PEDRÃO: O CEU JAÇANÃ RECEBE UM GIGANTE DA EDUCAÇÃO

A ZN ORGULHA-SE
DESSE COMPANHEIRO!

Forum Mundial da Educação
Pedro Paulo, mais conhecido como Pedrão ou simplesmente o PP, é o novo Gestor do CEU Jaçanã.
O Modelo Republicano adotado pela Secretaria da Educação do Governo Haddad para escolha dos Gestores dessa instituição, abrindo para toda a Rede a possibilidade qualquer servidor da área disputar a Vaga nesses equipamentos Publicos, possibilitou ao grande PP chegar a tal posição num dos Centros Educacionais Unificados mais importantes da Zona Norte.
Grafite na quadra da escola
Um agente transformador, o Basqueteiro Pedrão vem da Emef Garcia D'avila, uma escola encravada no Parque Peruche, um local onde o IDH esta entre os mais baixos da cidade, que atualmente é modelo de Escola Aberta, mas que na entrada dele estava deteriorada e era conhecida como Maloquinha. 
Jogos da cidade
Combinando, esporte, cultura e muita disciplina, o PP leva adiante projetos de inclusão e socialização e promete usar sua experiencia para aprender, ensinar e construir aquele sonho da comunidade dessa região que quer externar todas as suas capacidades e gozar da cidadania plena.
Pedrão e o povo que mudou o Garcia
O Povo do Garcia que acreditou ser possível mudar
o mundo mudando sua aldeia
O Padre na Festa Junina

 MORO EM JAÇANÃ
E NÃO VOU PERDER ESSE TREM
Projeto Black Friends no Garcia

MINHA MOTIVAÇÃO
Mais um Trofeu na vida de militante social


Minha motivação para concorrer ao Cargo de Gestor do CEU – Jaçanã é exatamente a mesma que fica evidente em meu curriculum e que me levou transformar cada escola por onde passei num instrumento maior de ação comunitária, muito além de um lugar onde se ensina apenas matemática, Português, História e outras matérias curriculares sem estabelecer laços com a comunidade. Enfim, num espaço social amplo e diverso do qual queria fazer parte como agente ativo na construção da cidadania. 
Quando adolescente, eu já era um sujeito para mais de dois metros de altura. Então, juntamente com alguns amigos pulávamos o muro da escola para jogar basquete. O bedel nos perseguia e atirava contra nós com sua espingarda de chumbinho ou de sal. Nós éramos considerados marginais. Mas nós insistíamos e no outro fim de semana estávamos lá, novamente, correndo riscos. Não raramente saiamos feridos nessa aventura. Todavia, a falta de opções sempre nos trazia de volta para aquele lugar. Afinal, o campinho, para o futebol, construíamos com nossas mãos à margem do rio, mas o basquete prescindia do piso cimentado, da tabela e da cesta existentes ali, naquela escola publica.
Jogador Profissional de Basquete em Amparo


Muito embora pareça uma historia triste e lamentosa não é, pois foi assim que construí meu caráter e foi quando encontrei a minha primeira profissão; Jogador de Basquete. E com ela paguei meus estudos e sustentei minha família durante muito tempo e nela aprendi o sentido de equipe, de lutar, de nunca desistir... Há sempre a possibilidade de uma cesta de três pontos capaz virar o jogo perdido no ultimo segundo.
Projeto Blak Friends no Garcia
Não! Nenhuma criança, adolescente, jovem, adulto, velho, homem, mulher, negro, branco, alto, baixo, Hetero, Homo, Cristão, umbandista, brasileiro, estrangeiro... Ninguém nunca será enxotado de uma unidade do estado, onde eu esteja trabalhando. Ela foi feita para servir ao Povo!
Essa é a minha motivação!
Postar um comentário