Cúpula climática de Lima foi concluída com alguns avanços

Depois de longas horas de negociações e com dois dias de atraso, foi concluída a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP20), com um documento que aponta as bases para se combater o aquecimento global.


Os 195 países participantes, aprovaram o "Chamado de Lima para a Ação Climática", o qual deverá ser trabalhado nos diferentes grupos para ser assinado na COP21 de Paris, em 2015.

O presidente da COP20, Manuel Polegar-Vidal, assinalou que "a decisão de Lima é sólida não só porque cumpriu os mandatos que lhe estabeleceu a COP19 de Varsóvia, mas sim porque por sua vez aprovou o rascunho que contém os elementos para a negociação, coisa que nunca antes tinha ocorrido".


 

COP 20 Proposta do Brasil reaparece: Países desenvolvidos aceitaram incluir no rascunho a proposta brasileira de escalonar as responsabilidades pela redução ao aquecimento global

Na COP-20, países assinam rascunho de acordo para reduzir gases de efeito estufa

Depois de longas sessões de discussões, que prorrogaram a conferência por dois dias devido às divergências entre os países industrializados e em desenvolvimento, a COP-20 chegou a um acordo sobre o texto que deve ser a base para um pacto global histórico no próximo ano em Paris.

O projeto de 22 pontos e quatro páginas foi aprovado no último minuto pelos delegados de 195 países que participaram da conferência, depois de duas semanas de negociações. O documento reconhece a responsabilidade comum e diferenciada dos países pelo aquecimento do planeta e estabelece mecanismos para lidar com perdas e danos decorrentes de fenômenos climáticos extremos, especialmente nos países pobres e ilhas sob ameaça. Os países devem anunciar, nos próximos meses, seus compromissos para reduzir as emissões globais entre 40% e 70% até 2050, com a necessidade de limitar a 2°C o aumento da temperatura global.

Até o último momento, as fortes diferenças entre as nações do Norte e do Sul foram mantidas. Os países ricos consideram que os futuros compromissos nacionais devem centrar-se na redução das emissões de gases de efeito estufa, com uma avaliação futura com base em informações precisas e transparente dos passos dados em cada nação.

Mas o Sul – especialmente a África, América Latina e os pequenos estados insulares – não está disposto a assumir a redução de emissões se não houver garantias financeiras dos países ricos que permita a adaptação a novas tecnologias limpas para o aquecimento global e seu impacto crescente.

A China e a Índia, primeiro e quarto emissores globais por causa de suas indústrias de carvão altamente poluentes, opõem-se a um sistema de avaliação que possam lhes constranger e pressionam os países desenvolvidos a contribuir financeiramente, à medida de sua responsabilidade, como os maiores geradores de aquecimento.
Postar um comentário