ALCKMIN SECA SÃO PAULO

Enquanto o governo federal progressista priorizou as obras de Integração do Rio São Francisco, que é a maior infraestrutura hídrica que o Brasil jamais viu antes, fundamental para a população nordestina, o governo neoliberal de Geraldo Alckmin (PSDB) golpeou o povo do estado mais rico do país, com uma crise de água sem precedentes. 


A principal causa para o esvaziamento dos sistemas de água se deve à falta de investimentos do governo do Estado na ampliação de novos mananciais.

A “política insana” da Sabesp, também implica na qualidade da água que consumimos, pois a Sabesp está conduzindo águas sujas a mananciais que servem de reservatório para a Grande São Paulo. O certo seria construir mais estações de tratamento de água, mas não foi feito.

Para especialistas em gestão de recursos hídricos e saneamento básico, a questão que não quer calar é a seguinte: como uma empresa como a Sabesp, com tanta rentabilidade no mercado mantém tubulações que datam de 30 anos, e que ainda perde 25% da água que produz. 
O presidente do Sintaema (Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Estado de São Paulo), Rene Vicente dos Santos, avaliou que a Sabesp tem investido maciçamente no crescimento do número de clientes, com o objetivo de ampliar o lucro com serviços de distribuição de água e tratamento de esgoto, deixando de lado novas tecnologias.
A Sabesp tem investido nos últimos anos na ampliação da rede, mas a primeira coisa que faz com o lucro é garantir a rentabilidade dos acionistas. Ela aplica em melhorias, mas prefere direcionar os investimentos para onde consiga mais arrecadação ao final do processo – ampliação e rede, captação e tratamento de esgoto”, ponderou.

Estimativas feitas com base nos dados divulgados em março de 2014 pela Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com os Investidores apontam que, entre 2003 e 2013, cerca de um terço do lucro líquido total da Sabesp foram repassados aos acionistas. O montante é da ordem de R$ 4,3 bilhões, o dobro do que a Sabesp investe anualmente em saneamento básico.

Alguém já parou para pensar que, se o Governo do Estado de São Paulo tivesse tratado seriamente as previsões de colapso dos Sistemas de Abastecimentos, feitas desde 2001, não estaríamos vivendo esta realidade hoje.



Como a SABESP privatizada pelo PSDB não investiu, acompanhe agora como está gravíssima a situação do Reservatório Cantareira:



O uso do volume morto jogou o problema da água para ser cobrado agora, apos as eleições, pelos mercenários tucanos: Seca brava, água de lama e aplicação de multas para quem aumentar o consumo, tudo isto, para o povo pagar de agora em diante.  





Postar um comentário