ATENAS SE NEGA A ACEITAR A ESCRAVATURA DO CAPITAL

Trabalhadores gregos lutam por direitos e salaries
 
 
Não à escravatura do capital
Milhares de trabalhadores gregos manifestaram-se, dia 23, em Atenas e em várias outras cidades do país em defesa do direito à contratação colectiva e a salários dignos.
As manifestações, convocadas pela PAME (Frente Militante de Todos os Trabalhadores), decorreram, no final da tarde, sob o lema «Tirem as mãos dos acordos coletivos de trabalho. Temos o direito a viver com salários dignos. Temos força para impor a nossa justa causa».
 
Esta mensagem, inscrita na faixa que encabeçou o desfile na capital, resume o objectivo da jornada que, para além de trabalhadores de vários setores, teve a adesão de desempregados, reformados, organizações de mulheres e de jovens. Os sindicatos de classe, apoiados pelo Partido Comunista da Grécia (KKE), lutam pelo aumento dos salários e pela reposição do salário mínimo em 751 euros sem discriminação de idade, lembrando que os trabalhadores gregos já pagaram um preço extremamente elevado para salvar os lucros do capital.
Porém, o patronato quer sempre mais e exige agora a abolição do Contrato Colectivo Geral Nacional, que fixa os mínimos legais, bem como dos convénios sectoriais, substituindo-os por contratos individuais.
A ofensiva antilaboral visa não só o rebaixamento dos salários mas também a eliminação dos mais elementares direitos que garantem um mínimo de protecção aos trabalhadores.
Como assinala a PAME, «querem que trabalhemos por migalhas, sem direitos, como “miseráveis” modernos». «Se não os travarmos, a escravatura moderna tornar-se-á uma realidade».   A pretexto de combater o desemprego, as confederações patronais defendem a aplicação de programas de emprego, com salários de 19,6 euros por dia, num máximo de 490 euros por mês. Para os jovens com menos de 25 anos, estes montantes seriam ainda mais baixos: 17,1 euros por dia e um máximo de 427 euros por mês.
A par da ofensiva para aumentar a exploração, assiste-se a uma escalada da repressão e criminalização da luta dos trabalhadores.   Numa intervenção no Parlamento Europeu, o deputado do KKE, Guiorgos Toussas, denunciou as requisições civis decretadas este ano pelo governo contra os marinheiros, os trabalhadores do Metro, o funcionários dos municípios e mais recentemente contra os professores do secundário.   Toussas denunciou ainda o processo interposto, dia 22, em Tribunal contra marinheiros, dirigentes do KKE e da PAME, no qual os armadores reclamam indemnizações de milhões de euros por alegados prejuízos causados por greves no sector.
Pobreza infantile
 
Refletindo o agravamento das condições de vida na Grécia, um relatório elaborado pela Universidade de Atenas para a Unicef constata que uma em cada três crianças sofre de pobreza.
O relatório, divulgado dia 22, sob título «A situação das crianças na Grécia» dá conta de que 597 mil menores vivem em situação de pobreza ou de exclusão social e que outros 322 mil padecem de graves carências.  Os dados, relativos a 2011, apontam um aumento de ambos os indicadores em relação ao ano anterior, respectivamente de 9,1 por cento e de 38,2 por cento.  A alimentação pobre é um dos aspectos indicados que ameaça o desenvolvimento das crianças.
Postar um comentário