HADDAD CONTINUA TRABALHANDO PARA ACABAR COM AS ENCHENTES EM SÃO PAULO NOS PRÓXIMOS ANOS



Contra enchentes na zona Oeste da Cidade de São Paulo a Prefeitura fará túneis em Pompeia - Vias subterrâneas também faz parte de pacote que prevê 5 piscinões debaixo da terra 
Haddad pretende construir 7 km de túneis para diminuir os problemas causados pelas enchentes na região da Pompeia, na zona oeste da cidade. As vias subterrâneas, que devem ser usadas para reter água da chuva e aumentar a vazão dos Córregos Sumaré e Água Preta, fazem parte de um pacote de obras que prevê cinco piscinões debaixo da terra.
Com previsão de dois anos, as obras na Pompeia, segundo a Siurb (Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras). A licitação já foi concluída e os serviços podem começar ainda neste semestre. Antes do início da construção, porém, o EVA (Estudo de Viabilidade Ambiental) precisa ser concluído e aprovado pela Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente.

As novas vias subterrâneas passarão perto do Palmeiras e do Shopping Bourbon, áreas onde acontecem normalmente inundações, e seguir sob a avenida Nicolas Boer até o rio Tietê. O primeiro trecho terá 3,7 km e vai da esquina da rua Apiacás com a avenida Sumaré até a ponte Julio de Mesquita. A segunda galeria, de 3,3 km, começa na rua Professor Rocca Dorsal.
— A solução em túnel é indicada para locais onde a profundidade é muito grande ou a gente não pode abrir uma vala. Tem a vantagem de que não é preciso parar o trânsito. Hoje, as inundações atingem o Parque Antártica, o Sesc Pompeia e chegam a afetar a circulação dos trens.
Piscinões

O subsolo também deve ser utilizado para amenizar os efeitos das chuvas na bacia do Córrego Cordeiro, que passa em Santo Amaro e Cidade Ademar, na zona sul da capital. O plano da Siurb é construir cinco piscinões subterrâneos de médio porte na região, além de um na superfície. As obras ajudariam a evitar enchentes no entorno das avenidas Washington Luís, Professor Vicente Rao e Vereador José Diniz. Outra intervenção prevê interligar as galerias existentes. "Hoje, com as chuvas, algumas delas ficam sobrecarregadas e outras praticamente secas", afirma a Siurb, em nota.
O chefe de gabinete da secretaria, Sérgio Krichanã, disse que espera que a LAI (Licença Ambiental de Instalação) seja concedida pela Secretaria do Verde ainda neste mês. A afirmação foi feita terça-feira (26), durante encontro sobre drenagem urbana organizado pela Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo). A partir da expedição da LAI, essas obras levam 18 meses para ficarem prontas.
PAC
Obras de outras três bacias foram incluídas no PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal. O acordo, que prevê uma contrapartida da Prefeitura de São Paulo em cada um dos investimentos, deve garantir pelo menos R$ 684 milhões para as obras dos córregos Ponte Baixa, Zavuvus e Aricanduva. Das três, já iniciado Ponte Baixa, na área da M’Boi Mirim, na zona sul da capital. Os trabalhos devem acabar em 36 meses.

Galeria da rua Willis Roberto Banks

 A Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras, SIURB, iniciou as obras emergenciais da galeria da rua Willis Roberto Banks, Pirituba, zona norte, em 17 de janeiro de 2013, com prazo previsto na Lei 8.666/93 de 180 dias.
 As obras consistem na recuperação da galeria no trecho do solapamento, com cerca de 30 metros de extensão.
 O valor estimado da obra é de R$ 1 milhão.
 O rompimento da galeria da rua Willis Roberto Banks ocorreu por causa da grande quantidade de chuvas na região, provocando um esforço maior do que a capacidade de vazão da galeria.
 As obras estão com 60 % concluídas.


O prefeito Fernando Haddad deu início às obras de canalização do Córrego Ponte Baixa, na região do M’Boi Mirim, zona Sul da Capital. Na manhã do sábado (23/2/13) no Jardim São Luis, Haddad destacou a importância do conjunto de intervenções na região, que contempla a canalização do córrego Ponte Baixa entre a rua Daniel Klein e sua foz, na represa do Guarapiranga, e do córrego Jardim Letícia, que receberá um parque linear em suas margens. Após a conclusão desta obra, serão construídos viadutos de acesso às novas vias, que deverão estabelecer a ligação viária entre a rua Daniel Klein e a avenida Guido Caloi, na foz do Ponte Baixa. As vias previstas no projeto irão desafogar o tráfego da estrada do M'Boi Mirim e melhorar a mobilidade da região.
“Estamos dando ordem de início a uma importante iniciativa na Ponte Baixa. A começar pelo córrego, que está sobrecarregado. Ele precisa ser ampliado para evitar enchentes. Depois desta canalização, serão feitas alças viárias muito importantes, que darão vazão a vias como a Avenida Guido Caloi. O trânsito irá melhorar muito. Por fim, iremos complementar esta intervenção com a duplicação da Avenida M’Boi Mirim. Essas obras são fundamentais para melhorar a qualidade de vida dos moradores desta região”, afirmou Haddad, que vistoriou a extensão do Córrego Ponte Baixa e ouviu as sugestões da população local.
O empreendimento está incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), do Governo Federal, do qual receberá R$ 284 milhões. O valor estimado da obra é de R$ 400 milhões e a Prefeitura de São Paulo entrará com R$ 116 milhões. O contrato foi assinado em 18 de fevereiro com o Consórcio Camargo Corrêa/Mendes Júnior, com prazo de execução de 36 meses.

Canalização e alças viárias
As obras de canalização dos córregos Ponte Baixa e Jardim Letícia têm o objetivo de eliminar os alagamentos que interferem no trânsito da estrada do M'Boi Mirim e atingem cerca de 550 mil moradores de vários bairros, como Jardim Mazza, Jardim Klein, Jardim Guarujá, Jardim Letícia, Jardim Novo Santo Amaro, Jardim Vergueiro e Jardim São Luis.
Ao lado das faixas de veículos dessas novas vias serão construídas calçadas e uma ciclovia, e implantado um sistema de iluminação. Para reduzir o volume e a velocidade das águas do córrego Ponte Baixa durante o período das chuvas, será construído um reservatório de amortecimento (piscinão) na altura da Avenida Inácio Dias da Silva.
“Em apenas dois meses de administração, com os esforços de diversos setores da Prefeitura, em especial da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, conseguimos o licenciamento ambiental necessário para iniciar a obra. É com grande satisfação que podemos iniciar essas intervenções, tão aguardadas por mais de 500 mil pessoas desta região”, afirmou o secretário municipal de Infraestrutura Urbana e Obras, Osvaldo Spuri.

Córrego Jardim Letícia e Estrada do M’Boi Mirim
O córrego Jardim Letícia, afluente da margem esquerda do Ponte Baixa, será canalizado em uma extensão de 900 metros. Ao longo da canalização está prevista a implantação de um parque linear para conservação das margens e recuperação da área de preservação permanente do córrego e a criação de uma área verde.
Já a Estrada do M'Boi Mirim é o principal eixo viário de acesso à região de Santo Amaro pelos moradores do Jardim São Luís, do Jardim Ângela e de parte de municípios como Embu Guaçu e Itapecerica da Serra. O trânsito na Estrada do M'Boi Mirim é diretamente afetado pelas cheias dos córregos Ponte Baixa e Jardim Letícia, que reduzem a velocidade do tráfego e produzem congestionamentos.
As famílias que vivem em situação de risco dentro da área do projeto serão reassentadas ou terão suas moradias readequadas, dependendo do caso específico de cada unidade familiar.

Postar um comentário