Escritores Belarus e Foro de São Paulo demandam liberdade dos Cinco Cubanos injustamente presos nos Estados Unidos



A FARSA DE UM JULGAMENTO POLITICO TEM SUA RAIZ NA MATRIZ DE TODOS OS MALES

Lima, 26 nov (Prensa Latina) O Foro de São Paulo de partidos progressistas da América Latina demandou hoje a liberdade imediata de cinco lutadores cubanos apresados faz mais de 14 anos nos Estados Unidos.
O pronunciamento foi expressar em uma reunião organizada pela Secretaria Andino Amazônica e exige ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, “que use todos os recursos pertinentes para os pôr em liberdade e que possam voltar a sua Pátria Cubana”.

Propõe realizar todas as ações de solidariedade necessárias “para conseguir somar nossas vozes” pela liberdade dos Cinco, como se lhes conhece internacionalmente, e fazer conhecer a injusta situação que atravessam.

Agrega que o reclamo será apresentado ao governo dos Estados Unidos, através das chancelarias latinoamericanas, e ratifica sua solidariedade com Cuba e suas metas de construção socialista.

Assinala que os Cinco: Fernando González, Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Antonio Guerrero e René González (este último em liberdade supervisionada nos Estados Unidos) têm mantido uma atitude exemplar desde que foram apresados em 1998, quando monitorizar a atividade de grupos anticubanos radicados na Flórida.

“Têm suportado com dignidade e valentia nestes anos de luta por sua liberdade, mostrando ao mundo que quando a causa se funda em princípios e dignidade humana, e se luta pela plena liberdade, pela dignidade nacionais e patrióticas, não há prisão que doblegue suas convicções libertarias e de defesa patriótica de sua Pátria Socialista”, diz.
Minsk, 17 dez (Prensa Latina) A União de Escritores de Belarus exigiu hoje ao presidente Barack Obama a libertação dos Cinco, encarcerados nos Estados Unidos por tratar de impedir ações violentas contra seu país.

Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Fernando González, Antonio Guerrero e René González sofrem injusto castigo em território estadunidense desde faz 14 anos, denunciou o primeiro secretário da organização social, Guennadi Pashkov.

Em declarações à agência Belta, Pashkov aclara que os cinco cubanos não ameaçavam à segurança estadunidense, e só tratavam de impedir atos anticubanos fraguados na Flórida, no sul dos Estados Unidos.
Acrescenta o intelectual que a denúncia sobre as violações dos direitos humanos dos Cinco e de seus familiares fica bem explicada numa declaração da União de Escritores belarusos.

“O caso está cheio de irregularidades, desde a acusação inicial até a sentença”, sublinha Pashkov na entrevista, ao citar o conteúdo do documento.
A Casa Branca sabe que estes cubanos contribuíram à paz, a segurança e a liberdade de seu povo, e simbolizam a defesa dos direitos dos cidadãos cubanos à vida e a proteger do terrorismo, agrega a fonte.

Belta ressalta que 10 Prêmios Nobel se dirigiram ao presidente estadunidense para que com seu poder jurídico e constitucional ponha fim à ignomínia cometida.

Também diferentes organizações internacionais, como o Grupo de Trabalho sobre Detenções Arbitrárias de Nações Unidas têm solicitado justiça, conclui a agência de notícias.
Postar um comentário