O EMBARGO ECONÔMICO CONTRA CUBA PELOS USA SE INTENSIFICA



Nos últimos 12 meses, o governo dos EUA intensificou  a sua política histórica de hostilidades e isolamento contra Cuba, confirmada por punições a empresas estrangeiras e restrições para o turismo na ilha caribenha. 
O bloqueio foi oficialmente imposta em fevereiro de 1962, sob a administração do presidente John F. Kennedy, mas o governo dos EUA impôs sanções desde 1959, o ano do triunfo da Revolução Cubana liderada por Fidel Castro.


A administração do presidente Barack Obama, que em 2011 tinha dado passos discretos em direção a flexibilização da relação à nação caribenha, no decorrer de 2012 , voltou a desenvolver estratégias agressivas por regulamentos do Tesouro.
O mais recente desses decretos emitidos pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC), ligado ao Ministério da Fazenda, foi um ataque de multa excessiva de US $ 875 milhões contra a gigante bancária HSBC, entidade que supostamente estaria violando as regras de bloqueio Cuba.
É a maior pena pecuniária imposta por Washington a um banco por alegada violação de leis de comércio através de países terceiros.
Superou uma pena anterior de 619 milhões dólares americanos em junho passado aplicada ao grupo ING Bank, com sede na Holanda.
O embargo de USA, econômico, comercial e financeiro contra Cuba, já custou muito a ilha. Até dezembro de 2011, considerando a desvalorização do dólar em relação ao valor do ouro no mercado internacional, um bilhão de 66 bilhões de dólares, em violação da Carta da ONU e as normas do direito internacional.
Também este ano, o governo dos EUA multou a empresa de malte Great Western, um dos maiores provedores de cevada, com transações comercial em Cuba.
Através de um comunicado, a OFAC forçou a empresa com sede no estado de Washington a pagar 348.000 dólares de um milhão para permitir a venda de grãos para Cuba entre agosto de 2006 e março de 2009.
Administração Obama também confiscados mais de 493 milhões dólares a partir de 2010, como parte da política de cerco econômico atual. O número foi confirmado em uma carta publicada online pelo Office of Foreign Assets agência federal. Cuba foi qualifica como "nação com patrocínio terrorista".
Sob o mesmo conceito, Washington havia congelado 223,7 milhões de dólares para Cuba em 2009. O relatório diz que as autoridades americanas continuam bloqueando seis propriedades em Nova York e Washington, também pertencente ao governo cubano.
Sociólogos especialistas, analistas políticos e acadêmicos de diferentes países se reuniram em Washington no final de 2011, em conferência internacional exigindo acabar com esse embargo, solicitando a remoção de Cuba desta lista de países que patrocinam o terrorismo. A ilha caribenha foi inserida na lista polêmica desde 1982, a pedido do então Secretário de Estado, Alexander Haig, em uma resolução que foi certificada pelo presidente Ronald Reagan.
As Organizações, Grupo Latino América de Trabalho e o Centro de Política Internacional foram os patrocinadores do seminário, que contou com a presença de Wayne Smith, ex-representante diplomata dos EUA em Cuba, e Muse Robert, do escritório de advocacia de Muse e Associados, entre outros acadêmicos.
Em 2012 houve advertências de Washington contra as propagandas que sugeriam as opções de viagens a Cuba Obs. Em janeiro de 2011 o presidente Obama tinha certificado um relaxamento de proibição de contatos com Cuba. As companhias aéreas e agências de viagens permitidas poderiam organizar viagens a nação caribenha, mas apenas para fins culturais e educativos. No entanto, as primeiras licenças não foram concedidas pela OFAC e, seis meses mais tarde, o conservador congressista Ileana Ros-Lehtinen do Tesouro solicitou duras medidas anti-cubanas. 
O presidente Raúl Castro deu início a mudanças positivas para a ilha, eliminando o excesso de regulamentação, aumentando a produtividade e, apontando para um governo menor, mais eficiente, mantendo os sistemas de saúde e educação pública excelentes.
Por outro lado, acrescentou, a comunidade cubano-americana com sede nos Estados Unidos não é mais a mesma dos anos 60 do século passado. É maioritariamente composta por jovens com uma atitude diferente de seus antecessores, e muitos acreditam que o bloqueio deve acabar.
O Congresso dos EUA em dezembro de 2011 rejeitou um projeto de lei que teria facilitado a exigência de que Cuba pagaria em dinheiro com antecedência para as suas importações provenientes do país do norte.
Líderes no Congresso, pressionado por deputados conservadores da comunidade cubano-americana, concordou em retirar a iniciativa apresentada pelo deputado Jo Ann Emerson, que tinha fornecido a Havana compra de bens para Washington. Emerson exigência alteração foi excluído por parlamentares de direita como Ileana Ros-Lehtinen, Mario Díaz-Balart, David Rivera e Marco Rubio.
Em outra ação hostil do grupo também apresentaram uma iniciativa de cobrar 10 por cento para empresas norte-americanas que mantêm um relacionamento com Cuba.
Os legisladores citados e advogados e Jason Poblete Tamargo Mauricio sugeriram uma regra que exige o pagamento de uma chamada "taxa de utilização" agrícolas empresas, telefone, viagens, remessas, conforme transações com o país caribenho.
Tamargo, ex-funcionário do Departamento de Justiça durante o governo de George W. Bush propôs que o dinheiro arrecadado serviria para cobrir ações movidas por pessoas que afirmam ter sido afetadas pela nacionalização do governo cubano.
Este ano colunista outro para o The New York Times, Jonathan M. Hansen, recomendou ao Salão Oval para o país caribenho para devolver o território de Guantánamo, arbitrariamente ocupado pelos Estados Unidos desde junho de 1901.
O debate legítimo sobre se deve ou não bloquear a prisão de Guantánamo militar no extremo leste de Cuba, tem obscurecido uma questão mais importante: o enclave imperialista permaneceu em que parte da ilha, Hansen sublinhou.
As circunstâncias e os motivos por que Washington passou a ocupar Guantánamo foram enterrados no passado e do presente recurso só serve para lembrar a história do mundo de uma intervenção militar no Pentágono e turvar as relações bilaterais, disse o historiador da Universidade de Harvard .
De acordo com o analista, Obama deve pesar toda esta história e iniciar um processo formal para devolver o território de Guantánamo aos seus legítimos proprietários. Assim, o chefe de Estado iria enviar uma grande mensagem sobre a integridade e a retificação não são sinônimo de fraqueza, ele disse.
Funcionários do governo cubano ratificoram a disposição de Havana para implementar um diálogo político com os EUA sobre a base do respeito mútuo, apesar da manutenção por Washington de uma vida dura há meio século contra a ilha.
"Cuba reafirma a sua posição de manter um diálogo respeitoso com os Estados Unidos para resolver os problemas pendentes (...) as nossas únicas exigências são que deve ser desenvolvido com base na reciprocidade e igualdade", disse o diretor do Departamento norte-americano do Ministério das Relações Exteriores ( AMF), Josefina Vidal.
Das Nações Unidas aprovou em novembro uma nova resolução de número 21 em tantos anos consecutivos na demanda o levantamento do bloqueio dos EUA contra Cuba.
A alegação foi certificada pela grande maioria da Assembleia Geral, composta pelos 193 membros da organização mundial e presidiu em sua sessão atual regular pelo ex-chanceler sérvio Vuk Jeremic.


Postar um comentário