UNASUL CONVOCA CHEFES DE ESTADOS PARA AVALIAR CRISE NA DEMOCRACIA DA VENEZUELA


Reunião de Presidentes

Força comum. 

O evento, que ocorrerá no Palácio do Governo em Lima, procura encontrar uma posição de consenso sobre o processo eleitoral que terminou com acusações de fraude. 

Maria Elena Castillo - Presidentes dos países membros da Unasul se reunirão para avaliar a situação política na Venezuela, após a realização de eleições presidenciais, cuja validade tem sido questionada por denúncias da oposição de fraude eleitoral. 


O Presidente Ollanta Humala , na sua qualidade de líder pró tempore do organismo regional, convocou a consulta de emergência, objetivando chegar a acordo sobre uma posição comum antes de assumir o comando de Nicolas Maduro , agendada para amanhã, apenas cinco dias depois eleições. 
Até ontem à tarde havia confirmado a sua presença na reunião os presidentes do Uruguai, José Mujica , da Argentina, Cristina Fernández, e do Brasil, Dilma Rousseff, da Colômbia, Juan Manuel Santos , do Chile, Sebastián Piñera , da Bolívia, Evo Morales e Guiana, Donald Ramotar. 
O governo da Venezuela confirmou a sua participação, sem mencionar nomes, enquanto o presidente do Equador, Rafael Correa, não pode comparecer porque esta viajando na Europa e, portanto não foi excluído enviar um representante. 
Não irá o chefe de Estado do Paraguai, Jorge Oviedo, porque este país está suspenso da organização. 
Precisamente, as eleições presidenciais deste domingo será realizada lá, por que é o chefe do Grupo de Alto Nível da Unasul Paraguai, Ghittis.Al Lerner tempo da imprensa, confirmou a presença do representante do Suriname. 

Posição de consenso 

A maioria dos líderes presentes na reunião convocada por Humala manifestou sua saudação com os resultados do processo eleitoral, logo após o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela anunciar o triunfo do Maduro em Henrique Capriles, com uma diferença de menos de um por cento do dos votos. 
Além disso, vários anunciou sua presença em Caracas para a inauguração amanhã, sexta-feira como presidente do Uruguai, José Mujica, que obteve a permissão do Senado de seu país para viajar para Lima, antes de ir para a Venezuela. 
Assim será o seu homólogo da Argentina, Cristina Fernández. Recorde-se que o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, felicitou a decisão inicial de aceitar uma auditoria Maduro a contagem dos votos, embora ele retratou no dia seguinte. 
Foi relatado que durante a reunião os líderes discutiram e aprovaram uma declaração conjunta apoiando o resultado das eleições. Fontes do governo disseram que a declaração inclui uma chamada para acabar com a violência no país, que nos últimos dias, resultou na morte de oito pessoas e dezenas de feridos. A convocação acontece em meio a polêmica desencadeada em nosso país sobre a possibilidade de que o presidente Ollanta Humala tomar jornada para Maduro. 
Porta-vozes de várias organizações políticas de oposição destacou que se o presidente viaja para Caracas envolve uma aprovação tácita da eleição disputada, apesar das críticas de um setor da população que considera a proclamação da Maduro é ilegítimo. A nomeação será no Palácio do Governo, às 9 horas, depois de atos oficiais fornecidos antecipadamente pela visita do Presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva.
Postar um comentário