SOMENTE ISRAEL E EUA - ONU REJEITA NOVAMENTE O BLOQUEIO DE CUBA

Assembleia-geral da ONU
rejeita bloqueio a Cuba

Pelo 22.º ano consecutivo, a Assembleia-geral da ONU pronunciou-se a favor do levantamento do bloqueio norte-americano contra Cuba. Ao lado dos EUA, só esteve Israel.
O projeto de resolução cubano, apresentado e votado no dia 29, foi apoiado por 188 dos 193 países representados. Ilhas Marshal, Palau e Micronésia abstiveram-se. Ao lado de Washington na defesa do sistema de sanções unilaterais mais abrangente contra uma nação, imposto há mais de 50 anos e aplicado desde então por uma dezena de presidentes norte-americanos, só se mantêm as autoridades israelitas.
 
Perante a Assembleia-geral, o ministro dos Negócios Estrangeiros da República de Cuba, Bruno Rodríguez, denunciou o caráter extraterritorial do bloqueio económico, comercial e financeiro, o fato deste violar a soberania cubana e de todas as nações do mundo, e calculou em um  157 trilhões e 327 milhões de dólares os prejuízos económicos causados a Cuba. Os danos provocados ao nível global são difíceis de avaliar, mas Havana estima em 6.3 bilhões de dólares o rombo anual na economia norte-americana em resultado desta vertente da política imperialista, contrária à Carta das Nações Unidas e ao Direito Internacional.
Rodríguez sublinhou ainda que o bloqueio norte-americano é imposto aos direitos humanos, a respeito dos quais, frisou, os EUA carecem de autoridade moral, lembrando, a propósito, os milhões de mortos em consequência das guerras de ocupação e saque, os assassinatos com drones, as prisões secretas e as menos secretas onde proliferam as detenções arbitrárias e a tortura.
Na ocasião, Cuba também reiterou a disposição para avançar na normalização das relações com os EUA a partir de um diálogo construtivo baseado nos princípios da igualdade, soberania, independência e respeito mútuos.

Postar um comentário