ONU (ECOSOC) - BRASIL É ELEITO PARA O CONSELHO ECONÔMICO E SOCIAL


Brasil é eleito para o Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC), com mandato de três anos - Início de mandato: 01 de janeiro de 2015.

Em um discurso na Assembleia Geral da ONU no mês de setembro, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, destacou o atraso na implementação de reformas no Conselho de Segurança, órgão encarregado de manter a paz internacional.

"O Conselho de Segurança tem tido dificuldades em promover soluções pacíficas para esses conflitos. Uma verdadeira reforma do Conselho de Segurança é necessária para superar a paralisia atual. Este processo se arrasta por muito tempo ", disse ela.

"Estou certo de que todos nós entendemos os riscos graves de paralisia e inação do Conselho de Segurança", acrescentou.


O Conselho de Segurança, que tem poderes para autorizar uma ação militar, impor sanções e estabelecer operações de manutenção da paz, tem 10 membros rotativos.

Os outros 16 membros a serem eleitos ao ECOSOC além de Índia e Brasil (BRICS), foram a Argentina, Áustria, Burkina Faso, Estónia, França, Alemanha, Gana, Grécia, Honduras, Japão, Mauritânia, Paquistão, Portugal, Trinidad e Tobago, Uganda e Zimbabwe.

Dos 18 eleitos, Áustria, Burkina Faso, França, Alemanha, Grécia, Índia, Japão e Portugal foram reeleitos.
Índia recebeu o maior número de votos no grupo da Ásia-Pacífico para ser reeleito para o corpo.

A Índia no ECOSOC foi reeleita com 183 votos, o mais alto do grupo Ásia-Pacífico, seguidos pelo Japão e Paquistão, com 181 votos cada. 

No início da semana passada, em Nova Deli, também foi reeleito a Índia por 47 nações ao Conselho de Direitos Humanos da ONU (CDH) para o período de 2015-17.

A Índia reiterou as preocupações dos países em desenvolvimento quanto as reformas pendentes no Conselho de Segurança da ONU. A relutância do CSNU em expandir para além dos cinco membros permanentes (EUA, França, China, Rússia e Reino Unido) que detêm poder de veto, significa que regiões inteiras do mundo estão bloqueadas, fora da tomada efetiva nas decisões.


Postar um comentário