EMPRESAS AMERICANAS PERDEM CONTRATOS PARA AS EMPRESAS BRASILEIROS POR CONTA DE ESPIONAGEM.


Antigamente ministro brasileiro tirava
sapato e se ajoelhava as botas do FMI.

ACABOU A TUCANAGEM!

ESCUTAS EM TELEFONES BRASILEIROS CAUSA PERDA DE CONTRATOS!

Brasil está planejando um projeto 185 milhões dólares para colocar cabo de fibra óptica através do Oceano Atlântico, o que poderia implicar engrenagem compra de vários fornecedores.  O que o Brasil não vai precisar? De tecnologia norteamericana.
O cabo está sendo supervisionado pela empresa de telecomunicações estatal Telecomunicações Brasileiras SA, conhecida como a Telebrás. Mesmo que os fornecedores da Telebrás incluam empresas norte-americanas, como a Cisco Systems Inc. (CSCO) , o presidente da Telebras, Francisco Ziober Filho disse em uma entrevista que o projeto de cabo pode ser construído sem quaisquer empresas norte-americanas.
O potencial para excluir fornecedores EUA ilustra o erro grave americano de escutas que está começando a se desenrolar a partir de revelações do ano passado que a Agência de Segurança Nacional dos EUA espionou  inumeros líderes internacionais, como do Brasil Dilma Rousseff e Alemanha 's Angela Merkel para "supostamente" reunir informações sobre suspeitos de terrorismo no Brasil e em todo o mundo. 
"A questão da integridade dos dados e a vulnerabilidade é sempre uma preocupação para qualquer empresa de telecomunicações", disse Ziober. Os vazamentos da NSA no ano passado do valente Edward Snowden solicitado pela Telebras para acelerar auditorias de todos os equipamentos de fabricação estrangeira para verificar se há vulnerabilidades de segurança acelerou o movimento do país em direção à auto-suficiência tecnológica, disse ele.

Nigel Glennie, um porta-voz para San Jose Cisco com sede na Califórnia, recusou-se a comentar. Em novembro passado, a Cisco CEO John Chambers disse incertezas relacionadas com a NSA de espionagem estavam causando os clientes internacionais para "hesitar" em comprar  tecnologias norteamericanas representando uma perda de bilhões de dólares anualmente. 
Vanee Vines, um porta-voz da NSA, anteriormente admitiu e pediu desculpas pela decisão equivocada da gravação do parceiro sul-americano, desta vez não retornou um pedido de comentário.


O cabo planejado pela Telebras, que será executado a partir de 3.500 milhas da cidade brasileira de Fortaleza para Portugal , demonstra uma gigantes perda para as empresas de tecnologia dos Estados Unidos a partir das divulgações NSA que agora estão se cristalizando como verdadeiras. Embora grande parte dos danos a empresas norte-americanas aparecem e tem se concentrado em contratos de tecnologia existentes, a dor maior certamente pode imensamente maior em projetos que estão apenas começando a se aflorar. Em muitos casos, é muito caro e complexo para remover infraestrutura de computação existente, não importa a retórica vinda de líderes do governo norteamericano. Os EUA perderam sua credibilidade no mundo.
Novos projetos são uma questão diferente. Com modernas redes de dados que está sendo construída em todo o mundo - especialmente em mercados emergentes , onde os gastos com tecnologia da informação é estimado a subir  9 por cento este ano, para mais de 670 bilhões de dólares, de acordo com a pesquisadora de mercado IDC - que é onde há oportunidade de olhar cada vez mais para os fornecedores de tecnologia não-norteamericanos.

Ações do Brasil

O Brasil está concentrando-se em um sistema de e-mail chamado Expresso, desenvolvido pela estatal Servico Federal de Processamento de Dados, conhecido como Serpro . Expresso é usado atualmente por 13 de 39 ministérios do país.
"Expresso é 100 por cento sob nosso controle", disse Marcos Melo, coordenador corporativo soluções da Serpro.  Jack Evans, porta-voz da Microsoft, disse que a empresa continua a ouvir de clientes que "quando o seu conteúdo é armazenado e como ele é usado e garantiu assuntos." Ele disse que a Microsoft está comprometida com a "aumentar a escolha e transparência sobre a forma como armazenamos nossos clientes "conteúdo. Nós ficar do lado dos nossos clientes, e não com o chefe de estados tentando espionar outros estados ou pessoas".
Em novembro passado, a ação NSA forçou Dilma também assinar um decreto exigindo ministérios e órgãos do governo a usar apenas serviços de tecnologia prestados por empresas estatais públicas ou parcialmente, sem competir por contratos em leilões.
A transição "para a preservação da segurança nacional" deve ser monitorada pelos ministérios da defesa, comunicações e planejamento e orçamento," disse o decreto.
O cabo de Fortaleza-a-Portugal, proposto em 2012, antes das alegações de espionagem, seria ainda mais os esforços do país para dar apoio econômico as empresas locais. O cabo irá ignorar existentes rotas de tráfego de Internet do Brasil para a Europa , que atualmente atravessam os EUA.  Cabos submarinos internacionais são os principais alvos de espionagem da NSA e CIA, Dilma disse em uma coletiva de imprensa em São Paulo em 20 de outubro quando fazia campanha para a reeleição. Ela disse que depois que os cabos para a Europa, o Brasil vai estudar construção de ligações diretas para a África e a Ásia.
"É uma estratégia muito importante para o país, esta questão dos cabos submarinos, porque é bom lembrar que os cabos submarinos estão entre os principais mecanismos de espionagem hoje", disse ela. Rousseff foi reeleito em 26 de outubro, em um resultado que tem a margem mais apertada de vitória, pelo menos desde 1945.  Várias empresas de tecnologia dos Estados Unidos estão culpando mentalidade neoliberal do velho século XX nos Estados Unidos pela a perda de negócios para as empresas do BRICs.
Até agora, a Telebras informou que só vai parceria com fornecedores europeus, asiáticos e locais. Em janeiro, Ziober, disse numa conferência de imprensa que a Telebrás irá trabalhar com sede em Madri Islalink Cabos Submarinos SL e um associado brasileiro, ainda sem prazo determinado para construir a tubulação tecnologia.   Entre os beneficiários é provável que seja Padtec SA, 400 pessoas fabricante de rede de equipamentos com base no estado de São Paulo. CEO da Padtec, Jorge Salomão Pereira, disse que sua empresa irá apresentar uma proposta quando o processo de licitação é aberto para construir e operar todo o cabo submarino.
O sentimento anti-NSA no mundo fornece "uma janela de oportunidade para outras empresas de menor porte a entrar no mercado com esta tecnologia e se tornarem atores globais", disse Salomão.
O resultado do fiasco do NSA já está sendo sentida pela Cisco. O país, outrora um dos mercados mais promissores da Cisco, está agora entre os piores. Pedidos no Brasil caiu 13 por cento no último trimestre fechado em 26 de julho, dando continuidade a uma série de declínios de dois dígitos. A Cisco não divulga números de vendas para o país, mas culpa o NSA.
Postar um comentário