NOVA DERROTA TUCANA À VISTA: O POVO GREGO VAI ELEGER UM PRESIDENTE CORAÇÃO VALENTE!

O líder do Syriza, Alexis Tsipras, de apenas 38 anos, faz um discurso à multidão em Atenas: sondagens mostram chances de eleição.

Num país onde os velhos políticos da direita perduram e se revezam no poder há décadas, Alexis Tsipras já pode erguer um troféu: impetuoso, autoconfiante e carismático, o mais jovem líder político da Grécia, um marxista de 38 anos, está quase chegando ao comando do país — com a ajuda dos manifestantes das ruas.
No comando de um movimento que começou com uma revolta contra a classe política tradicional, ele pode se tornar o próximo primeiro-ministro grego para desespero dos bancos, do mercado e da austera Alemanha, a grande credora da Grécia.

Parlamento não consegue eleger presidente
Candidato do governo, Stavros Dimas, não alcança maioria na terceira rodada de votação, o que leva à dissolução do Parlamento. Eleições acontecem já em janeiro de 2015.
Os parlamentares gregos não conseguiram escolher um novo presidente para o país na terceira e última rodada de votação, nesta segunda-feira (29/12). O candidato do governo e único a disputar o pleito, o ex-comissário europeu Stavros Dimas, obteve 168 votos entre os 300 deputados, pouco menos do que os 180 necessários para ser eleito.
De acordo com a Constituição grega, eleições gerais devem agora ser convocadas, o que deixa os mercados financeiros internacionais e os parceiros da Grécia na União Europeia (UE) em clima de apreensão e incerteza. 
Na Grécia, o presidente não é eleito diretamente pelo povo, mas pelo Parlamento. Como Dimas – candidato do primeiro-ministro, Antonis Samaras – falhou nas três rodadas de votação, um novo Parlamento deverá ser eleito pela população em 25 de janeiro de 2015, anunciou Samaras nesta segunda-feira. De acordo com a Constituição, o atual Parlamento terá de ser dissolvido dentro de dez dias.
O partido de esquerda Syriza, que quer renegociar o acordo de ajuda à Grécia com a UE e o Fundo Monetário Internacional (FMI) e reverter algumas medidas de austeridade, vem aparecendo à frente na preferência dos eleitores em pesquisas de opinião. Mas a vantagem sobre o partido conservador Nova Democracia, de Samaras, tem diminuído.
No último fim de semana, Samaras apelara aos parlamentares para que apoiassem Dimas, mas se recusou a oferecer mais concessões e disse estar confiante sobre a vitória de seu partido em qualquer eleição.
Postar um comentário