Prefeitura de Haddad investe em ações para conscientização ambiental

 

Criação das sacolinhas verdes, das duas centrais de triagem mecanizadas e a ampliação da coleta seletiva para mais dez distritos da capital seguem uma agenda pioneira para o tratamento de resíduos recicláveis na cidade

 
Com o intuito de estimular e ampliar o plano de coleta seletiva, a Prefeitura de São Paulo investe em uma série de medidas para atingir a meta de aumentar o percentual de reciclagem dos atuais 3% para 10%, até 2016. A adoção das "sacolinhas verdes" é apenas uma entre várias medidas adotadas pela Prefeitura para alavancar a coleta seletiva em São Paulo e reduzir a quantidade de resíduos que são encaminhados para os aterros. Desde o início da gestão, com a criação das duas centrais de triagem mecanizadas (em Santo Amaro e na Ponte Pequena), além da ampliação da coleta seletiva para mais dez distritos da capital, a cidade possui uma agenda pioneira para o tratamento dos resíduos recicláveis.

As diretrizes para a gestão de resíduos na cidade estão organizadas no Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Cidade de São Paulo (PGIRS), documento elaborado de maneira participativa com entidades e cooperativas. Atendendo à Política Nacional de Resíduos Sólidos, o plano lançado em abril de 2014 estabelece metas e ações na área para os próximos 20 anos.

Atualmente, a cidade de São Paulo produz diariamente cerca de 20 mil toneladas de resíduos de todos os tipos (coleta domiciliar, resíduos da construção civil, entulhos, resíduos de saúde, resíduos orgânicos das feiras). Aproximadamente 12,5 mil toneladas são de resíduos da coleta domiciliar. Desse total, São Paulo recicla cerca de 3%, que são processados pelas duas centrais mecanizadas e pelas 21 cooperativas conveniadas. Do montante dos resíduos da coleta domiciliar, aproximadamente 35% é considerado resíduo seco com possibilidade de ser reciclado. Cerca de 50% é o orgânico e o restante são rejeitos.

Sacolinhas VerdesDesde o último domingo (5), os estabelecimentos comerciais da cidade de São Paulo podem oferecer a seus clientes apenas sacolas reutilizáveis, produzidas com matéria prima renovável, considerada menos nociva ao meio ambiente. A medida não tem a intenção de criar uma “indústria de multas” ou um clima de perseguição ou constrangimento aos cidadãos, comerciantes ou consumidores. Por isso, neste momento, não haverá acompanhamento jornalístico dos trabalhos de fiscalização.
Leia também:
 Novas sacolinhas são instrumento de educação ambiental
Com uma identidade visual de cunho educativo, as sacolinhas funcionam como mais um recurso de sensibilização e conscientização do cidadão na promoção da coleta seletiva.  Esta medida tem o intuito de promover um clima de mudança de comportamento com relação ao lixo/resíduo ao oferecer a opção da sacola verde ou cinza para facilitar as compras e estimular a reciclagem. Todos devem se adaptar e, eventualmente, podem receber orientação ou advertência.

A decisão judicial que considerou válida a lei que proíbe as sacolas plásticas comuns não tem impacto de custo, assim como o decreto da Prefeitura que oferece a alternativa da sacola reutilizável padronizada. Cabe a cada comerciante optar por oferecer ou não, com cobrança ou não, as novas sacolas – da mesma forma que ocorria com as sacolas anteriores.

As medidas estão previstas na Lei Municipal 15.374, conhecida como lei das sacolinhas, que foi
regulamentada pelo prefeito Fernando Haddad no dia 7 de janeiro deste ano, após a justiça considerá-la constitucional. Além das cores de identificação, as novas sacolinhas ainda terão impressas orientações sobre o descarte correto de resíduos e educação ambiental. Leia mais sobre a lei.

As novas sacolas deverão ser oferecidas em dois modelos apenas, nas cores verde e cinza. O fornecimento ou a venda de sacolas plásticas comuns ou as sacolinhas brancas utilizadas atualmente serão vetados.

Sacolinha verde - será usada pelo consumidor para carregar as compras e, posteriormente, deverá ser reutilizada para o descarte do lixo reciclável na coleta seletiva (resíduos secos, como materiais de plástico, papel, papelão, vidro e metal).

Sacolinha cinza - deverá ser usada para os resíduos orgânicos e rejeitos (fraldas, bitucas de cigarro, chicletes, absorventes femininos, lixo de banheiro e fitas adesivas). Estas poderão destinadas a coleta domiciliar

O munícipe pode consultar os dias e horários de coletas em sua região no 
site da própria Secretaria Municipal de Serviços.

Ampliação da coleta seletivaQuanto a coleta seletiva de resíduos sólidos, em 2013 o serviço era realizado em 75 distritos, sendo que em 14 deles a coleta era universalizada (atingindo todas as ruas). Em setembro de 2014, a Prefeitura ampliou a coleta seletiva de lixo para mais dez distritos da cidade com a aquisição de 11 novos caminhões do programa SP Recicla. Atualmente a cidade conta com 62 caminhões que realizam o serviço de coleta seletiva de resíduos secos em 86 distritos, realizado pelas concessionárias Loga, EcoUrbis ou pelas cooperativas conveniadas com a Prefeitura, atingindo 46 distritos com coleta universalizada.

Esta ampliação possibilitou que um milhão de pessoas passassem a ser beneficiadas com o serviço na cidade, totalizando 4,7 milhões de pessoas.
 
Distritos com coleta parcial:    Empresa:     
BUTANTALoga
RIO PEQUENOLoga
VILA SONIALoga
CACHOEIRINHALoga
CASA VERDELoga
LIMÃOLoga
BRASILANDIALoga
FREGUESIA ÓLoga
AGUA RASALoga
BELEMLoga
BRASLoga
MOOCALoga
PARILoga
TATUAPÉLoga
ARTUR ALVIMLoga
CANGAIBALoga
VILA MATILDELoga
SÃO DOMINGOSLoga
VILA GUILHERMELoga
VILA MARIALoga
VILA MEDEIROSLoga
MORUMBILoga
ANHANGUARAEcourbis
IPIRANGAEcourbis
ITAQUERAEcourbis
PARQUE DO CARMOEcourbis
SACOMÃEcourbis
VILA FORMOSAEcourbis
JD. SÃO LUÍSEcourbis
 
Distritos Universalizados     Empresa:     
BOM RETIROLoga
SANTA CECILIALoga
CONSOLAÇÃOLoga
REPUBLICALoga
Loga
BELA VISTALoga
LIBERDADELoga
CAMBUCILoga
ITAIM BIBILoga
LAPALoga
BARRAFUNDALoga
PERDIZESLoga
VILA LEOPOLDINALoga
JAGUARÉLoga
JAGUARALoga
SANTANALoga
TUCURUVILoga
MANDAQUILoga
ALTO DE PINHEIROSLoga
JARDIM PAULISTALoga
PINHEIROSLoga
PENHALoga
CAMPO BELOEcourbis
CAMPO GRANDEEcourbis
CARRÃOEcourbis
CIDADE ADEMAREcourbis
CIDADE TIRADENTESEcourbis
CURSINOEcourbis
JABAQUARAEcourbis
JOSÉ BONIFÁCIOEcourbis
MOEMAEcourbis
SANTO AMAROEcourbis
SÃO LUCASEcourbis
SAPOPEMBAEcourbis
SAÚDEEcourbis
VILA ANDRADEEcourbis
VILA MARIANAEcourbis
VILA PRUDENTEEcourbis
CIDADE DUTRAEcourbis
GRAJAÚEcourbis
SOCORROEcourbis
ERMELINO MATARAZZOEcourbis
CAMPO LIMPOEcourbis
CAPÃO REDONDOEcourbis
PEDREIRAEcourbis
PONTE RASAEcourbis
 
Segundo dados de janeiro deste ano, a cidade de São Paulo tem 70,7% dos seus distritos atendidos pelo serviço de coleta seletiva na cidade, o que corresponde a 61,59% de domicílios atendidos.

Ainda em 2015, a previsão é que a Prefeitura vai intensifique os trabalhos para que até o final da gestão a ampliação do serviço de coleta seletiva seja realizada de forma universalizada em 54 distritos.

Novas centrais mecanizadasEm um processo inédito na reciclagem de resíduos sólidos, as duas primeiras centrais mecanizadas de triagem da América Latina em Santo Amaro e Ponte Pequena, na região do Bom Retiro, permitiram que capacidade de processamento de recicláveis fosse triplicada. Em conjunto com os investimentos realizados nas cooperativas, a ação fez com que a capacidade de reciclagem dos resíduos gerados na cidade chegasse a 7%, triplicando o serviço e fortalecendo as cooperativas de catadores.

Cada um dos equipamentos tem capacidade de processar 250 toneladas por dia. Para a instalação destas centrais foram investidos R$ 59 milhões, sem custo para a Prefeitura, pois as empresas concessionárias Loga e Ecourbis são responsáveis pelos empreendimentos como parte de obrigações do contrato de prestação do serviço de coleta de lixo na cidade.
Clique aqui e saiba mais sobre o assunto.

Os equipamentos instalados nas centrais automatizadas de São Paulo são inéditos na América Latina e foram importados da França, da Espanha e da Alemanha. Ao longo do processamento, o maquinário tem capacidade de separar por volta de 10 tipos diferentes de resíduos. Todo o trajeto dos materiais ocorre esteiras automatizadas.

Outras duas devem ser inauguradas até 2016, na Vila Maria e em São Mateus, atingindo a marca de cerca de 1.250 toneladas diárias.



Inclusão social
A política pública de ampliação da coleta seletiva está acompanhada de um processo de valorização das cooperativas de reciclagem. A renda gerada pela venda da produção das quatro centrais mecanizadas será revertida para o Fundo Municipal de Coleta Seletiva, Logística Reversa e Inclusão de Catadores.

A central da Ponte Pequena emprega atualmente por volta de 50 catadores da cooperativa Coopere Centro. Com a ampliação do processamento, a quantidade de cooperados envolvidos irá dobrar, com cerca de 70 catadores em dois turnos. Os trabalhadores atuam na seleção, inspeção e controle de qualidade dos materiais.

A nova central de Santo Amaro emprega inicialmente 62 membros da Cooperativa de Coleta Seletiva de Capela do Socorro (Coopercaps), que atualmente trabalham no processo de calibragem das máquinas.

Ecopontos:A cidade conta com 80 Ecopontos em operação. Os equipamentos funcionam como locais de entrega voluntária de pequenos volumes de resíduos onde o munícipe pode depositar gratuitamente até um metro cúbico por dia, quantidade equivalente a uma caixa d’água de mil litros ou a 25% de uma caçamba de entulho.

As unidades não recebem orgânicos, materiais industriais (graxa e tinta, por exemplo), telhas de amianto, lâmpadas fluorescentes, resíduos hospitalares e eletroeletrônicos.

Endereços de todas as unidades e mais orientações estão disponíveis na página da 
Autoridade Municipal de Limpeza Urbana.  Mais informações também podem ser obtidas pelo telefone 0800-7777156.

A meta da atual gestão é que até 2016, a cidade tenha 140 ecopontos, conforme o Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PGIRS), aumentando a oferta de áreas para a deposição regular dos resíduos.

Composteiras domésticas:Na agenda ambiental da cidade está ainda a reutilização dos resíduos orgânicos por compostagem, para redução da quantidade de materiais enviados aos aterros sanitários. Um projeto-piloto distribuiu 2.000 composteiras domésticas, com o objetivo também de levantar informações para a ampliação dessa política. Os avanços no manejo adequado do lixo integram um conjunto de ações de melhoria do meio ambiente da cidade, que inclui ainda a implantação de 400 quilômetros de ciclovias até 2015, a qualificação do transporte público e a adoção das lâmpadas de LED para a iluminação pública.

Contribua:Para que a reciclagem avance na cidade, é necessário que toda a população contribua com as ações.

Para saber se sua residência conta com coleta seletiva, é possível consultar as empresas responsáveis pela coleta de lixo na capital, pela internet ou por telefone. A empresa Loga disponibiliza uma busca pelo 
site da empresa e atendimento pelo telefone 0800-770 1111. Ela atende às subprefeituras Butantã, Casa Verde, Freguesia do Ó, Jaçanã/Tremembé, Lapa, Mooca, Penha, Perus, Pinheiros, Pirituba/Jaraguá, Santana/Tucuruvi, Vila Maria/Vila Guilherme e Sé.

A empresa Ecourbis também oferece 
busca online na internet e pelo telefone 0800-772 7979. A concessionária é responsável pelas subprefeituras de Aricanduva / Formosa, Campo Limpo, Capela do Socorro, Cidade Ademar, Cidade Tiradentes, Ermelino Matarazzo, Guaianases, Ipiranga, Itaim Paulista, Itaquera, Jabaquara, M’Boi Mirim, Parelheiros, Santo Amaro, São Mateus, São Miguel, Vila Mariana e Vila Prudente.

Para contribuir com a reciclagem, são importantes alguns cuidados no descarte do lixo, principalmente a separação dos resíduos recicláveis, como latas e garrafas, dos resíduos orgânicos, como restos de comida e cascas de frutas. Recicláveis com restos de alimentos devem ser enxaguados para não contaminarem outros materiais.
 
Postar um comentário