CAPRILES CONTRA A AMÉRICA LATINA




A contra-ofensiva dos EUA contra a nova unidade da América Latina já tem algumas vitórias como a assinatura do livre comércio e golpes parlamentares em Honduras e Paraguai. Os Capriles golpe em câmara lenta, por duas vezes derrotou o ex-candidato presidencial da Venezuela, já causou 10 mortes (incluindo duas crianças) e faz parte desta contra-ofensiva, Venezuela coordenado com o ex-presidente Uribe e grupos paramilitares, com financiamento da CIA , o direito europeu e ONGs na Venezuela.


Xenofobia

Outros perigosos sinais de Capriles é a parceria da mídia com a ex-companhia petrolífera PDVSA: Gustavo Rossen, conspirador qualificado, e o desajeitado Guaicaipuro Lameda. Em parcerias manipuladoras, a TV e outros participantes do golpe de 2002 promovem correntes anti-comunismo e  xenofóbicas. Desta vez, porém, tudo adicionado ao seu discurso e racismo anticaribeño e antilatino americano.  Nicolas Maduro é acusado de ser colombiano ou o filho da Colômbia, e Capriles pessoalmente desqualifica os chefes de Estado que vieram e ainda vêm dizer adeus em homenagem o Comandante Hugo Chávez.
Na rua, esta política se manifestou em ataques a serviços de saúde, onde os médicos do trabalho cubano (Barrio Adentro para Centros de Diagnóstico Integral CDI primário e avançado) saem em defesa das pessoas assassinadas e feridas e contra a corrente de oposição a democracia venezuelana. Foram 15 mortos e várias vítimas feridas, conforme plano golpista da corrente de direita, contra o resultado democrático eleitoral,  contra a vitória de Maduro.

Falklands e a misoginia

De acordo com o candidato da direita, potências como Rússia, China e Brasil são os mendigos que vivem da caridade venezuelana (?)
Embora pequeno e bloqueado Cuba seria um império que emprega Venezuela. 
Capriles, na veemência de sua crueldade com as funções públicas venezuelanas e parcerias estrangeiras,focando sempre ataques contra Chávez, discursa demonstrando que além de ter grande falha de carácter humano está querendo acabar com a geopolítica latino americana. 
Além disso, seus insultos repetidos e bruto para a presidente da Argentina Cristina parecem reconciliados com Capriles, foco de apoio tácito à ocupação britânica das Malvinas: o oposto de um campeão continental como Chávez, o líder de extrema-direita é um dos poucos, fora dos Estados Unidos e Israel, que apoia o bloqueio dos EUA contra a República de Cuba.
A Ministra da Mulher do governo venezuelano acusou abertamente Caprilles de misógino. 

Contra Telesur

Capriles abusa da liberdade de dizer qualquer coisa sem obrigação. Mas, quando ele diz que uma mudança na Venezuela significaria uma mudança na América Latina sabe muito bem o que ele diz. É a meta deles para mudar organizações sindicais, Alba, CELAC, o Mercosul, Petrocaribe, Unasul, etc
À medida que o cerco e a agressão de seu motorizado grupo Telesur Interstate, em que o líder de extrema-direita se afirmou, no parágrafo 138 de seu programa, que chegou ao poder, seria estudar as condições em que se encontram Telesur e Rádio do Sul para servir efetivamente como parte do projeto de integração da América Latina. Aqui, a ambiguidade  os Capriles recurso proposto é apenas um eufemismo para a nacionalização e posterior privatização da Telesur, que seria vendido para o Grupo Prisa espanhola.

Contra a Venezuela

O Maduro reconhecimento relutante por parte dos governos europeus da NATO não impede Estados Unidos a manter seu apoio Capriles e golpe, sabendo que os seus parceiros da NATO é provisória ao conseguir uma quebra de governança na Venezuela ou violência nas ruas atinge tal gravidade que exige um golpe militar para justificar uma ruptura na cadeia e interferência aberta. 
Para Washington que está em jogo não é impossível e, obviamente presidência Capriles incapazes de sucesso liquidação de Chávez, mas sua capacidade para desequilibrar Venezuela através da violência, o suficiente para retirar ou impedir a unidade latino-americana. Para efeitos de quebra ou impedir a união latino-americana Capriles é perfeito, parece desprezar os governos e povos do continente, bem como o governo e a maioria do povo da Venezuela.

Seu norte é o norte

No que diz respeito ao grande projeto bolivariano selo Sanmartiniano e o abraço de Guayaquil, o sonho de Martí, Morazán, Villa e Zapata, Sandino, Che Guevara, e muitos outros, para Capriles e seus seguidores, que o sonho não é mais do que sonho. 
Na grandeza de Chávez ver apenas um mito, ao qual realista proclamar hoje como há 200 anos. Aqueles que, aliado com o Império, inundou os campos para a Arase Liberator no mar, aqueles que lutaram e mataram Bolívar, são os mesmos que Chávez lutaram e morreram.

FONTE: Eduardo Rothe
Postar um comentário