G20: SANÇÕES CONTRA RÚSSIA PREJUDICAM A ECONOMIA MUNDIAL

BRISBANE Austrália  - Líderes do G20, grupo formado pelas principais economias do mundo, concordaram em impulsionar o crescimento global, enfrentar as mudanças climáticas e reprimir a evasão fiscal.
Para impulsionar o crescimento econômico global os líderes assinaram um pacote de medidas para adicionar 2,1 pontos percentuais extras para o crescimento global em cinco anos.

Líderes do G20 aprovam plano de dois anos para combate à corrupção.

G20, plano, corrupção

Os líderes do G20 aprovaram um Plano de Ação para o Combate à Corrupção para 2015 e 2016, diz-se no comunicado emitido hoje, dia 16 de novembro, no final da cúpula do G20.
“Nós aprovamos o Plano de Ação para o Combate à Corrupção para 2015 e 2016, que contribuirá para o crescimento econômico e o aumento da estabilidade”, diz-se no comunicado.
De acordo com o documento, os esforços visarão o reforço da cooperação e das respectivas estruturas de rede, nomeadamente, com vista a alargar a ajuda jurídica recíproca, a busca e a recuperação de rendas provenientes da corrupção e a impedir a existência de “refúgios seguros” para funcionários corruptos.O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acusou a Rússia de invadir a Ucrânia e o Reino Unido alertou sobre um possível "conflito congelado" na Europa.

Sanções contra Rússia exercem pressão sobre o sistema da economia global

Sanções contra Rússia exercem pressão sobre o sistema da economia global

G20, Putin, sanções

O tema das sanções foi abordado durante os encontros bilaterais mantidos durante a cúpula do G20 na Austrália, havendo um entendimento unânime de que estas afetam todos e que é necessário ultrapassar essa situação, afirmou o presidente russo, Vladimir Putin.
“Este tema, tal como a problemática da Ucrânia, foram largamente abordados durante os contatos bilaterais. As sanções prejudicam todos, há um entendimento unânime de que esta conclusão é a unica aceitável”, frisou o líder russo em coletiva de imprensa no final da cúpula.
Vladimir Putin não compreende porque seu homólogo ucraniano, Piotr Poroshenko, assinou uma decisão que de fato impõe um bloqueio econômico ao sudeste do país.
“Soube na mídia que o presidente da Ucrânia decretou a imposição de um bloqueio econômico às regiões de Donetsk e Lugansk. No meu entender, é um grande erro, porque assim cortam, com sua própria mão, essas regiões. Para quê?”, acentuou o presidente russo.
Putin: Ocidente mina economia da Ucrânia, limitando bancos russos

Russia, sanções, bancos, Putin, Ocidente, sanções

As sanções contra os bancos russos, impostas pelos países do Ocidente, podem afetar a economia da Ucrânia, que, anteriormente, tinha recebido empréstimos da Rússia no valor de $25 bilhões.

Os EUA e outros países do G7 impuseram sanções contra vários políticos russos, empresários e empresas, incluindo alguns dos maiores bancos russos."Nossos bancos russos financiaram a economia ucraniana no valor de $25 bilhões. Se os nossos parceiros na Europa, nos Estados Unidos querem ajudar a Ucrânia, então, como eles podem minar a base financeira, limitando o acesso das nossas instituições financeiras aos mercados de capitais internacionais? Eles querem sobrecarregar nossos bancos? Mas, nesse caso, eles sobrecarregarão a Ucrânia", declarou Putin."Eles pensam no que estão fazendo, ou não? Ou a política vela os olhos? Sabe-se bem que os olhos são uma parte do cérebro, colocada na periferia. Alguma coisa se desativou no seu cérebro?", acrescentou o presidente russo.

A Ucrânia integra o grupo pouco numeroso de países cuja eletricidade é produzida sobretudo a partir da energia nuclear. Países como a Alemanha e a França demonstram grande interesse quanto à sua Central de Energia Nuclear, pois parte da produção de energia elétrica da Ucrânia vai para países da União Europeia. Os europeus já se preparam para tomar conta dos locais de produção de energia nuclear no âmbito da privatização em larga escala anunciada pelo regime de Kiev. Depois, a maior parte dos blocos energético poderão ser encerrados, afastando assim a concorrência, tal como foi feito, em tempos, na Lituânia pós-soviética.
Os EUA levam a cabo seu jogo, tentando, com a ajuda das autoridades de Kiev, controlar o fornecimento energético para a União Europeia. No plano ideal a UE deverá ficar dependente no plano energético não só no que concerne ao petróleo, mas também no âmbito da energia nuclear. Já a Rússia deverá ser simplesmente afastada. No dia 25 de abril, a União Internacional de Veteranos da Indústria Nuclear difundiu uma declaração, que refere que a utilização de combustível nuclear norte-americano na central ucraniana, onde são utilizados reatores de fabrico soviético, poderá levar a situações negativas, semelhantes, na dimensão, à catástrofe de Chernobyl. Contudo, isso não impediu o regime de Kiev de anunciar oficialmente a reciclagem de lixo nuclear proveniente do Ocidente no território do país.

Pushilin: bloqueio econômico de Donbass ameaça processo de Minsk

Ucrania, Pushilin, Poroshenko, Donbass, economia
Foto de arquivo. Denis Pushilin, presidente do Conselho Supremo da República Popular de Donetsk - O processo de Minsk para resolver a situação no leste da Ucrânia está novamente sob ameaça após o decreto do presidente da Ucrânia, Piotr Poroshenko, sobre o bloqueio econômico completo de Donbass, afirma o presidente do Conselho Supremo da autoproclamada República Popular de Donetsk, Denis Pushilin.
"O decreto de Poroshenko sobre o bloqueio econômico é uma grave violação do protocolo de Minsk, cujo o conceito prevê o fornecimento de benefícios econômicos e materiais para a recuperação da região. Trata-se da violação do oitavo parágrafo que obriga a Ucrânia a melhorar a situação humanitária e o parágrafo que afirma que a Ucrânia deverá adotar programa de recuperação de Donbass. 
O presidente ucraniano Poroshenko incumbiu de evacuar a área de operações especiais em Donbas todos os escritórios do governo e os tribunais, retirar os prisioneiros e parar o serviço de contas bancárias. No entanto, ele pediu para notificar o Conselho da Europa sobre as violações dos direitos humanos por parte da Ucrânia na área de operações especiais e de suas causas.
Decisão da Ucrânia de cortar os laços econômicos com áreas controladas pelos rebeldes e parar de financiar os serviços públicos locais é um grande erro. Não ajuda os moradores e não ganha confiança em Kiev, disse Putin a jornalistas na cúpula do G20.
Kiev suspendeu a proteção dos direitos humanos e ordenou a retirada das suas instituições de áreas controladas pela milícia local, no leste do país. Rebeldes marca o decreto, que atinge a população na véspera do inverno, um "ato de genocídio".
O movimento foi preparado pela última semana ucraniana de Segurança Nacional e Conselho de Defesa e promulgada por um decreto presidencial assinado na sexta-feira. Ele ainda tem de ser ratificada pelo parlamento recém-eleito, mas o decreto diz explicitamente que este procedimento deve ser acelerado - assim há pouca dúvida de que a nova coalizão de governo vai adotá-lo na próxima semana.
Sem dúvida a parte mais controversa do decreto é a suspensão da Convenção Europeia dos Direitos Humanos em áreas controladas pelos rebeldes. 
A convenção , que garante os direitos humanos básicos e liberdades fundamentais na Europa, tem uma disposição que permite que alguns de seus artigos a serem derrogadas por um signatário "em tempo de guerra ou de outro perigo público que ameace a vida da nação."
Kiev tem insistido que a campanha militar lançada contra as províncias dissidentes não é uma guerra, mas uma "operação anti-terrorista." Aparentemente, a operação ameaça a vida da Ucrânia, que agora vai observar apenas as disposições da convenção, o que não pode ser afastada em qualquer circunstância. Em particular, eles tem o direito à vida, a proibição da tortura e da escravidão, e o direito de não ser submetido à punição ilegal.

"Eu não entendo por que autoridades Kiev  estão cortando esses territórios com suas próprias mãos. Não é o momento ou o caso de poupar dinheiro em ", disse ele.
Putin comparou crise de Kiev com as regiões Donetsk e Lugansk ao próprio conflito armado da Rússia na República da Chechénia que eclodiram várias vezes desde o início de 1990 e terminou oficialmente em abril de 2009. Mas, mesmo nos piores momentos, Moscou não parar de pagar pensões e outro social benefícios para o povo checheno, disse ele. "Em momentos que pareciam ser estúpido, porque as pessoas que estavam no controle não só desviou esse dinheiro, mas também pode usá-los para, obviamente, menos do que nobres objetivos. Mas nós fizemos isso devido a nossas obrigações morais para com as pessoas comuns. E, no final, acabou por ser a decisão certa, como os chechenos apreciado o que a Rússia fez para apoiar as pessoas comuns ", disse Putin. 


Chefes de Estados e organizações internacionais posar para a "foto de família" durante a Cimeira do G20 em Brisbane em 15 de novembro de 2014. (AFP Photo / Saeed Khan)
Chefes de Estados e organizações internacionais posar para a "foto de família" durante a Cimeira do G20 em Brisbane em 15 de novembro de 2014. (AFP Photo / Saeed Khan)
O líder russo disse que espera que a decisão do presidente ucraniano, Petro Poroshenko será alterada de acordo com as exigências da vida real.
Kiev decidiu tomar uma série de medidas nas áreas controladas pelos rebeldes do leste da Ucrânia, incluindo a suspensão da proteção dos direitos humanos para os seus residentes, o congelamento dos serviços públicos, e que proíbe os bancos de operarem lá. As medidas econômicas sufocantes. O movimento foi em retaliação pelas eleições que o auto-proclamado Donetsk e Lugansk Repúblicas das Pessoas detidas no início de Novembro, desafiando a proibição de Kiev. 

Conversas do G20

"Eu dei uma olhada na imprensa local e outros meios de comunicação depois que eu cheguei aqui. Houve algumas chicotadas na tensão. Existe a realidade real e a vida virtual como relatada pela mídia - pelo menos neste caso particular a realidade - é muito diferente", sublinhou Putin.
Putin disse que, embora praticamente todas as reuniões bilaterais que teve na cúpula a crise na Ucrânia eram discutidas, na assembléia geral não foi focada. Em vez disso, a agenda incluiu o investimento em infraestrutura e a introdução de uma nova instituição para a indústria global de energia, entre outros temas. Falando de própria posição da Rússia em um mundo de diminuição dos preços do petróleo e depois de a moeda nacional russo experimentado desvalorização rápida, Putin assegurou que a nação tem fôlego suficiente para resistir à tempestade. Devido ao aumento do dólar, o petróleo foi negociado superior ao orçamento da Rússia 2014 previsto para o primeiro semestre do ano, por isso o baixo preço atual não vai forçar uma correção, ele disse. "Vamos ver o que acontece no próximo ano. Se isso continuar, vamos corrigir os nossos gastos, mas não vai afetar nossas obrigações sociais”, disse Putin. 

Licença inicial de Putin

Vladimir Putin deixou a cúpula do G20 um pouco mais cedo do que o planejado, pulando um pequeno-almoço de trabalho domingo. Na sequência de uma avalanche de especulações da imprensa sobre os motivos de sua saída antecipada, explicou o movimento.
O presidente russo Vladimir Putin † chega para a Cimeira do G20 em Brisbane em 15 de novembro de 2014. (Foto: AFP / Alain Jocard)
O presidente russo Vladimir Putin † chega para a Cimeira do G20 em Brisbane em 15 de novembro de 2014. (Foto: AFP / Alain Jocard)
O presidente russo Vladimir Putin † chega para a Cimeira do G20 em Brisbane em 15 de novembro de 2014. (Foto: AFP / Alain Jocard)

“Assim, para evitar especulações por aqui” vou para um pequeno-almoço de trabalho, mas o ministro das Finanças vai ficar “, disse ele. "A viagem daqui até Vladivostok é de nove horas. E nove horas a mais de Vladivostok a Moscou. Eu gostaria de chegar em casa antes de ir trabalhar na segunda-feira. E ter pelo menos quatro ou cinco horas de sono. 
 Não há outras considerações aqui. " Mais cedo, alguns meios de comunicação implícito que Putin iria deixar a cúpula cedo porque outros líderes mundiais o pressionaram sobre a posição da Rússia sobre a crise ucraniana. Putin negou a hostilidade e relatou: A realidade da cimeira foi diferente do que a mídia descreve, e a atmosfera foi construtiva. 

Postar um comentário