INGLATERRA ASSUME A PRATICA DE TORTURA E PÕE EUA NO BANCO DOS RÉUS, PERANTE A COMUNIDADE INTERNACIONAL

Britain pays $22m to Iraqis abused by its troops
Grã-Bretanha paga US $ 22 milhões para os iraquianos torturados por suas tropas

EUA será o próximo da fila 
O Ministério da Defesa britânico pagou £14.000.000 ($21,7 milhões de dolares) em compensações e custos para centenas de iraquianos que foram criminosamente detidos e torturados pelas forças britânicas durante a ocupação de cinco anos do sudeste do país. Centenas de outras reclamações estarão em andamento tão logo os iraquianos se tornarem cientes de que eles podem instaurar um processo contra as autoridades britânicas em Londres tribunais.
O Ministério da Defesa disse que está investigando todas as alegações de abuso que tem sido feito. Os grupos de direitos humanos e advogados que representam ex-prisioneiros disseram que o abuso eram sistêmicos, com os interrogadores militares e guardas responsáveis ​​pelos maus tratos agindo de acordo com o seu treinamento na Grã-Bretanha e as ordens emitidas pelo Ministério no Iraque. Os manifestantes estão pedindo um inquérito público sobre a forma de detenção da Grã-Bretanha e práticas de interrogatório após a invasão de 2003. Esse inquérito é uma evolução que o Ministério da Defesa estaria ansioso para evitar.
Pagamentos no total de £8.300.000 foram feitos a 162 iraquianos neste ano. Houve pagamentos a 17 indivíduos no ano passado e 26 nos três anos anteriores. O pagamento médio para as 205 pessoas que fizeram reivindicações de sucesso tem sido de quase £70.000, incluindo custos. O Ministério da Defesa disse que estava negociando pagamentos relativos a mais 196 pessoas.
Os advogados que representam ex-prisioneiros dos militares britânicos dizem que mais de 700 pessoas ainda são propensos a fazer reivindicações no próximo ano. A maioria dos compensados ​​eram civis do sexo masculino que disseram ter sido espancados, privados de sono e ameaçado antes de ser interrogado por militares britânicos e mulheres que haviam sido detidas por suspeita de envolvimento na insurgência violenta contra a ocupação. Outros disseram que sofreram humilhação sexual e foram forçados em posições de estresse por períodos prolongados.
Questionado sobre os pagamentos de compensação, um porta-voz Ministério da Defesa disse:
''Toda a alegação de abuso sempre será investigada minuciosamente. Vamos compensar as vítimas de abuso, onde é direito de fazê-lo e procurar garantir que os responsáveis ​​sejam levados à justiça.''
No próximo mês o Supremo Tribunal vai ouvir uma revisão judicial da recusa do Ministério da Defesa de realizar um inquérito aberto ao público sobre os abusos militares contra os iraquianos.

Postar um comentário