ANONYMOUS X KLU KLUX KAN - AMEAÇAS E JURAS DE MORTE PODEM SAIR DAS REDES SOCIAIS E CHEGAR AO MUNDO REAL


‘We will hunt you down’: KKK threatens to shoot Anonymous ‘n***** lovers’

Nos vamos caçar vocês!

KKK ameaça atacar ANONYMOUS amantes de negros


Alex Wong / Getty Images / AFP
Alex Wong / Getty Images / AFP
No início desta semana, houve uma tensa troca de mensagens via tweet entre o coletivo hackers Anonymous e Frank Ancona , que se auto-intitula “Imperial Wizard of the Traditionalist American Knights,” ( Grão Mestre Imperial dos Guardiões das Tradições Americanas) e um membro amigo da KKK.
A amarga guerra de palavras entre hackers Anonymous e o coletivo da Klu Klux Klan corre o risco de derrame de sangue em violência real, com o grupo de ódio da direita supostamente ameaçando atirar ativistas vestindo a máscara de Guy Fawkes, no sul do Missouri.
Na missiva, Ancona teria dito que alguém vagando na zona rural do Missouri com uma máscara de Guy Fawkes poderia"acidentalmente" encontrar-se na mira de um caçador.
"Esta aberta a temporada de caça aqui no sul do Missouri, é muito fácil ver como um caçador poderia confundir alguém usando uma dessas máscaras anônimos gays na hora de abater um cervo.BUM BUM !!! Opa! Desculpe foi um acidente " , diz a mensagem.
A mensagem acima é realmente atribuída a Ancona, com ameaças de violência e insultos racistas dirigidos ao coletivo de hackers. Na sequencia dela, ele afirma que os nomes de vários membros do Anonymous já foram obtidos, incluindo a do "Comandante X", descrito como "The Grand Wizard Of Anonymous", e um outro membro que opera sob o pseudônimo de alçaTrezSec.

E anaconda seguiu destilando ódio nas mensagens:
Não temos vergonha de quem somos e do que representamos. O IMPÉRIO INVISÍVEL não pode e não será derrubado, [sic] " a mensagem assinada com o nome de Anacona. "Vamos caçá-los e arrancar essas máscaras do seus rostoz. Vocês serão enforcados ao lado dos chimpanzés. Em exibição para o mundo inteiro ver. A Klan é para ser temida, não ameaçada ".

Na quarta-feira, os indivíduos que afirmam ser afiliado com Anonymous enviou um vídeo para News2Share dizendo que tomou a declaração como "uma ameaça direta sobre nossas vidas" que não aceitaria.

  
O vídeo diz que hacktivistas empregarão todos os meios necessários para se defender.
Disseram ainda que a polícia de Ferguson que, se eles responderam a manifestantes na cidade com táticas violentas, devem saber que eles estão "a ser vigiado de perto."
"Você homem tem as armas e distintivos, mas quando você está do lado da KKK, a história não vai olhar gentilmente para você .
Os dois grupos com uma propensão para o vestuário-cobrindo o rosto começaram a se envolver em uma "guerra cibernética" desigual , após a KKK ameaçar a usar "força letal" contra manifestantes em Ferguson, Missouri.
Na noite de domingo, o Anonymous listados os sites KKK que havia tomado offline em seu feed do Twitter, com relatos de ataques acompanhados da hashtag #OpKKK. O grupo também disse que a informação obtida a partir dos sites Klan apreendidos e contas do Twitter poderia ajudá-lo a desmascarar vários membros da KKK, provavelmente provocando o "Nós não estamos escondendo" que Anacona se referiu em uma de suas mensagens.
Na quinta-feira, o Anonymous divulgou um vídeo afirmando que tinha informações de um denunciante que dizem que ligaria a KKK com o Departamento de Polícia de Ferguson. O grupo não vai liberar a informação, no entanto, dizendo que a sua especificidade acabaria por revelar a fonte. Em vez disso, eles prometem manter esta informação até que possam ligar os pontos por eles mesmos.

Os hacktivistas mais cedo afirmaran ter identificado os membros da KKK em um comício de apoio ao policial Darren Wilson, que atirou e matou um adolescente negro chamado Michael Brown em Ferguson, Missouri no dia 9 de agosto.
Há temores que novos protestos poderiam entrar em erupção em Ferguson, quando o conjunto do grande júri federal anunciar a sua decisão sobre se deve ou não acusar Wilson pela morte do adolescente desarmado.

Pai de jovem afro-americano assassinado em Ferguson pede calma
  
Imagen activaWashington, 21 nov (Prensa Latina) O pai do afro-americano Michael Brown, morto a tiros por um policial em Ferguson, Missouri, em agosto passado, pediu aos manifestantes e grupos de direitos civis a manter a calma até que tenha uma decisão do grande júri.
"Minha família e eu estamos sofrendo. Toda nossa região está danificada.

Agradeço a todos por erguer suas vozes para pôr fim à discriminação racial e à intimidação da polícia, mas ferir outros ou destruir a propriedade não é a resposta", afirmou Michael Brown Sr. em uma mensagem de vídeo difundido ontem.

Espera-se hoje que o grande júri levará a cabo sua última sessão, para determinar se deve acusar ou não Darren Wilson, o policial branco que tirou a vida de Brown, de 18 anos, após desferir-lhe seis disparos em 9 de agosto passado.

"Não importa o que decida o grande júri, não quero que a morte de meu filho seja em vão. Quero que conduza a uma mudança positiva, uma mudança que faça com que seja melhor para toda a região de St. Louis", disse o pai de Brown.

O representante federal Lacy Clay, democrata por Missouri, fez um chamado à polícia e aos manifestantes a manter a calma.

"Não deixemos que as tensões se elevem até o ponto da violência", comentou Clay.

O governador do estado de Missouri, Jay Nixon, ativou desde a segunda-feira a Guarda Nacional, após o Bureau Federal de Investigações (FBI) advertir que a decisão do júri "ativaria" ameaças de violência ou inclusive ataques.
Postar um comentário