em Varsóvia ao lado dos chefes de governo dos países do Grupo de Visegrado (Hungria, Polonia, República Checa e Eslováquia), Merkel sublinhou ainda que as consequências do «Brexit» devem ser encaradas com «responsabilidade» e que as medidas a adoptar devem ter em conta um futuro próspero para os europeus. «Os cidadãos só vão aceitar uma União Europeia que faça tudo o possível para prosperar», frisou.

FORA GOLPISTA!

FORA TODOS OS GOLPISTAS!

ESQUERDA INTERNACIONAL DA APOIO A DILMA

Ataques aos povos e a democracia

Far Left Leaps to Defend Brazil's Suspended President Dilma Rousseff
Reunião de Partidos Comunistas e Revolucionários da América Latina e Caribe, a decorrer em Lima, Peru, aprovou na segunda-feira, 29, uma moção em que condena e repudia o golpe de Estado no Brasil,
considerando-o como uma agressão a todos os povos da região. 
Segundo a Prensa Latina, o documento solidariza-se com o povo brasileiro, Dilma Rousseff, PT, PCdoB e todas as forças progressistas. 
Sublinhando que os golpistas pretendem liquidar as conquistas democráticas, sociais e nacionais que o povo brasileiro alcançou durante os 13 anos de governos progressistas de Lula da Silva e Dilma Rousseff, a moção afirma que o golpe de Estado «faz parte da estratégia do imperialismo e das classes dominantes brasileiras para monopolizar o poder político, explorar o povo e saquear a nação».

O GOLPE NA IMPRENSA ESTRANGEIRA

Imprensa estrangeira destaca
'última batalha' de Dilma
por BBC Brasil em Washington (EUA)
O discurso que Dilma Rousseff fez nesta segunda-feira no Senado para se defender de acusações que podem afastá-la definitivamente da Presidência foi destaque em agências de notícias estrangeiras e especialmente em veículos de América Latina, Espanha e Portugal.
O jornal português Público escolheu como título a declaração de Dilma de que "estamos a um passo do golpe de Estado".
Para o diário, a presidente "não poupou as palavras (...) no julgamento em que deverá ser destituída do cargo".
"Dilma Roussef, com pouca esperança de rebater o ataque cerrado de que está a ser alvo, passou ela própria ao ataque, identificando os inimigos num terreno que lhe é hostil", diz a reportagem, que citou as menções de Dilma ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e à "grande mídia brasileira, a quem acusou de conivência com a direita".
Público citou a presença do cantor Chico Buarque e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre os apoiadores de Dilma no plenário do Senado.

'Governo usurpador'

"Dilma denuncia golpe para dar lugar a um 'governo usurpador'", diz o jornal argentino Clarín no título de uma reportagem sobre a fala da presidente. Segundo o jornal, a presidente falou aos senadores com um "gesto de inocultável incômodo".
"A presidenta enfrenta agora sua última batalha, na sucessão de crises que enfrenta desde que iniciou seu segundo mandado", afirma o texto.
O diário espanhol El País tratou a defesa de Dilma como o tema mais importante de seu site internacional e transmitiu a sessão do Senado ao vivo. A fala da presidente afastada foi comentada em tempo real por repórteres do jornal.
El País diz que Dilma "repetiu que o processo é um golpe contra a democracia e assegurou que se manteve dentro da legalidade".
O americano USA Today publicou uma reportagem da agência Associated Press segundo a qual Dilma discursou "lutando para salvar seu emprego".
O texto diz que a fala da presidente ocorre no quarto dia de um julgamento que teve "palavrões, gritos e uma declaração do presidente do Senado, Renan Calheiros, de que a 'burrice não tem limites'".
USA Today afirma que "a líder esquerdista é acusada de violar regras fiscais para esconder problemas no orçamento federal", mas que ela rejeita as acusações. Os seus inimigos estão conduzindo "um golpe de Estado".

O 22º Grito dos Excluídos será realizado em todo o Brasil, no dia 07 de setembro


 A vida em primeiro luga!
Este sistema é insuportável: 
Exclui, degarada, mata!

VEREADOR VAVA NA ZONA NORTE É PERIFERIA, COMUNIDADE & POVÃO!


O VEREADOR VAVA ESTEVE PRESENTE NAS COMUNIDADES DA ZN
E RECEBEU O RECONHECIMENTO POR SUAS OBRAS

ENTENDA POR QUE OS TRABALHADORES GRITAM FORA TEMER!




Michel Temer e seu pacote de retrocessos tem deixado claro que o golpe no Brasil, apoiado e financiado pelos patrões, é contra o povo brasileiro, em especial, os mais pobres. Por traz da retirada de direitos, a corja que tomou o poder busca diminuir os custos de investimento dos empresários, colocando os prejuízos na conta do trabalhador.

PADRE TICÃO DECLARA APOIO AO VEREADOR VAVA DO TRANSPORTE


GRANDE LIDERANÇA DA CIDADE, PADRE TICÃO, RECONHECE O VALOR DO MANDATO DO VAVA PARA SÃO PAULO