EUA QUER ROUBAR MÉDICOS CUBANOS

A fuga de cérebros Cubanos, cortesia EUA

Os médicos cubanos que trabalham na África Ocidental podem facilmente abandonar as suas obrigações, tomar um táxi para a embaixada dos EUA mais próximo e solicitar o estatuto de imigração através de um programa que esta promovendo milhares de deserções.



O Secretário de Estado John Kerry e o embaixador dos EUA na ONU, Samantha Power, elogiaram a contribuição de médicos cubanos que cuidam de pacientes com Ebola na África Ocidental. 

Os Centros de Controle de Doenças e Prevenção de Doenças, uma agência federal dos EUA, recentemente enviou um funcionário para um encontro regional organizado pelo governo cubano, em Havana, para coordenar a luta contra a epidemia. 

Na África, os médicos cubanos estão trabalhando em instalações construídas pelos Estados Unidos. O vírus teve o efeito inesperado de injetar o senso comum em um relacionamento desnecessariamente tóxico.

No entanto, os médicos que trabalham na África Ocidental hoje poderia facilmente abandonar as suas obrigações, tomar um táxi para a embaixada dos EUA mais próximo e solicitar o estatuto de imigração através de um programa que permitiu que milhares de deserções. 
Se for aprovado, eles podem entrar nos Estados Unidos em uma questão de semanas, de alguns anos para se tornar cidadãos americanos.

Há muitos aspectos condenáveis ​​de políticas dos EUA falharam em relação a Cuba e o embargo imposto à ilha há décadas. Mas o programa que incentiva a migração de pessoal médico durante atribuições oficiais no exterior é particularmente difícil de justificar. Durante o ano fiscal recém-concluído, 1.278 profissionais médico, um número recorde, obteve autorização para imigrar.

É incongruente que a América valoriza as contribuições de médicos cubanos enviados pelo governo para ajudar na crise global, como o terremoto no Haiti em 2010, enquanto procura desestabilizar as deserções estaduais facilitar.

O sistema de imigração dos EUA deve dar prioridade aos refugiados e às pessoas vulneráveis ​​perseguidos em todo o mundo. Mas não deve ser usado para agravar a fuga de cérebros de uma nação adversária, especialmente quando melhorar as relações entre os países é uma meta viável e sensata.

O programa, concebido pelo poder executivo, começou em agosto de 2006, quando Emilio Gonzalez, um exilado cubano, se opôs fortemente ao governo da ilha, estava no comando da Secretaria de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos. 
Gonzalez descreveu as condições de trabalho dos médicos como "tráfico sancionado pelo Estado." Naquela época, o governo Bush estava tentando minar o governo cubano. Para facilitar a deserção de médicos que participam em missões no exterior é uma oportunidade para atacar a principal ferramenta diplomática da ilha e humilhar o regime de Fidel Castro.  

Cuba leva vários anos usando suas brigadas médicas como a sua principal fonte de renda e poder de persuasão. A ilha tem uma das mais altas taxas de médicos por habitante no mundo, e oferece bolsas de estudo para estudar a saúde de centenas de estudantes internacionais a cada ano. Entre eles, houve alguns americanos. De acordo com números do governo cubano, mais de 440 mil pessoas na ilha de 11 milhões são empregadas no setor da saúde.
The New York Times condena política de EUA de roubar cérebros de Cuba
  
Imagen activaWashington, 17 nov (Prensa Latina) Um editorial publicado hoje pelo diário estadunidense The New York Times, condenou a evasão de cérebros de Cuba patrocinada pelos Estados Unidos, e em particular o programa que incentiva a migração de médicos durante missões oficiais no exterior.
Esta é a sexta ocasião em pouco mais de um mês que o Comitê Editorial do diário nova-iorquino aborda o tema das políticas de Washington para a ilha caribenha.

De acordo com The New York Times, há muitos aspectos condenáveis das políticas frustradas dos Estados Unidos com respeito a Cuba e o embargo (bloqueio) que impõe há décadas, mas o programa dirigido a provocar a fuga de médicos, é difícil de justificar.


Intitulado A cuban brain drain, courtesy of Ou.S. (A fuga de cérebros em Cuba, cortesia dos EUA) e publicado em inglês e espanhol, o jornal estadunidense reconhece que só em 2014 emigraram de Cuba 1.278 mil médicos, um número recorde segundo os índices oferecidos pelo Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos.

Assinala também, que entre 2006 e 2014, os programas ilegais de Washington provocaram a imigração de 5.490 mil médicos cubanos.

O Times sublinha como uma absurda política, que o Secretário de Estado, John Kerry, e a embaixadora estadunidense ante as Nações Unidas, Samantha Power, elogiem o trabalho dos médicos cubanos que atendem pacientes com ebola na África ocidental, e por sua vez mantenham planos para sangrar Cuba de seu potencial médico.

"É incoerente que os Estados Unidos valorize as contribuições dos médicos cubanos enviados pelo governo para participar em crises mundiais, como aquela do terremoto no Haiti em 2010, enquanto tenta desestabilizar o Estado (cubano) facilitando as deserções", sublinha o editorial do The New York Times.

Reconhece que o sistema migratório estadunidense deve dar prioridade aos refugiados e às pessoas perseguidas mais vulneráveis do mundo, mas não deve ser utilizado para agravar a fuga de cérebros de uma nação adversária, sobretudo, quando melhorar a relação entre os países é um objetivo viável e sensato.

Recorda também, que o programa de roubo de médicos começou em agosto de 2006, quando o cubano-americano Emilio González, firmemente oposto ao governo da ilha, estava no comando do Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos.

Nessa época - continua o editorial -, o governo de George W. Bush estava tentando sabotar o governo cubano, e facilitou a fuga de médicos que participavam em missões no exterior, como uma oportunidade de atentar contra a principal ferramenta diplomática da ilha e humilhar a Revolução cubana. O The New York Times sublinha que Cuba tem um dos índices mais altos de médicos per capita no mundo, e oferece bolsas para cursar estudos de saúde em centos de estudantes de diferentes países a cada ano, e entre eles - destaca -, há alguns estadunidenses.

Destaca também o trabalho médico cubano no exterior, deles 46 mil profissionais que trabalham em países da América Latina e Caribe, e cerca de 4 mil que estão alocados em 32 nações africanas. Os editores do diário nova-iorquino propõem que estas políticas de roubo de cérebros promovidas pelos Estados Unidos inibem a capacidade de Cuba na hora de contribuir em crises internacionais e não ajuda, minimamente, a criar uma sociedade mais aberta.

"Enquanto se mantenha esta política incoerente, estabelecer uma relação mais saudável entre ambas as nações vai continuar sendo difícil", enfatiza o Times.
Postar um comentário