CEPAL ESTIMA MAIOR CRESCIMENTO ECONÔMICO DA AMÉRICA LATINA EM 2015


Havana - A secretária-executiva da Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe (Cepal), Alicia Bárcena, afirmou que os países da América retomarão o caminho do crescimento econômico em 2015, após uma modesta expansão prevista de 2,2% em 2014 .


"Acredito que 2015 será um ano melhor do que 2014 para a região", disse a chefe da Comissão Econômica para América Latina e Caribe, um organismo da ONU, ao final de sua visita a Cuba.

"Creio que (o crescimento) será superior a 2,5%", expressou Bárcena, acrescentando que a América do Sul terá "um desempenho melhor".

Alicia Bárcena prevê um "2015 mais auspicioso", embora tenha advertido que o contexto internacional continua complicado, pois "a Europa não conseguiu sair da crise". Segundo ela, a recuperação dos Estados Unidos, que este ano pode crescer 2%, terá um efeito positivo.

A recuperação americana deve estimular as economias da América Central e do Caribe. Também pode resultar no aumento do envio de remessas para as famílias, que tem grande impacto em países centro-americanos e caribenhos, assim como no México.

Bárcena disse que, em 2015, países como Brasil, Argentina e Chile, entre outros, terão resultados melhores do que em 2014: "O Brasil é, sem dúvida, um país que terá um melhor desempenho no ano que vem".

Segundo ela, a Argentina também deve ter um ano mais promissor. "Uma vez que termine este período de problemas com os 'fundos abutres', (a Argentina) volta a retomar um desempenho econômico positivo", salientou.

O Chile terá um crescimento maior, graças ao aumento do investimento público, completou.

Em 4 de agosto passado, a Cepal reduziu sua projeção de crescimento regional em 2014 - de 2,7% para 2,2% - "por causa da debilidade da demanda externa, do fraco dinamismo da demanda interna e de investimentos insuficientes", entre outras causas.

Depois de se reunir com o número dois do governo cubano, Miguel Díaz-Canel, na segunda-feira, Alicia Bárcena elogiou as reformas econômicas adotadas pelo presidente Raúl Castro, que contemplam uma maior abertura aos investimentos estrangeiros.

Os investidores internacionais buscam "mercado, recursos naturais e mão de obra qualificada, e isso existe em Cuba", disse.

O processo de reformas "está muito bem encaminhado", insistiu Bárcena.


Barcenas, no entanto, não arriscaria um número exato ", porque não temos" e recordou que as previsões oficiais serão publicados em dezembro, disse a agência.



Postar um comentário