OFFSHORES: ocultam a corrupção e fortunas escapam aos impostos


O caso Offshore Leaks
A riqueza oculta
 
A dimensão da fuga é inédita e promete agitar as praias de muitos países do mundo, revelando nomes de empresas e pessoas que ocultam nos paraísos fiscais uma riqueza imensa.

Uma equipa de jornalistas de todo o mundo trabalharam nos últimos 15 meses sobre 2,5 milhões de ficheiros que revelam os segredos de mais de 120 mil empresas sedeadas em paraísos fiscais (offshore), bem como os nomes de políticos e magnatas de todo o mundo que participam nesta fuga fiscal planetária.
O gigantesco banco de dados obtido pelo International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ), uma associação sem fins lucrativos sedeada em Washington, contém registos detalhados das contas de empresas e indivíduos de mais de 170 países e territórios.
«O tamanho total dos ficheiros, cerca de 200 gigabytes, é mais de 160 vezes maior do que a fuga de informação dos documentos do Departamento de Estado dos EUA, a que o projeto Wikileaks teve acesso em 2010», lê-se no comunicado da ICIJ, divulgado dia 4.
A associação, que obteve os dados de antigos funcionários das empresas de Portcullis Trustnet e Commonwealth Trust Limited, confirma o crescimento exponencial do mundo secreto das contas offshore, no qual as grandes fortunas escapam aos impostos, ocultam atos de corrupção e aumentam o fosso entre ricos e pobres.
Esta fraude fiscal gigantesca custa caro aos povos, penalizados com impostos mais elevados para compensar os fundos impunemente desviados pelos poderosos, que secam as economias e provocam o aumento do desemprego e a degradação das condições de vida.
O ICIJ refere ainda que os magnatas recorrem a complexos esquemas para adquirir mansões, iates, obras de arte e outros bens de luxo, fugindo ao fisco de uma forma anónima, através de métodos que não estão ao alcance do resto dos cidadãos.

 
Na investigação participaram 86 jornalistas de 46 países de conhecidos órgãos de informação, como os britânicos The Guardian e BBC, o francês Le Monde, os germânicos Süddeutsche Zeitung e Norddeutscher Rundfunk, o norte-americano The Washington Post e cadeia canadiana Canadian Broadcasting Corporation, entre outros 31.
 
 
 
 
Um mundo secreto
 
A existência de offshores é há muito conhecida e denunciada, mas os governos continuam a fechar benignamente os olhos devido às suas estreitas ligações com o grande capital.
Estima-se que abriguem 25 trilhões de euros, mas ninguém sabe ao certo quais os montantes que movimentam, nem exatamente como e para onde. E os documentos agora revelados, apesar da sua importância, apenas abarcam uma pequeníssima parte desta enorme economia subterrânea.
Postar um comentário