NA ESPANHA, A ESTRATEGIA CAPITALISTA FUNCIONA MUITO BEM

Espanha assume perdas dos bancos

O Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária (FROB), organismo criado em 2009 pelo governo de Espanha para salvar o sistema bancário, deu como perdidos 36 mil milhões de euros injetados em várias entidades financeiras.
Em Outubro do ano passado, o presidente do governo Mariano Rajoy assegurou no parlamento que o Estado nunca renunciaria aos fundos públicos canalizados para a rede bancaria, na altura estimados em 40 mil milhões de euros.
Porém, ao divulgar, dia 26, as contas de 2012, o FROB reconheceu que se perdeu a maior parte dos 52 mil milhões aplicados no Bankia, Novagalicia (NCG), Catalunya Banc, Banco de Valencia, Caja España Ceiss e BMN.
Isto significa que, ao contrário do que havia prometido Rajoy, estas entidades não serão obrigadas a ressarcir o Estado das ajudas recebidas, cujo montante é similar aos cortes que o governo conservador aplicou nos sistemas de Educação e Saúde.
Assim, só nos últimos três anos, segundo referiu o jornal El País, o salvamento dos falidos bancos privados já custou aos contribuintes espanhóis 36.931 milhões de euros, com a agravante de se preverem para este ano novas intervenções no Catalunya Banc e Novagalicia, bem como o reforço de fundos de quatro entidades: BMN, Caja3, Liberbank e Caja España.
Postar um comentário