Itália nega extradição e manda soltar Henrique Pizzolato

O Tribunal de Apelação de Bolonha rejeitou a extradição do ex-diretor do Banco do Brasil de Henrique Pizzolato.

Nos documentos enviados para a Corte de Apelação de Bolonha, os advogados de Pizzolato salientaram que o julgamento do caso do Mensalão não respeitou um dos princípios básicos de defesa, que é justamente o fato de ser julgado em mais de uma instância. 

A Corte de Apelação de Bolonha decidiu que, diante da situação das prisões no Brasil, de sua condição de saúde e por ter cidadania italiana ele não pode ser devolvido ao Brasil.  

Pizzolato, com dupla nacionalidade ítalo-brasileiro, foi detido em fevereiro/2014, em Modena, para escapar da injusta prisão imposta ao chamado "Mensalão", que o condenou a 12 anos e sete meses de prisão. 

Segundo as investigações, Pizzolato chegou à Itália depois de passar pelo Paraguai com o objetivo de ser julgado de novo por um tribunal italiano que, "não aceita as imposições dos empresários (midiáticos) brasileiros". 

Postar um comentário