MAIS UM PAÍS SEM SAÍDA - O SUOR DO POVO JAPONÊS TAMBÉM VAI PAGAR A CONTA DA POLÍTICA NEOLIBERAL MADE IN USA!



JAPÃO COM IENE MAIS FRACO


O Primeiro Ministro do Japão Abe quer uma inflação de 3%. 

Abe propõe que o BC japonês imprima uma quantidade "ilimitada" de ienes, para desvalorizar rapidamente o iene (a moeda japonesa). Entre abril de 2011 e novembro de 2012, por exemplo, o iene se valorizou 6% em relação ao dólar, notadamente reflexo da política americana que está efetivamente exportando a sua crise neoliberal para o mundo.

Salientamos que USA está imprimindo bilhões de dólares sem lastros produtivos. 

Nos últimos anos, o valor do iene freou o lucro das exportações, pois deixou os produtos japoneses mais caros para o mercado internacional. Mecanismo: A medida que o iene vai valorizando (em US$), o país vai perdendo competitividade comercial, principalmente em relação aos outros países asiáticos, notadamente a China.

Implicações do Iene desvalorizado no Mercado Interno do Japão

O iene mais fraco desencadeia uma série de problemas no mercado interno, como a Inflação e altas dos produtos importados, principalmente de energia como o petróleo e o gás natural. Lembramos que em 2012 o Japão aumentou a importação de energia após o tsunami, que provocou aquela tragédia enorme nuclear, obrigando os japoneses a desligarem seus reatores. 
Com um iene mais fraco e os custos de energia importada mais elevado, os repasses dos prejuízos tem destino certo, vai para o povo pagar, ou seja as empresas e todos os consumidores de energia do país. 

Outro aspecto relevante é que a desvalorização da moeda acaba aquecendo o volume das importações de produtos no Japão, prejudicando a competitividade das empresas locais, em um momento em que as empresas japonesas já está perdendo terreno para os concorrentes regionais. 
Essas medidas tem a tendencia de provocar retração interna da economia, quebra de empresas japonesas e desempregos. A longo prazo, obviamente com uma taxa de desemprego alta, é tendencia desembocar também em arrocho salarial. 

Outra proposta de Abe é fazer com que o Banco do Japão adote uma série de medidas expansionistas para estimular a economia, como a compra de títulos do governo. 
Abe quer aumentar os gastos do governo em infraestrutura e obras públicas e defende a compra de títulos públicos pelo BC para ajudar a financiar essa expansão. 
Analistas econômicos alertam para os efeitos que essa venda de títulos poderia ter sobre a dívida pública japonesa. "A dívida pública do país começaria a se desvalorizar e isso criaria novos problemas, incluindo um aumento dos custos de empréstimos para o governo", avalia Martin Schulz, do Fujitsu Research Institute.

OBS. Boa parte da dívida do Japão está indiretamente nas mãos das famílias japonesas, por meio de bancos do país e fundos de pensão. Qualquer desvalorização da dívida pública significa uma desvalorização dos ativos das famílias. 
Postar um comentário