Melhorias atribuídas ao Programa Luz para Todos




IBGE - O Censo 2010 apontou a existência de uma população ainda sem energia elétrica em suas casas, localizada, principalmente, nas Regiões Norte e Nordeste e nas áreas de extrema pobreza.
Para atender a essas famílias, o Governo Federal, por meio do Decreto nº 7.520/2011, instituiu uma nova fase do Programa, agora para o período de 2011 a 2014, com foco aos cidadãos contemplados no “Plano Brasil Sem Miséria” e no “Programa Territórios da Cidadania”. (Estabelecidos em antigos quilombos, áreas indígenas, assentamentos de reforma agrária, em regiões que sejam afetadas pela construção de usinas hidrelétricas e localizados em área de elevado impacto tarifário.

OBS.: Relembramos que o Governo Lula lançou em novembro de 2003 o desafio de acabar com a exclusão elétrica no país.  O Programa LUZ PARA TODOS, estabeleceu a meta de levar o acesso à energia elétrica,  para mais de 10 milhões de pessoas do meio rural.

A meta inicial de atender a 10 milhões de pessoas foi alcançada em maio de 2009 e até março de 2012, o Programa já chegou para cerca de 14,4 milhões de moradores rurais de todo o país.
Os investimentos chegam a R$ 20 bilhões, dos quais R$ 14,5 bilhões são do Governo Federal.
Mas os benefícios da chegada da energia elétrica vão além. Estima-se que as obras do Luz para Todos tenham gerado cerca de 439 mil novos postos de trabalho e utilizado 1 milhão de transformadores e mais de 7,3 milhões de postes, dos quais 13,3 mil foram desenvolvidos com nova tecnologia utilizando resina de poliéster reforçada com fibra de vidro, que facilitou seu transporte pelas estradas e rios, já que por serem mais leves e por flutuarem, dispensam o uso de caminhões, muitas vezes intrafegáveis na Região Amazônica.
Foram empregados também 1,4 milhão de km de cabos elétricos, parte deles subaquáticos para a travessia de rios, vencendo distâncias que antes não poderiam ser alcançadas. 

Só no estado do Amazonas foram utilizados 28 mil metros de cabos elétricos colocados dentro dos rios.




Essa pesquisa mostrou ainda que 91,2% dos entrevistados afirmaram que a qualidade de vida melhorou e as condições de moradia e as atividades escolares melhoraram para 88,1% e 43%, respectivamente.





Além disso, a economia também se beneficia com a instalação da eletricidade no campo. A pesquisa de impacto realizada no ano de 2009 mostrou que 79,3% dos atendidos pelo Programa adquiriram televisores, 73,3% passaram a ter geladeiras em suas casas e 24,1% compraram bombas d’água, entre outros.
Postar um comentário