Wikileaks publicou documentos de ciberataque da Sony Pictures

Wikileaks publicou na quinta-feira (16/04) todos os documentos e e-mails da Sony Pictures que foram pirateados.
 
Até a publicação dos dados pelo Wikileaks, a publicação das informações tinha sido feita a conta-gotas e a imprensa tinha apagado os dados mais sensíveis.
 
A base de dados divulgada por Wikileaks possui mais de 30 mil documentos, 173 mil e-mails e 2 200 endereços de e-mail da Sony Pictures, a filial cinematográfica da companhia japonesa.
 
Em comunicado, o fundador do Wikileaks, Julian Assange, garantiu que a informação é "noticiosa, centro de um conflito geopolítico e pertence ao domínio público, já que mostra o funcionamento da corporação multinacional".
 
A Sony respondeu com outro comunicado em que criticou a publicação.
 
Os vazamentos da Sony começaram no ano passado e, segundo o governo americano, foram responsabilidade de hackers ligados ao regime norte-coreano, que atuaram em represália à estreia do filme A Entrevista, que satiriza o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.
 
Os documentos revelados pela Wikileaks contêm detalhes da estratégia de pressão pública da Sony, suas relações com políticos e estratégias de negócio.
 
 
Ataque de hacker pode ter custado a Sony $ 100.000.000
 
Um dia antes do ataque cibernético, a Sony foi avisada: Um grupo que afirmava ser  responsável pelo ataque cibernético contra a Sony Pictures Entertainment, postou uma carta no site da Sony, contra a comédia que narra um plano para assassinar o líder da Coreia Norte: "Cancelar imediatamente. Não exibir o filme que consideramos um terrorismo e que pode quebrar a paz regional e causar guerra!". Foi assinado por GOP, o grupo de alias Inglês "Guardiões da Paz". Pyongyang denunciou o filme como um "patrocínio óbvio ao terrorismo, bem como um ato de guerra" em uma carta ao secretário-geral NaBan Ki-moon.
 
Os hackers, em 2014, roubaram grandes quantidades de dados e software usados ​​na Sony, apagaram dados de computadores, fecharam grande parte da divisão da Sony Corp.
 
O ataque cibernético no estúdio da Sony em Hollywood pode ter custado dezenas de milhões de dólares para a empresa, de acordo com especialistas de segurança e violações de sistemas. Um ataque anterior a Sony Playstation, em 2011, custou U$ 171 milhões.
 
Estes ataques afetam a reputação da Sony: É percebido como a Sony fracassa em proteger informação, disse Jim Lewis, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais .
 
Postar um comentário