ATAQUE DE INTOLERÂNCIA RELIGIOSA DESTRÓI IMAGENS DA IGREJA NOSSA SENHORA DE FATIMA, NO IMIRIM


O ATAQUE DE INTOLERÂNCIA RELIGIOSA CONTRA IGREJA NA ZONA NORTE DE SÃO PAULO DEVE SER REFLETIDO DENTRO NO CONTEXTO DA ATUAL DISSEMINAÇÃO DOS DISCURSOS DE ÓDIO QUE REFORÇADOS POR DIVERSAS PERSONALIDADES NO BRASIL
O ataque ocorreu por volta das quatro e meia da tarde de terça-feira 27/06, quando o rapaz adentrou na Igreja Nossa de Fátima da Av. Imirim, no Imirim, bairro da Zona Norte de São Paulo.
No momento da ocorrência poucas pessoas se encontravam no recinto, em meditação particular, visto que a próxima missa, conforme a tradição,  aconteceria somente as dezoito horas.
O Rapaz se dirigiu para a frente do Altar de onde passou a bradar agressivamente o seu discurso intolerante. Ele, manifestou-se ostensivamente contra a presença das imagens quase centenárias que adornam a igreja. 
E agitando uma bíblia, questionava os presentes se tinham conhecimento do pecado que constitui a adoração a imagens.
Permeava sua ira, repetindo a todo momento que o verdadeiro Deus é Jeová. Esse fato fez os assistentes o identificarem como seguidor de uma linha Protestante do cristianismo, com maior probabilidade pela acepção mais comum no Brasil, a Evangélica.

Protestantes são cristãos que romperam com a Igreja Católica durante a Reforma Protestante. O termo “protestante” vem do documento formal de protesto – Protestatio – que os luteranos apresentaram em uma assembleia em 1529, manifestando a sua oposição à política religiosa adotada pela Igreja. Já o nome “evangélico” vem do fiel que se submete ao ensinamento contido nas “boas-novas” (evangelium, em latim) trazidas por Jesus. Os protestantes se declaravam seguidores do Evangelho – um dos seus princípios durante a Reforma era o da Sola Scriptura (“Só a Escritura”, em latim).
Enquanto, a plateia composta por mulheres, estarrecida chamava pela ajuda do Padre, o Fanático começou a atacar  as estatuas do templo. 

Ele apanhou um grande crucifixo madeira que se encontrava atras do púlpito e desferiu golpes na imagem que representava Cristo martirizado, quebrando o braço da mesma. Depois, atirou com violência as estatuas de São Jose e de Nossa Senhora que ficaram em pedaços a frente do altar.
Cada vez mais violento e repetindo a condição de Jeová como o único e verdadeiro Deus, continuou a vandalizar a igreja ate o momento da chegada do Padre e de um membro da igreja que o contiveram deitado sobre o solo.

 E hipnoticamente o homem repetia frases - Casa de Jesus, casa de Deus! como alguém em transe, fora de si, ate a chegada da Policia. 
Os policiais algemaram o cidadão, que apresentou-se extremamente calmo, dizendo que estava tudo bem e chamando-os de Irmãos. 

Tudo indica que este fanático seja também o responsável por outro ataque registrado com mesmo modus operandi,  na Igreja Santo Antonio, no Bairro do Lauzane.
A ação deletéria do homem não deve ser entendida na extensão de que todos os evangélicos aceitam tal comportamento. Mas, ganha importância de atenção frente discurso de ódio e intolerância que tem ganho espaço no Pais.  
A Intolerância religiosa teve inicio contra religiões de matizes Afro e agora estão se estendendo para outros tipos de cultos. 
Ha farto material com esse discursos na rede social travestidos de discussão feita de boa fé mas que incentivam ações dessa natureza contra qualquer pessoa que pense ou se expresse diferente do que acreditam ser a verdade.



Todavia, nesse assunto a unica verdade é que nenhuma crença ou religião deve ser imposta a ninguém  e nem garante direito a atos de violência contra outro ser humano. E, quando se trata de Deus  cada qual deve livremente seguir o ente superior que acredita. Esse e o único fundamento pelo qual a sociedade deve radicalizar sua posição: Liberdade religiosa para todos.

Portanto, convém aos responsáveis por esses seguidores não incentivar tal atitudes e a sociedade combater com vigor essas posições fundamentalistas, pois o grau de violência nesse tipo de manifestação só tende a aumentar caso não seja contido.
Postar um comentário