XENOFOBIA NA AFRICA DO SUL

Luta Zulu na África por conta do domínio das potencias europeias produz xenofobia. Goodwill Zweletini, rei dos Zulu, a tribo e grupo étnico mais representado na África do Sul, diz: "façam as malas e voltem para onde vieram".
África do Sul: 4 mortos em protestos contra a xenofobia.

Dez mil pessoas marcharam pelas ruas de Durban até ao edifício da câmara municipal. Foram afastadas pela polícia com gás lacrimogéneo. Pelo menos quatro pessoas morreram ontem, 16 de Abril, durante confrontos numa manifestação contra a xenofobia em Durban, na província de KwaZulu-Natal, na África do Sul.
Os protestos decorreram depois de casas e lojas de imigrantes, sobretudo negros, terem sido assaltadas e destruídas, no centro de Durban. Nesta zona, mais de cinco mil pessoas tiveram que abandonar as suas casas para que pudessem encontrar refúgio em espaços públicos, igrejas e mesquitas.

Esta saída começou depois de Goodwill Zweletini, rei dos Zulu, a tribo e grupo étnico mais representado na África do Sul, ter dito "façam as malas e voltem para onde vieram". "Fugimos do nosso país por causa da guerra, e agora a guerra está a perseguir-nos", comentou um imigrante, natural do Congo.

As pessoas vítimas da violência são maioritariamente naturais do Zimbabwe, Somália, Congo, Nigéria ou Tanzânia. "Porque estão os Zulus a matar-nos? Somos negros como eles, temos a mesma cor de pele. Somos todos africanos", comentou um dos manifestantes.

Ontem cerca de dez mil pessoas marcharam pelas ruas de Durban até chegarem ao edifício da câmara municipal. No entanto, as autoridades acabaram por aumentar as ondas de confrontos entre os manifestantes, ao dispersar a multidão com gás lacrimogéneo.
 
Outros ataques também atacaram o centro de Joanesburgo, na província de Gauteng, quando ontem, vários jovens, usando pedras, obrigaram os proprietários de várias lojas a encerrarem os seus espaços comerciais. 
 
 
XENOFOBIA ZULU - FRUTO DE UMA SANGRENTA HISTÓRIA
 

 
Império Zulu
Os zulus são um povo do sul da África, vivendo em territórios atualmente correspondentes à África do Sul, Lesoto, Suazilândia, Zimbábue e Moçambique. Embora hoje tenham expansão e poder político restritos, os zulus foram, no passado, uma nação guerreira que resistiu à invasão imperialista britânica e bôere no século XIX.




Os zulus eram originalmente um grande clã onde hoje é o norte do kwaZulu-Natal. Foi fundada por Zulu kaNtombhela. Em 1816, os zulus formaram um poderoso estado sob liderança de Shaka - O império Zulu.


Shaka.
 
Tchaka tornou-se um chefe cruel. Muitos dos seus generais (indunas) não estavam satisfeitos com a disciplina de ferro que Tchaka.
Em 1827 Tchaka decide ir atacar Soshangane que nessa altura se encontrava perto de Delagoa Bay (Lourenço Marques). Quando ia quase a chegar a Lourenço Marques chegou-lhe a notícia de que sua mãe Nandi morrera.Tchaka imediatamente mandou parar a expedição e voltou.
Tchaka sentiu muito profundamente a morte de sua mãe, com quem vivera e a quem tinha uma afeição sem medida. Em sinal de luto pela morte de Nandi Tchaka ordenou uma série de sacrifícios. Durante um ano não se faria agricultura, não se beberia leite nem comeria carne e todos se deviam abster de relações sexuais. Toda a mulher que engravidasse nesse período era morta, juntamente com o marido.
Tchaka nunca casara, porque um herdeiro fazia-lhe pensar na sua própria morte. Toda a mulher que se engravidasse dele era morta.
O luto pela morte de Nandi provocou um grande descontentamento em todo o povo. Toda a gente achava aqueles sacrifícios arbitrários e desumanos.
Em 1828, aproveitando-se do descontentamento geral em todo o Império, dois irmãos de Tchaka de nome Dingane e Mhlangane ajudados por um induna Mbhope resolveram assassinar Tchaka. No momento em que Tchaka tinha enviado uma parte dos seus exércitos para atacar os Pondos numa expedição punitiva, Dingane e Mhlangane assassinaram Tchaka. Foi Dingane quem sucedeu a Tchaka.

Guerra Anglo-Zulu




A Guerra Anglo-Zulu foi um conflito que aconteceu em 1879 entre o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda e os Zulus.

Em 11 de dezembro de 1878, os britânicos entregaram um ultimato aos onze chefes representados por Setshwayo. Os termos incluíam a rendição de seu exército e aceitar a autoridade britânica. Cetshwayo recusou e a guerra começou em 1879.


Batalha de Isandlwana.

Os zulus ganharam em 22 de janeiro a batalha de Isandlwana. A virada dos britânicos veio com a batalha em Rorke's Drift e sua vitória veio com a batalha de Ulundy em 4 de Julho.

Os britânicos venceram a guerra e conquistaram o Império Zulu.
ZULU - Revolta contra os britânicos na África do Sul
 
A Revolta Bambatha 1906 África do Sul, última resistência armada contra o colonialismo. 
 
Guerreiros ZulusA Revolta Bambatha revolta Zulu contra o domínio britânico e a tributação em Natal , África do Sul , em 1906. A revolta foi liderada por Bambatha kaMancinza (1860-1906), líder do clã AmaZondi do povo Zulu, que viviam no Vale do Mpanza, um distrito perto Greytown,KwaZulu-Natal .   

Revolta após a Guerra Anglo-Zulu – Guerreiros Zulus 

Nos anos seguintes, à Guerra Anglo-Bôer empregadores brancos em Natal tiveram de recrutar trabalhadores agrícolas negros devido ao aumento da concorrência das minas de ouro de Witwatersrand. As autoridades coloniais introduziram mais £ 1 imposto , além do imposto existente para incentivar os homens negros para entrarem no mercado de trabalho. O rei Bambatha, governava cerca de 5.500 pessoas em 1.100 famílias, foi um dos chefes que resistiram à introdução e cobrança do novo imposto.

 
   
Bambatha Guerreiros
O rei Bambata, que chefiou a rebelião em 1906 - um dos heróis que povoaram a infância de Mandela.
O governo do Natal enviou policiais para cobrar o imposto dos distritos revoltados, e em fevereiro de 1906 dois oficiais brancos foram mortos perto de Richmond, KwaZulu-Natal . Instalaram a lei marcial, Bambatha fugiu para o norte para consultar o Rei Dinizulu , que deu apoio tácito ao Bambatha e convidou-o e à sua família para se refugiarem na fazenda real.

Bambatha retornou ao Vale do Mpanza para descobrir que o governo inglês de Natal o tinha deposto como chefe.

 
Tropas britânicasReuniu uma pequena força dos adeptos e começou a lançar uma série de guerrilha ataques, usando a floresta Nkandla como base. Após uma série de sucessos iniciais, as tropas coloniais sob o comando do coronel Duncan McKenzie partiu em uma expedição no final de abril de 1906.   

 
Chefe Sigananda Shezi amaCube, 96, capturado e humilhado pelas Tropas ColoniaisCabeça decapitada pelos inglesesTropas britânicas armadas com fuzis e metralhadoras.
Uma vez que conseguiu ficar frente a frente, cercaram os rebeldes no Gorge Mome, a vitória britânica na batalha desigual era inevitável, dada a grande disparidade de forças. À medida que o sol se levantou, os soldados coloniais abriram fogo com metralhadoras e canhões, em sua maioria rebeldes armados apenas com os tradicionais azagaias (lanças), e escudos de couro.

Cabeça decapitada, seus adeptos acreditam que ele fugiu para Moçambique.
Bambatha foi morto e decapitado durante a batalha, no entanto, muitos de seus partidários acreditam que ele ainda estava vivo, e sua esposa se ​​recusou a entrar em luto. O principal aliado de Bambatha, o aristocrata Inkosi Sigananda Shezi de 95 anos de idade, AmaCube clã Zulu (primo e quase contemporâneo do rei zulu Shaka ) foi capturado pelas tropas coloniais e morreu poucos dias depois.

O chefe Inkosi Sigananda Shezi de 95 anos de idade, preso e humilhado pelos ingleses
Entre 3.000 e 4.000 Zulus foram mortos durante a revolta (alguns dos quais morreram lutando do lado do governo britânico de Natal). Mais de 7.000 nativos foram presos, e 4000 açoitados. O Rei Dinizulu foi preso e condenado a quatro anos de prisão por traição.
 
 
 
População


Dança Zulu.

A população de zulus na África do Sul foi estimada em 8.778.000 1995, correspondendo a 22.4% da população total do país ("The Economist"). Nos restantes países, o número de zulus é estimado em cerca de 400 mil.

A província sul-africana do KwaZulu-Natal é considerada a sua pátria original.
 
 

 
 



 




 




 



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  1.  
     








    1.  

      1.  
         
         
        Postar um comentário