PREFEITO HADDAD INSTALA SISTEMA POC PARA AGILIZAR TRATAMENTO CONTRA DENGUE

A primeira tenda para pacientes com dengue foi inaugurada no dia 06/04 - Unidade Básica de Saúde (UBS) Jardim Vista Alegre, na Brasilândia, zona norte da capital.
 
O objetivo das tendas é dar apoio às unidades de saúde na zona norte de São Paulo, nos bairros mais atingidos pelos casos de dengue. Cada tenda tem a capacidade de atender entre 150 e 200 pessoas por dia.
 
A prefeitura também está instalando equipamentos para agilizar diagnóstico de pessoas com sintomas de dengue hemorrágica. O equipamento de dengue realiza  exames de contagem de plaquetas que em apenas cinco minutos conclui o diagnóstico. Os pacientes serão encaminhados pelas AMAs e UBSs.
 

Prefeitura de SP instala sistema POC para agilizar tratamento contra dengue

Com equipamentos, pacientes com suspeita de dengue poderão fazer exame de sangue e identificar baixa concentração de plaquetas, um dos principais sintomas da versão mais grave da doença. 
dengue-repelente
Com as novas máquinas, a identificação da queda do número de plaquetas é realizada em apenas 5 minutos, com uma única gota de sangue do paciente.
Quatro equipamentos de saúde da zona norte da capital já receberam máquinas para o exame rápido de sangue. A ação, chamada de Point of Care (POC), tem como objetivo agilizar o diagnóstico e o encaminhamento de pacientes que apresentam baixa concentração do número de plaquetas no sangue, um dos principais sintomas da dengue hemorrágica.
De acordo com o balanço apresentado pela Secretaria Municipal de Saúde na semana de 4 de janeiro a 14 de março, 15.789 casos foram notificados e 4.436 foram confirmados autóctones (contraídos no município). Cerca de 47,5% dos casos estão concentrados na zona norte de São Paulo.
Com as novas máquinas, a identificação da queda do número de plaquetas é realizada em apenas 5 minutos, com uma única gota de sangue do paciente. Apesar de não possibilitar a confirmação da dengue em si, se constatada, a informação já é o suficiente para o encaminhamento do paciente para o tratamento intensivo, que tem início imediato, sem a necessidade de espera pelo resultado do exame específico para o diagnóstico da doença – algo que leva, em média, cinco dias.
 
Tenda de auxílio no combate à dengue
Além dos quatro pontos, cuja localização será divulgada em breve pela Secretaria Municipal de Saúde, uma outra máquina para a realização de exames de sangue será instalada em uma tenda montada junto à UBS Jardim Vista Alegre, onde também será oferecido atendimento à população com suspeita de dengue.
A adoção de tendas para o auxílio no combate à dengue já estava prevista no Plano de Contingência, elaborado no ano passado, e é recomendado e aprovado pelo Ministério da Saúde.
Localizada na Brasilândia, bairro também da zona norte, o equipamento contará com três clínicos, um pediatra, quatro enfermeiros e cinco técnicos de enfermagem e funcionará de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h. O atendimento será executado em parceria com o Hospital Albert Einstein.
 
 
De acordo com Puccini, a tenda foi inaugurada antes do pico de dengue previsto para a capital. "O pico deve ser na 16ª e na 17ª semana do ano. Então, montamos entre a 13ª e a 14ª para receber os pacientes e ela deve funcionar em torno de seis semanas."Ainda segundo Puccini, serão inauguradas outras oito tendas na capital nas zonas norte (Freguesia do Ó e Jaraguá), oeste (Rio Pequeno e Lapa), sul (Cidade Ademar e M’Boi Mirim) e leste (Itaquera e Carrão) nas próximas semanas.
A primeira a ser atendida foi a autônoma Maria Eugênia Rondo Rojas, de 44 anos, que está com sintomas de dengue desde a segunda-feira da semana passada. "Ela estava com febre alta, saíram manchas vermelhas no corpo e ela não consegue comer nada", conta a cunhada dela, a também autônoma Linda Riveiro, de 26 anos. Os atendimentos eram rápidos e havia fila só no preenchimento de registros.
Postar um comentário