TA RUIM NO BRASIL?

Subemprego atinge mulheres


Dois em cada três trabalhadores (67%) em situação de subemprego na União Europeia são mulheres, segundo um estudo do Eurostat, relativo a 2014, publicado no dia 27.

A maior incidência de subemprego verifica-se na Grécia (72,1%), seguindo-se o Chipre (65%) e a Espanha (57,3%). Em Portugal, o subemprego atinge 45,8 por cento dos 245 mil trabalhadores a tempo parcial, sendo a maioria mulheres (61%).

O gabinete de estatísticas revela que dos 44,1 milhões de trabalhadores temporarios, 9,8 milhões estavam em situação de subemprego, ou seja, desejavam e estavam disponíveis para trabalhar a tempo integral.


MINEIROS PROTESTAM NA ALEMANHA

Minas de carvão agitam Alemanha

Coal miners protest in Berlin to keep coal cheap

Cerca de 15 mil pessoas manifestaram-se no sábado, 25, em Berlim, para protestar contra os planos do governo alemão de desativação progressiva das centrais e minas de carvão.

Convocados pelo sindicato da Química e Energia (IG BCE), e pelo sindicato dos serviços (Verdi), os operários vieram maioritariamente da bacia da renana, a Oeste de Colónia, na Renânia do Norte Vestefália, onde o futuro encerramento das minas de carvão a céu aberto representaria uma calamidade social.

O governo alemão pretende fechar as centrais elétricas a carvão mais antigas, o que poderá afetar até 40 por cento do atual parque, e substituí-las por energias renováveis.

Cerca de 40 por cento da eletricidade alemã é produzida a partir do carvão, setor vital em várias regiões do país.

No mesmo dia, em sentido contrário, cerca de seis mil ativistas de organizações ecologistas realizaram um cordão humano com 7,5 quilómetros em torno da mina a céu aberto de Garzweiler, exigindo o abandono do carvão como fonte de energia.

A pretexto de socorrer as finanças do estado, Beto Richa (PSDB) promove massacre no Paraná

 

Nota de Repúdio da direção da APP-Sindicato


A direção estadual da APP-Sindicato repudia toda a ação policial usada contra a nossa categoria - e os demais companheiros(as) servidores(as) do Estado - nesta trágica quarta-feira, 29 de abril, bem como nos dias que antecederam a votação do projeto de lei 252/2015. Neste dia, que entrará para a história como uma data a se lamentar, o governo do Paraná ultrapassou todos os limites. Da civilidade, da moralidade, da humanidade. O execrável exemplo de abuso de autoridade - protagonizado pelo governador Beto Richa e pelo secretário de Segurança Pública Fernando Francischini – é uma mancha deplorável na história do nosso Estado.

Pedido de Janot por dados do SwissLeaks avança na França

A Procuradoria-Geral da República vai focar as investigações sobre contas bancárias de pessoas jurídicas em paraísos fiscais assim que obtiver os dados do caso Swissleaks.  

Para Lula, projeto da terceirização é volta ao período pré-Vargas

 "A maioria dos trabalhadores (atuais) não viveu aquela época (1980). Eu nasci na vida sindical sendo contra a estrutura sindical do Getúlio Vargas. Agora, a verdade é a seguinte: se a gente quiser mudar, é para algo melhor. E o projeto da terceirização é pior."

PAULINHO DA FORÇA ENFRENTA JULGAMENTO NO STF POR ESTELIONATO

 
O presidente nacional do Solidariedade e deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, que recentemente declarou também que "Vivemos uma crise moral e ética sem precedentes", está sendo julgado a partir dia 28/04/2015  pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por falsificação de documento particular, falsidade ideológica e estelionato. Seu caso está na pauta da Primeira Turma. Se Paulinho for condenado, sua pena pode chegar a 15 anos de prisão.

Denunciante do Swissleaks diz que quer ajudar Brasil

 
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tentará esta semana assinar um acordo de cooperação com as autoridades da França para obter os dados de correntistas brasileiros com movimentação financeira no Banco HSBC, na Suíça. Janot pretende ter acesso às informações sigilosas de 8,7 mil brasileiros identificados no caso SwissLeaks. O procurador está em Paris e tem reuniões marcadas no Ministério Público francês.

OBAMA MANDA TROPAS PARA A UCRANIA


IMPERIALSIMO ALIADO AOS NAZI-FASCITAS
U.S. paratroopers in Ukraine to train fledgling national guard troops
Em 1965, os Estados Unidos enviaram tropas para sustentar o governo do Vietnã do Sul, que se mostrava incapaz de debelar o movimento insurgente de nacionalistas e comunistas, que se haviam juntado na Frente Nacional para a Libertação do Vietname (FNL). Entretanto, apesar de seu imenso poder militar e econômico, os norte-americanos falharam em seus objetivos, sendo obrigados a se retirarem do país em1973 e dois anos depois o Vietnã foi reunificado sob governo socialista, tornando-se oficialmente, em 1976, a República Socialista do Vietnã. 
Novamente, os Estados Unidos embarcacam na onda de enviar tropas para apoiar governo ilegais. Cerca de 300 paraquedistas norte-americanos encontram-se já na Ucrânia em missão de instrução de 900 membros da Guarda Nacional, força paramilitar criada para acolher as milícias nazi-fascistas que funcionaram como tropa de choque no golpe de Estado de Fevereiro de 2014.
«Os soldados da 173.ª Brigada Aerotransportada chegaram [à Ucrânia] esta semana», confirmou, sexta-feira, 17, um porta-voz do exército dos EUA, citado pela AFP, o qual revelou ainda que o contingente de adestramento vai operar durante seis meses na região de Lviv.

Reagindo à chegada de mais um grupo de instrutores, que incluiu também militares britânicos, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Moscou advertiu que a iniciativa viola os acordos subscritos em Minsk, no passado mês de Fevereiro, nomeadamente quando o texto obriga à saída de todos os militares estrangeiros, equipamento e mercenários do território da Ucrânia.

Um responsável do gabinete diplomático do Kremlin considerou ser «óbvio que a presença de tropas norte-americanas na Ucrânia não trará a paz», e alertou que o treino de membros da Guarda Nacional pode impulsionar um novo banho de sangue no Leste do país.

«Será que em Washington, Londres e Ottawa sabem a quem estão treinando?», questionou Aleksandr Lukashevich, antes de lembrar que «são exatamente os mesmos voluntários que ostentam símbolos nazis e que se mancharam com o sangue de mulheres, crianças e idosos durante as campanhas punitivas no Donbass».


Prosseguir a denúncia

Recentemente, a junta fascista ucraniana indicou o líder do Setor de Direita (Pravy Sector) para conselheiro das forças armadas de Kiev, alegando que este faria «a ponte» entre o corpo militar regular e os mercenários integrados na Guarda Nacional. Tendo em conta este fato, o deputado do PCP no Parlamento Europeu (PE) Miguel Viegas, questionou a Alta Representante [para a política externa da UE] sobre se a nomeação de Dmitry Yarosh, criminoso procurado pela Interpol, poderá afetar «a cooperação entre a Ucrânia e a UE, através da qual a UE tem vindo a desembolsar milhares de milhões de euros para supostamente ajudar aquele país a sair da crise».

Noutras três questões dirigidas à mesma responsável, Miguel Viegas insistiu em saber se a referida cooperação entre a UE e a Ucrânia estaria em causa, considerando, primeiro, a imposição de um pacote legislativo destinado a criminalizar «qualquer crítica ao governo ou aos seus representantes», no âmbito do qual «quaisquer protestos, seja contra o não pagamento de salários, o aumento de bens essenciais, as arbitrariedades da polícia, podem ser considerados um ataque à integridade do Estado».

Miguel Viegas nota, depois, que «passado um ano sobre o golpe fascista de 21 de Fevereiro, não se ouve da parte da UE uma palavra sobre os atentados à democracia». E exemplifica com o caso mais recente «relativo ao processo disciplinar contra os juízes do Tribunal Administrativo do Circuito de Kiev, que não se prestaram à farsa do regime para proibir o Partido Comunista da Ucrânia». A este respeito, o deputado do PCP no PE salienta ainda que tal «impediu a concretização de um objetivo estratégico para o poder golpista da Ucrânia», instalado «graças ao apoio da UE e da NATO».

Miguel Viegas denuncia, também, que «na sequência desta recusa o Ministério da Justiça tomou posição atribuindo à Comissão de Qualificação de Juízes [competência para] avaliar o comportamento dos juízes e determinar se existem motivos para a sua demissão», por isso «é caso para perguntar, onde está a independência do poder judicial?».

«Entretanto, o ministro da Justiça, Pavel Petrenko, reiterou publicamente que, antes do próximo dia 9 de Maio, data que assinala os 70 anos da vitória da URSS sobre o nazi-fascismo, o parlamento ucraniano aprovará um pacote legislativo para banir os símbolos e a ideologia comunista», prossegue o deputado comunista, que, insistindo em alertar para repressão política e da liberdade de expressão na Ucrânia, lembra a prisão de «Alexander Bondarchuk, chefe de redacção do jornal oficial do PCU».

«Trata-se de mais um crime deste regime golpista e de uma flagrante violação dos direitos e liberdades fundamentais que vem na sequência de uma cadeia de repressão e perseguição de todos aqueles que defendem a paz e a justiça social naquele país, recusando aceitar a nova ordem totalitária», conclui Miguel Viegas.

PORTAL ANSUR - A NOVA VOZ DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS LATINO-AMERICANAS

União Latino-americana de Agências de Notícias (ULAN) 
 
Dotar de uma voz própria e plural em uma região que fala uma grande multiplicidade de idiomas é hoje um dos objetivos da nascente Agência de Notícias Sul-americana (Ansur). Criada a partir de uma iniciativa da União Latino-americana de Agências de Notícias (ULAN), o novo portal digital propõe-se somar ao olhar de cada um dos países latino-americanos e a fazê-lo visível coletivamente.

Flávio Dino (PC do B) : ‘Todo patriota deve defender a imunização da Petrobras’


Flávio Dino, o governador que derrubou oligarquia dos Sarney no Maranhão, tem posição crítica em relação a questões como a intolerância política, a apuração de casos de corrupção e a defesa dos interesses do país.

 

Espaço Público recebeu o governador do Maranhão, Flávio Dino na terça-feira, dia 14/04/2015. 

PREFEITURA DE SÃO PAULO IMPLANTARÁ 620 MIL PONTOS DE LUZ COM LUMINÁRIAS DE LED


O Prefeito Haddad anunciou que 620 mil pontos de luz na cidade será trocada por luminárias de LED, lançando edital de licitação de parceria público-privada (PPP) . Além de substituir luzes amarelas por brancas, a empresa vencedora do edital terá de construir, no primeiro ano de atuação, um centro de controle operacional à distância máxima de 3 quilômetros do Departamento de Iluminação Pública (Ilume), órgão da Prefeitura.

Entre deputados mais votados, só tucano é a favor do PL 4330

Bruno Covas foi o único entre os 5 mais votados a dizer sim; mobilização da CUT e dos movimentos diminuiu em 60% apoio a PL 4330 na Câmara e Central já protocolou pedido de audiência com Renan
 
 A votação da emenda aglutinativa que alterou pontos do projeto de lei que regulamenta e permite a terceirização na atividade-fim, o PL 4.330/2004, não deixa dúvidas: mesmo com apoio e investimento dos patrões, a mobilização da CUT e de movimento populares do campo e da cidade surtiu efeito.

SENADORES QUEREM MUDAR O TEOR DO PL 4.330

A harmonia entres os caciques peemedebistas será posta à prova durante tramitação do PL 4.330 no Senado.

Diante de repercussão negativa da votação, senadores querem mudar teor do PL 4.330

Vários parlamentares dizem que vão trabalhar para derrubar projeto aprovado e tirar terceirização de atividade. Cunha lembrou que matéria retornará para a Câmara.

GRÉCIA: PIRAEUS BANK PERDOARÁ DÍVIDAS DE CIDADÃOS NECESSITADOS

      
       

A iniciativa dirige-se aos cidadãos abrangidos pelo programa de apoios sociais lançado pelo Governo de Alexis Tsipras, de alívio da “crise humanitária”.
 (Prensa Latina) A entidade financeira grega Piraeus Bank anunciou hoje o perdão de todas as dívidas inferiores a 20 mil euros dos cidadãos que cumprirem os requisitos do programa de ajuda humanitária implementado pelo governo.

BAHIA DOS PORCOS - COMEMORAÇÃO DOS 54 ANOS DA VITÓRIA CUBANA CONTRA O IMPERIALISMO AMERICANO

 
 
BAHIA DOS PORCOS - FAZ 54 ANOS QUE O MUNDO ASSISTIU A PRIMEIRA GRANDE DERROTA MILITAR DE USA NA AMÉRICA
(Prensa Latina) Cuba comemorou no dia 19 de abril o aniversário 54 de sua vitória sobre uma força invasora integrada por 1.500 homens e equipada, treinada e financiada pelo governo dos Estados Unidos.

Wikileaks publicou documentos de ciberataque da Sony Pictures

Wikileaks publicou na quinta-feira (16/04) todos os documentos e e-mails da Sony Pictures que foram pirateados.

África-Brasil: número de escravizados é quase o dobro do estimado

Da Redação do Correio Nagô

Pesquisadores de universidades do Brasil, Estados Unidos e Inglaterra, concluíram que o número de escravizados levados para o Brasil é maior do que se estimava.

Eu apoio o Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Mídia Democrática

http://paraexpressaraliberdade.org.br/assina.php

Democratizar a comunicação para garantir a liberdade de expressão do povo brasileiro



O Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Comunicação Social Eletrônica, conhecido como Projeto de Lei da Mídia Democrática, tem como principal objetivo garantir o pleno direito à liberdade de expressão e ao acesso à informação. Lançado por dezenas de entidades organizadas em torno da campanha Para Expressar a Liberdade, em 2013, o texto precisa da assinatura de 1% do eleitorado nacional (cerca de 1,4 milhão de pessoas), distribuído em pelo menos cinco estados, como estabelece a Constituição Federal – CF (art. 61, § 2º)..

A LUTA NÃO ACABOU - DIA 22/04 A CUT VAI ÀS RUAS CONTRA TERCEIRIZAÇÃO


A LUTA NÃO ACABOU! NÃO HAVERÁ ARREGO! Dia 22 de abril, CUT vai às ruas contra terceirização.

ATROCIDADE TURCA RECONHECIDA PELO VATICANO

Papa reconhece genocídio


O papa Francisco reconheceu publicamente, dia 12, o genocídio dos arménios, perpetrado pelo Império Otomano entre 1915 e 1917 e ainda hoje negado pela Turquia. 

Mais de 1,5 milhões de pessoas foram então eliminadas, tendo milhões de outras fugido ao extermínio.

Durante uma missa em memória das vítimas, celebrada com o patriarca arménio Nerses Bedros, o papa descreveu pela primeira vez como «genocídio» o massacre do povo arménio.

O governo turco chamou no próprio dia o representante do Vaticano em Ancara para que explicasse a posição do papa.

O RECONHECIMENTO DA IMPORTANTE REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DO SKATE REALIZADA POR EMENDA DO VEREADOR VAVA


Panfleto distribuído pelo Vereador Police Neto reconhece a importância da obra de requalificação da Praça do Skate,  executada pela Subprefeitura de Santana/Tucuruvi, utilizando a verba destinada pelo Vereador Vavá.

Imprensa abafa operação Voldemort, esquema de corrupção no ninho tucano


Primo de Beto Richa, (Abi "o grande caixa financeiro do governador Beto Richa) e outras seis pessoas são acusadas pelo MP de esquema criminoso para obter contrato emergencial de R$ 1,5 milhão com o governo paranaense.

BRASIL: EXPANSÃO DA CAPACIDADE DE ENERGIA EÓLICA SERÁ DE 62% EM 2015

Matriz elétrica

Energia eólica se destaca na matriz elétrica brasileira, e é a fonte que mais cresceu nos primeiros meses de 2015
 
por Portal Brasil
 
A participação da energia eólica na matriz brasileira deve continuar em forte crescimento. A capacidade instalada eólica no Brasil pode alcançar 7.904 MW até o final de 2015. A fonte terá expansão de 62% em comparação ao ano de 2014, com acréscimo de 3.016 MW.

Domingo, 19 de abril de 2015 - Dia da jornada mundial de solidariedade a Venezuela

 
Realizam neste domingo jornada mundial de solidariedade a Venezuela  
 
Caracas (Prensa Latina) - Venezuela recebe o apoio de diversas organizações e movimentos sociais do mundo que se unem para uma jornada de solidariedade internacional, convocada pelo Foro de Sao Paulo.

VAVA DO TRANSPORTE DE CULTURA PARA A ZONA NORTE


O Vereador  Vava em encontro com o Secretario da Cultura Nabil Bonduki, defendeu projetos para a Zona Norte, principalmente com o olhar  voltado para os morros dessa região.



VIVA! VIVA! VIVA! PARTIDO DOS TRABALHADORES!


A DEMOCRACIA VIVE NO TEU CORAÇÃO

TENS A LIBERDADE COMO FLORES EM BOTÃO
PORQUE ÉS PRIMAVERA E FLORESCE DO TEU CHÃO

Dilma homologará terras indígenas no Pará e no Amazonas

Três terras indígenas na região Norte serão homologadas segunda-feira (20) pelo governo federal. Arara da Volta Grande do Xingu, no Pará, e as terras Mapari e Setemã, no Amazonas, somam 232,5 mil hectares, que atenderão a quatro etnias nos dois estados. Conforme nota divulgada pela Presidência da República, o decreto será assinado pela presidenta Dilma Rousseff.

PIG DELIBERADAMENTE MULTIPLICA POR 100 A RENDA DA ESPOSA DE VACCARI

massacre midiático

Estadão inventa renda mensal de R$ 300 mil para mulher de Vaccari

A REALIDADE SOBRE O TERRORISMO: SUPERFICIALIDADE INFORMATIVA E PROPAGANDA DA MIDIA OCIDENTAL

Imagética e Império:

Para compreender o medo que árabes e muçulmanos inspiram ao ” ocidente”

Traduzido pelos companheiros da Vila Vudu

A noção de que a maioria dos ataques terroristas são cometidos por árabes ou muçulmanos não apenas não tem qualquer fundamento histórico, como, além disso, é argumento sem qualquer comprovação empírica, associado ao moderno Orientalismo, [1] que aí está vivo e forte.
O Orientalismo, por sua vez, é pesadamente associado a ideias norte-americanas sobre a própria “excepcionalidade”. É uma área de pensamento na qual ideias excepcionalistas e racistas coincidem profundamente. Na verdade, há uma linha quase invisível, mas que liga excepcionalismo, racismo e orientalismo.
Numa modalidade de pensamento ultrapassada, linear e geoetnocêntrica, todas as sociedades que vivam a leste e ao sul dos EUA, Canadá e Europa Ocidental — particularmente da França, Grã-Bretanha e dos países falantes de alemão – são vistas como deficientes e inferiores. Na Europa, significa que todos a leste da Alemanha são tacitamente ou escancaradamente pintados como culturalmente atrasados. São os países dos Bálcãs, os povos eslavos, albaneses, gregos, turcos, romenos, cristãos ortodoxos e as repúblicas ex-soviéticas.
Pelas leis do pensamento orientalista nos EUA, povos não europeus aparecem localizados ainda mais abaixo desse mesmo totem. São os povos da África, América Latina e Caribe. 

Como nas atitudes excepcionalistas, as ideias orientalistas são importantes para garantir apoio à política exterior e às guerras de Washington, apresentadas como se se tratasse de empreitadas muito nobres. As atitudes orientalistas dos EUA veem o resto do mundo, do México ao Iraque e Rússia, como carentes da tutela e das atenções dos EUA. É como uma reconstrução do que se chamou o fardo do homem branco, conceito usado para justificar a colonização de todos que fossem definidos como não brancos.
O relacionamento entre terrorismo
e árabes e muçulmanos
Árabes e muçulmanos são alvos preferenciais do orientalismo norte-americano. Seja tácito ou extensivo, ambos, árabes e muçulmanos são pintados como seres localizados abaixo do limiar da civilização, não civilizados nesse sentido. O terrorismo está profundamente associado a imagens de árabes e muçulmanos na mente de muitos norte-americanos; isso, porque os norte-americanos foram adestrados a pensar que a maioria dos terroristas são árabes ou muçulmanos.
Em diferentes graus, sempre que muçulmanos ou árabes étnicos cometem crimes na chamadas sociedades ocidentais, como o Canadá ou os EUA, a avaliação tácita ou ostensiva “declara” que o crime foi cometido por todos os muçulmanos e todos os árabes coletivamente. Os traços ou os contextos de vida árabes e muçulmanos daqueles criminosos são usados para explicar os crimes que tenham cometido. Crimes cometidos por indivíduos árabes ou muçulmanos não são apresentados como crimes de indivíduos criminosos, mas como crimes de uma coletividade apresentada como coletivamente criminosa. Essas noções ignoram os fatos de que os muçulmanos são as maiores vítimas do terrorismo.

Sete dos dez países mais violentamente agredidos por ataques terroristas são predominantemente muçulmanos, segundo o Índice de Terrorismo Global definido peloInstitute for Economics and Peace, com sede na Austrália, para 2014, que tem base no banco de dados de terrorismo global da Universidade de Maryland. Trabalhando com dez como valor máximo e zero como valor mínimo, toda a comunidade internacional é sistematicamente distribuída num ranking. Embora a definição de incidentes terroristas no banco de dados de terrorismo global da Universidade de Maryland seja muitíssimo discutível, ainda assim é possível fazer algumas inferências importantes a partir desse conjunto de dados e do índice de Terrorismo Global do Institute for Economics and Peace.
Vários traços são bem visíveis, se os leitores analisam a natureza e as identidade dos perpetradores do que se classifica como atos de terrorismo nos 30 principais países dos que compõem o Índice de Terrorismo Global para 2014. O primeiro desses traços é que a violência gerada por aqueles grupos terroristas cai no contexto de insurreições e guerras civis que são tratadas em geral, como atos de terrorismo. Por exemplo, é o caso de países como Somália, Filipinas, Tailândia, Colômbia, Turquia, Mali, República Democrática do Congo e Nepal, que ocupam respectivamente os lugares 7º, 9º, 10º, 16º, 17º, 22º e 24º. Examinados de perto, várias dessas insurgências podem ser associadas a rivalidades internacionais e jogos de poder jogados por EUA e aliados. Quanto mais se examina, mais essa ideia se confirma.
O segundo traço é que a maioria desses casos de terrorismo nos países que aparecem no Índice, especialmente os que ocupam os lugares superiores do ranking, é que todos estão conectados direta ou indiretamente à interferência de Washington. Por exemplo, é o caso do Iraque, do Afeganistão ocupado pela OTAN, do Paquistão, da Síria, da Somália, do Iêmen, da Rússia, do Líbano, da Líbia, da República Democrática do Congo, do Sudão, do Sudão Sul, China e Irã, que aparecem, respectivamente, nos seguintes lugares do ranking: 1º, 2º, 3º, 5º, 7º, 8º, 11º, 14º, 15º, 18º, 19º, 20º, 25º e 28º.

As guerras dos EUA, as intervenções pelo Pentágono, os golpes engendrados e apoiados pelos EUA ou o apoio do governo dos EUA aos chamados grupos “de oposição” ou regimes fantoches, têm sido, todos esses fatores, uma base a partir da qual o terrorismo passa a atingir como praga aqueles mesmos países.
Além dos países listados acima, segundo o Global Terrorism Index, 82% das mortes globais são atribuídas a atos de terrorismo acontecidos no Afeganistão ocupado pela OTAN, Iraque, Paquistão, Síria e Nigéria. Os laços com a política externa dos EUA são muito evidentes.
Nem todos os árabes/muçulmanos são terroristas,
mas a maioria dos terroristas são árabes/muçulmanos?
É voz corrente que, ainda que nem todos os terroristas sejam árabes ou muçulmanos, a maioria dos terroristas seriam árabes ou muçulmanos. Verdade, ou apenas mais um mito? Exame dos dados empíricos reunidos nos EUA e na Europa ajudarão a responder essa pergunta.
Nos EUA, que aparece em 30º lugar no Índice de Terrorismo Global de 2014, a maioria dos terroristas são não muçulmanos, segundo dados do FBI. Dentro dos EUA, apenas 6% dos casos de terrorismo, de 1980 a 2005, foram cometidos por terroristas muçulmanos [2]. Os demais 94% dos casos de terrorismo e atos terroristas — quer dizer: a ampla maioria – não têm qualquer relação com árabes, muçulmanos ou com o Islã. [3]
Por mais que seja questionável a metodologia do FBI para determinar o que seja um ataque terrorista, temos de aceitá-la aqui, para poder argumentar. Segundo o mesmo relatório doFBI, houve mais ataques terroristas lançados por judeus do que por muçulmanos, entre 1980 e 2005, em solo dos EUA.

Os mesmos dados do FBI foram compilados pelo website loonwatch.com, “linkado” pela Universidade Princeton (EUA), num quadro que analisa como segue os casos de ataques terroristas em solo dos EUA entre 1980 e 2005: 42% terrorismo hispânico; 24% terrorismo de extrema esquerda; 16% de outros tipos de terroristas que não se enquadram nas demais principais categorias; 7% terroristas judeus; 6% terroristas muçulmanos; e 5% terroristas comunistas. [4]
Se terroristas muçulmanos são responsáveis por 6% dos ataques em solo norte-americano de1980 a 2005, terroristas judeus e hispânicos foram responsáveis, respectivamente, por 7% e 42% dos ataques terroristas em solo norte-americano no mesmo período. Não há qualquer pânico generalizado contra judeus nem contra hispânicos. Os olhos das mídia-empresas e dos governos não se focam nesses grupos, como se focam nos árabes étnicos e nos muçulmanos.
E o mesmo padrão repete-se na União Europeia. A página loonwatch.com também compila dados sobre terrorismo na União Europeia, a partir dos relatos do Gabinete de Polícia da União Europeia [orig. European Union’s European Police Office (Europol)] de 2007, 2008 e 2009, no seu Relatório Anual da Situação e Tendências do Terrorismo na União Europeia [orig. EU Terrorism Situation and Trend Reports]. [5]
Os dados, nesse caso, põem os muçulmanos a distância ainda maior dos atos terroristas. 99,6% dos atos terroristas na União Europeia foram cometidos por não muçulmanos.[6] O número de ataques falhados, abortados ou bem-sucedidos realizados por muçulmanos na União Europeia, de 2007 a 2009 é de apenas cinco ataques; e houve 1.352 ataques terroristas por grupos europeus separatistas – aproximadamente 85% de todos os incidentes de terrorismo na União Europeia. [6]
Segundo a Europol, houve 104 ataques falhados, abortados ou bem-sucedidos realizados por grupos chamados “de esquerda”, e houve outros 52 ataques classificados como não específicos [7]. No mesmo período, houve dois ataques que a Europol classificou como terrorismo de direita. [8]
Há enorme disparidade entre quem está causando e cometendo atos terroristas, e os que morrem e são acusados dos crimes. Apesar de os fatos sinalizarem eloquentemente outra direção, quando árabes ou muçulmanos cometem crimes, os criminosos são identificados por etnia e por religião. Mas não é o que acontece quando os criminosos são não árabes ou não muçulmanos.

Por mais que o orientalismo já reconheça que os muçulmanos são as principais vítimas do terrorismo, o mesmo orientalismo ainda manobra para fazer cair alguma culpa sobre as próprias vítimas, ao apresentá-las tacitamente como membros de sociedades selvagens, ou de sociedades já próximas de conhecerem destino violento, como animais na selva.
Imagética e Império

Em todo o mundo, as ilusões estão em plena operação. A verdade foi posta de cabeça para baixo. Vítimas são denunciadas como criminosos.
Apareça declarada ingenuamente, implícita ou subentendida, a noção de árabes e muçulmanos como selvagens e terrorista tem papel significativo na imagística do chamado “mundo ocidental”, a mesma na qual o dito “ocidente” significa(ria) igualdade, liberdade, direito de escolha, civilização, tolerância, progresso e modernidade, ao mesmo tempo em que o chamado “mundo árabe muçulmano” é como um submundo, onde reinam a desigualdade, as proibições, a tirania, nenhum direito de escolha, selvageria, intolerância, atraso e primitivismo.
Essa imagética serve, de fato, para despolitizar a natureza política das tensões. Como que “desinfeta” as ações do império, a diplomacia por coerção contra o Irã; o apoio à mudança de regime na Síria; as invasões contra Afeganistão e Iraque; a intervenção militar dos EUA na Somália, Iêmen e Líbia. Como já mencionado, essa imagética, em diferentes graus, estende-se a outros espaços, que são vistos pelos orientalistas norte-americanos como espaços ou entidades não ocidentais – como está acontecendo hoje com Rússia e China.

Nas raízes, essa imagética é realmente parte de um discurso que sustenta um sistema de poder que “autoriza” o império a exercer seu poder sobre os “de fora” e também contra os próprios cidadãos nos EUA. É por causa da política externa e de interesses dos EUA que árabes e muçulmanos, contra todas as pesquisas, investigações e provas, são apresentados como terroristas. E apagam-se do mundo todos os dados e fatos comprovados, que mostram que o grande fator que produz terrorismo e terroristas é, sempre e em todos os lugares, a intervenção norte-americana.
Por isso é que se mantém uma fixação obcecada no ataque ao Parlamento no Canadá, na crise dos reféns de Martin Place em Sidney, no ataque à redação de Charlie Hebdo em Paris. E absolutamente nenhum analista, nenhum colunista, nenhum jornalista, nenhum “especialista” fala do apoio que os governos dos EUA, do Canadá, da Austrália e da França continuam a dar aos terroristas e ao terrorismo, e que está custando dezenas de milhares de vidas na Síria.
____________________________________________________________
Notas de rodapé
[1] Para saber o que é, vide SAID, Edward W. [1078] ORIENTALISMO. O Oriente como invenção do Ocidentetrad. Rosaura Eichenberg, São Paulo: Companhia das Letras. (NTs)
[2] Federal Bureau of Investigation, Terrorism 2002-2005, (US Department of Justice, 2006): pp.57-66.
[3] Ibid.
[4] All Terrorists are Muslims…Except the 94% that Aren’t [Todos os terroristas são muçulmanos, exceto os 94% que não são], 20/1/2010.
[5] Europol Report: All Terrorists are Muslims…Except the 99.6% that Aren’t [“Todos os terroristas são muçulmanos, exceto os 99,6% que não são”], 28/1/2010.
[6] [7] [8]: European Police Office, EU Terrorism Situation and Trend Report 2007 (The Hague, Netherlands: Europol, March 2007); European Police Office, EU Terrorism Situation and Trend Report 2008 (The Hague, Netherlands: Europol, 2008); European Police Office, EU Terrorism Situation and Trend Report 2009 (The Hague, Netherlands: Europol, 2009).
___________________________________________________________
[*] Mahdi Darius Nazemroaya é cientista social, escritor premiado, colunista e pesquisador. Suas obras são reconhecidas internacionalmente em uma ampla série de publicações e foram traduzidas para mais de vinte idiomas, incluindo alemão, árabe, italiano, russo, turco, espanhol, português, chinês, coreano, polonês, armênio, persa, holandês e romeno. Seu trabalho em ciências geopolíticas e estudos estratégicos tem sido usado por várias instituições acadêmicas e de defesa de teses em universidades e escolas preparatórias de oficiais militares. É convidado freqüente em redes internacionais de notícias como analista de geopolítica e especialista em Oriente Médio.