CONSOLIDAÇÃO DE EVO MORALES NA CÚPULA DO MERCOSUL


O Governo da Bolívia, início uma série de reuniões e discussões para efetivar a incorporação integral e oficial da nação americana no Mercosul, (fórum de integração econômica entre Uruguai, Brasil, Argentina, Venezuela e Paraguai) em Montevidéu.
Obs. Lembramos que o Paraguai está temporariamente fora da cúpula. 



A chancelaria boliviana elaborou grupos de trabalho para apresentar projetos importantes com os países sul-americanos.  As propostas serão apresentadas,  reiterando a posição da Bolívia que se expressa com muita disposição de participar do grupo que prima pelo desenvolvimento regional. 
A rodada de negociação faz parte dos acordos de integração do Mercosul com a Bolívia, pelo presidente Evo Morales, estabelecido durante uma reunião de cúpula no Brasil no final do ano passado. Na época, Morales assinou o protocolo de adesão para converter seu país no sexto membro. Este protocolo permitiu adesão da Bolívia na cúpula do Mercosul. 
Vice-Ministro do Comércio Exterior da Bolívia, Pablo Guzman, disse que o país terá uma integração no Cone Sul, pois pertencente simultaneamente ao Mercosul e a Comunidade Andina de Nações (CAN), que integra com a Colômbia e o Peru. 
A Bolívia é um membro pleno da CAN desde a sua fundação em 1969 e juntou-se o Mercosul como associado em 1997. "Isso abre uma nova forma de relacionamento, que tende para a convergência da Comunidade e Mercado Sul, um fato que motiva todos os países da União de Nações Sul-americano a fazer parte deste sindicato", disse ele. 
Sobre este ponto, o Tratado que institui Mercosul afirma que os países membros "não pode pertencer a outras organizações similares" na região. Capítulo IV do Tratado de Assunção, com base na adesão ao bloco, estabelece que "a plena adesão não podem exigir que as nações que pertencem a outra sub-bloco", como no caso da Comunidade Andina de Nações. 
O direito paraguaio, que há anos bloquearam a entrada da Venezuela no bloco, expressou publicamente sua recusa à admissão da Bolívia, apesar de não conhecer a palavra de seu novo presidente, Horacio Cartes, o Congresso paraguaio terá uma decisão em suas mãos. 
O Mercosul é um mecanismo de integração criado em 1991, que visa a livre circulação de mercadorias, pessoas e serviços, o estabelecimento de uma tarifa externa comum e a adoção de uma política comercial comum, entre outros.
Postar um comentário