O CASO DOS 5 CUBANOS PRISIONEIROS EM USA - O VEREDITO DO ÓDIO CONTRA CUBA

Em Miami, o caso teve uma cobertura desmedida e os “jornalistas” e a mídia local foram instrumentos chaves para criar um ambiente de ódio irracional, que condicionaria um resultado pré-estabelecido pelo governo.

    René González: "A luta dos EUA contra o terrorismo é uma desculpa para lançar bombas"

René González, foi o primeiro dos cinco cubanos a ser liberado das prisões norte-americanas. Orador na conferência de imprensa, o segundo evento de uma semana organizado pelo Comitê Internacional e aprovado pelo Instituto de Estudos Políticos  "Cinco Dias dos Cinco" ocorreu em em 30 de maio em Washington. Esse evento internacional luta para sensibilizar a opinião pública no caso dos Cinco Cubanos que sofrem injustiça criminal grave e política dos EUA. Ressalta que o governo americano é criminoso global e continua conspirando em direção à República de Cuba. Para alterar a política dos EUA e para libertar os companheiros Antonio Guerrero, Fernando González, Gerardo Hernández e Ramón Labañino luta para esclarecer o povo dos Estados Unidos. Ele afirma que embora saiba do bom trabalho que está sendo desenvolvido na arena legal, eles necessitam muito do apoio da opinião pública.
Não é de admirar, então, que os meios de comunicação capitalistas grandes dos EUA estavam visivelmente ausentes desta conferência de imprensa. Em contraste, no mesmo dia, como bons e fiéis representantes da política imperialista do governo e do Pentágono, essas mídias ecoava a última barbárie cometidos contra Cuba revolucionária: a decisão do governo dos EUA para manter Cuba na lista como um Estado patrocinador do terrorismo . Este é mais um exemplo da enorme hipocrisia do Estado imperialista que promove o terrorismo econômico, político e militar, enquanto ele nega liberdade aos Cubanos.
René fala para o povo dos EUA
De sua casa, em sua amada pátria, René González se dirigiu ao povo dos Estados Unidos através de uma conexão Skype. Depois de passar 15 anos em prisões norte-americanas, ele foi finalmente capaz de retornar e permanecer em Cuba com seus entes queridos, em troca de renunciar a sua cidadania dos EUA.
Em seu breve discurso, René González deixou claro que sua luta pela libertação dos cubanos continua e que, enquanto qualquer um deles permanecer em prisões norte-americanas, eles permanecerão como se fossem Cinco Cubanos presos, pois ele só pode desfrutar de sua liberdade quando todos forem liberados. Falando em Inglês, ele agradeceu a solidariedade expressa pela Cinco de todas as pessoas ao redor do mundo. González ressaltou a importância desta segunda série de ações que farão Washington ouvir o chamado para a justiça de pessoas no mundo. Ele apelou para os representantes da mídia presentes para aprender mais sobre o caso e divulgar os fatos, expondo a verdade, para que finalmente a justiça seja feita para os seus companheiros, que ainda estão presos, acusados ​​de crimes que nunca cometeram.
Veredito de ódio, mídia linchamento
Em Miami, o caso teve uma cobertura desmedida e os “jornalistas” e a mídia local foram instrumentos chaves para criar um ambiente de ódio irracional, que condicionaria um resultado pré-estabelecido pelo governo. Os supostos profissionais da imprensa distorceram os fatos, mentiram e fabricaram uma imagem que mostrava os acusados como ameaças iminentes para a comunidade. Em sua condição de assalariados encobertos do governo, os tais “jornalistas” cumpriram com o que orientou aquele que lhes pagava.
Coordenaram sua atividade com a Procuradoria e com os grupos terroristas, mesmo a partir da fase de seleção do júri e fizeram isso especialmente para introduzir, mais de sete meses depois da detenção, uma nova e totalmente inventada acusação de “conspiração para cometer assassinato”. Ao redor desta infame calúnia girou a maior parte do julgamento e da atenção da mídia. O júri foi assediado constantemente por entrevistas coletivas e declarações à imprensa de colegas e familiares das vítimas, realizadas perante eles, à entrada e à saída do tribunal. Depois, assistiriam de novo esses materiais através da rádio e da televisão. Em seus próprios lares também podiam ver-se a si próprios perseguidos por câmeras e microfones, quando abandonavam a sede da Corte.
Além de Miami, o processo dos Cinco não atraiu o interesse das grandes corporações da informação. Do caso não se falou nos despachos das agências, não apareceu nas publicações impressas nem na rádio e na televisão fora da Flórida. Não encontrou espaço uma só vez, nem nos canais de televisão dedicados exclusivamente aos tribunais, que transmitem vinte e quatro horas diárias nos Estados Unidos.
Como explicar esse desinteresse? Era, então, o julgamento mais prolongado na história dos Estados Unidos; nele compareceram como testemunhas, generais, coronéis, oficiais de alta patente e expertos militares, um almirante e um assessor do presidente da República; conotados terroristas desfilaram perante a Corte, e se identificaram como tais, alguns envergando indumentária guerreira. Tratava-se dum pleito que implicava as relações internacionais e questões vinculadas, real ou supostamente, com a segurança nacional e o terrorismo, tópicos prediletos da grande mídia. Mas ninguém disse nada, além da imprensa local, para o resto da gente o julgamento simplesmente não existiu.
Ignoraram o tema fora de Miami, embora seus correspondentes e emissoras filiais nesse lugar noticiassem todos os dias e participassem com entusiasmo no frenesi midiático que transbordou a cidade.
A ferrenha censura imposta a este caso permitiu a assombrosa impunidade com a que as autoridades protegeram os terroristas e puniram, injusta e cruelmente, cinco homens que os enfrentaram heroicamente, desarmados, sem causar dano a ninguém. A Procuradoria nunca escondeu que esse era seu propósito. 

Ramonet é um professor universitário e editor da versão espanhola de Le Monde Diplomatique. Ele também foi um dos organizadores do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre e autor do livro de entrevistas, "100 horas com Fidel". Ramonet iniciou sua apresentação repetindo que ele era a expressão de muitos jornalistas europeus sobre o caso dos Cinco, que é um "veredito baseado no ódio e vingança" dos EUA.
Ramonet classificou a sentença como um "linchamento da mídia para influenciar o júri e o tribunal criado por jornalistas que sabemos agora foram pagos pelo governo dos EUA . O resultando não apenas uma sentença, mas em penas de prisão desproporcionais." Com suas palavras apaixonadas em defesa de Cuba e dos Cinco Cubanos, ele convidou os ouvintes para lembrar a história de Cuba, que enfatizou "nunca, em 60 anos, cometido qualquer ato de violência contra os Estados Unidos." E, embora nenhuma pessoa EUA nunca foi ferido por Cuba, este país ainda sofre de nós promovidos atos terroristas.
Dolores Huerta, a famosa co-fundadora da Farm Workers Union United nos anos 1960, juntamente com o muito famoso Cesar Chávez, enfatizou que o julgamento dos Cinco aconteceu em Miami que reina uma atmosfera anti-Cuba. Ela salienta que o julgamento foi terrivelmente prejudicado "envenenado". Huerta salientou a necessidade do presidente Barack Obama tomar uma posição e fazer algo para libertar os Cinco.



Wayne Smith, ex-funcionário do Departamento de Estado durante 25 anos (1957-1982), também falou com a imprensa. Smith é agora diretor do Projeto de Cuba no Centro de Política
Internacional e dirige o Projeto de Intercâmbio entre a Universidade de Havana e Johns Hopkins University, em Baltimore. Ele é um especialista em política dos EUA para Cuba porque, entre suas muitas responsabilidades oficiais do governo, Smith estava no comando da missão para os EUA Seção de Interesses em Havana durante a administração Carter.
Smith apontou as muitas contradições da política irracional dos EUA para Cuba e também lembrou que a América Latina é fortemente unida, tanto em sua solidariedade com Cuba como na rejeição de uma política agressiva de Washington para Cuba.
Também participaram da coletiva de imprensa foram algumas das muitas personalidades, parlamentares, intelectuais, artistas e ativistas da América Latina que participarão na gama diversificada de atividades para o segundo evento dos Cinco durante o resto da semana. Entre elas estão a Nicarágua Sofia Clark D'Escoto, ex-secretário da Embaixada da Nicarágua em Washington, e Fernando Morais, conhecido político brasileiro e autor de "Os Últimos Soldados da Guerra Fria", um livro que revela detalhes da manipulação do caso dos Cinco.
René González reiterou a disposição de Cuba para sentar e conversar com os EUA em muitas questões de interesse para ambos os países, porem EUA recusa esta oferta.
Cheryl Labash, assistente de logística para os eventos da semana que trabalha com o Comitê Internacional para a Liberdade de Cuba 5, sublinhado para Workers World a importância das palavras de René González, que o "caso será decidido em um tribunal de milhões de pessoas." Isso, Labash disse, "é especialmente importante dentro dos Estados Unidos, onde é preciso intensificar o nosso trabalho para libertar os Cinco Cubanos".

"Obama não tem a liderança de um presidente"


René González, um dos "Cinco Cubanos" que foi injustamente encarcerado nos Estados Unidos,  salientou que o governo dos EUA sempre monta esquemas conspiratórios para ter acessos e controles de territórios alheios objetivando explorar os recursos naturais. Citou  o combate ao terrorismo como um processo estratégico de desculpa criada para invasão.
RENÉ GOLZALÉZ SALIENTA QUE A LUTA DOS EUA CONTRA TERRORISMO É UMA DESCULPA PARA LANÇAR BOMBAS!
É muito difícil levar a sério a luta de Washington contra o terrorismo."Este problema não excluem a base Administration (Barack) Obama. "Não é segredo que o terrorismo de Estado na América Latina foi apoiado pelos EUA, não é um segredo que, no Afeganistão, quando lhes convinha, apoiavam grupos terroristas como a Al Qaeda e, agora, da mesma forma estão fazendo na Síria ", disse Gonzalez. 


Ele também enfatizou  "é difícil de definir se USA está lutando contra o terrorismo, pois falta uma definição consistente para terrorismo". Washington "está lançando bombas, onde não há necessidade de jogar bombas", acrescentou. "O lançamento de um foguete em uma família para remover uma pessoa é uma atrocidade. Devemos perguntar se tal atrocidade acontecesse em Miami".

Obama "durante sua administração tem dado muito à extrema direita norte-americana. Não cumpriu as expectativas de justiça e voltou à retórica de condicionamento ".


De acordo com Gonzalez, Obama tem que pensar no legado que deixará e que passa por Cuba e América Latina. O governo dos EUA "tem que reconsiderar a sua política externa e estabelecer um diálogo respeitoso a soberania das nações". "Obama (Prêmio Nobel da Paz de 2009) tem muito a ganhar, disse ele. 



Postar um comentário