ONU ACUSA O ESTADO DE ISRAEL DE VIOLAR SISTEMÁTICA E DELIBERADAMENTE OS DIREITOS DOS PALESTINOS


ONU - "O Estado deve assegurar que todas as violações dos direitos humanos cometidas durante as operações militares sejam investigadas, de forma imparcial, eficaz e independente, e seus líderes deverão ser julgados e punidos, de acordo com a gravidade dos atos cometidos".


O Comité solicita à Tel Aviv não investigou extensivamente o que aconteceu durante as três ofensiva a Gaza (2008-2009, 2012 e 2014) e não assumiu responsabilidades pelas atrocidades cometidas pelo exército israelense.

A Organização das Nações Unidas (ONU) acusou Israel de violar repetidamente, de forma constante e em muitas áreas, os direitos dos palestinos e pediu que seja aplicado o direito internacional.


A Comissão de Direitos Humanos da ONU apresentou suas conclusões finais sobre Israel, no qual ele detalhou as muitas violações das leis fundamentais que protegem os direitos dos palestinos.

O primeiro ponto criticado pela Comissão é o fato de que Israel não reconhece a aplicação das disposições da Convenção Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos, os palestinos que vivem em Jerusalém Oriental, Cisjordânia, Faixa de Gaza e as Colinas de Golã apesar sob sua jurisdição.

A Comissão também criticou a política de demolição de casas palestinas na Cisjordânia, os impedimentos para a obtenção de documentos administrativos e despejo e realocação forçada de beduínos ", independentemente da sua economia pastoril tradicional."

O Comitê também se refere à detenção administrativa de centenas de palestinos sob custódia do governo israelense sem acusações que pesam sobre eles.

Especialistas pedem Israel para "acabar com a prática da detenção administrativa e do uso de provas secretas em procedimentos de detenção administrativa, e assegurar que os indivíduos sob detenção administrativa seja urgentemente processadas ou libertadas".



30/07/2014
A agência da ONU acusou o Exército de Israel de "grave violação do direito internacional" depois do ataque.
"Condeno da forma mais firme esta violação do direito internacional por parte das forças israelenses", declarou no comunicado Pierre Krahenbühl, chefe de UNWRA. "Peço à comunidade internacional que inicie uma ação política decidida para por fim de imediato ao massacre em andamento".
"Não há palavras para expressar minha cólera e indignação. É a sexta vez que uma de nossas escolas sofre um ataque".
Postar um comentário