REPUDIAMOS E QUALIFICAMOS COMO GENOCÍDIO AS MORTES NO EGITO




Evo Morales qualifica como genocídio o alto nível de violência no Egito. 

Não é possível digerir fatos onde países ou impérios promovam este tipo de genocídio!


O presidente da Bolívia, Evo Morales,  rejeitou a escalada de violência que se desencadeou no Egito nos últimos dias, chamando-o de genocídio. Durante uma cerimônia pública realizada em La Paz (oeste), o presidente boliviano disse que ele está consternado pelas centenas de mortes efetivada pela repressão policial contra os apoiantes do presidente deposto Mohamed Mursi. "É inaceitável e condenamos esse genocídio (...) Pessoalmente, estou surpreso como pode ser capaz de ter tanto abate e execuções? Para mim, desculpem a expressão, é um genocídio e nos dias de hoje, não pode haver um genocídio ", disse o chefe de Estado. 
Morales também disse que "não é possível digerir fatos onde países ou impérios promovam este tipo de genocídio" e, nesse sentido, rejeitou a posição dos EUA, apoiando os assassinatos cometidos pelo governo de fato. "Condenamos, rejeitamos, repudiamos completamente e, especialmente, toda a nossa solidariedade com os povos como o Egito lutando pela democracia, pela sua recuperação e para a unidade de seu povo ", acrescentou. Anunciou que pelo menos 173 pessoas morreram nas últimas 24 horas no Egito após a repressão policial violento perpetrado pelo governo contra os seguidores do presidente deposto Mohamed Mursi. Os países sul-americanos, como Venezuela e Bolívia rejeitaram a onda de violência e têm enfatizado a necessidade de ação para deter o derramamento de sangue.
Postar um comentário