MERCOSUL ESTÁ PRONTO PARA EFETIVAR ACORDOS COM A UNIÃO EUROPEIA



A presidenta Dilma Rousseff afirmou em Bruxelas, que o Brasil e o Mercosul têm condições de apresentar brevemente à União Europeia a proposta de acordo sobre o livre comércio com o bloco europeu. 
A declaração foi feita em coletiva de imprensa, após reunião com o primeiro-ministro belga, Charles Michel, a quem a presidente transmitiu a informação. 


Dilma participa na Bélgica da II Cúpula entre os países da Celac e da União Europeia.
A presidenta Dilma Rousseff chegou na quarta-feira à Bélgica e após uma reunião com o primeiro-ministro do país, Charles Michel, disse que o Brasil e o Mercosul estão prontos para fechar um acordo comercial com a Europa.
A presidenta está em Bruxelas para a 2º Cúpula entre a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE). A reunião poderá ser o cenário para que Mercosul e a UE avancem na negociação para um acordo de livre comércio, com a apresentação de suas ofertas comerciais. No momento, os dois lados montam uma lista de quais produtos poderão ter as tarifas zeradas. A apresentação tem que ser simultânea e já chegou a ser negociada em 2013 e 2104, mas não prosperou.
“Disse ao primeiro-ministro que o Brasil e Mercosul estão em condições de apresentar as ofertas comerciais para a União Europeia. Acreditamos que isso pode acontecer nos próximos dias ou meses e esperamos que, da mesma forma, essa questão evolua de forma satisfatória do ponto de vista da UE”, disse Dilma em declaração à imprensa após a reunião com o chefe de Estado belga.
Em maio, durante a visita ao Brasil do então presidente do Uruguai Tabaré Vásquez, ambos ressaltaram que o fechamento do acordo tarifário entre os dois blocos é a prioridade do grupo sul-americano para este ano.
Dilma também destacou a relação comercial entre o Brasil e a Bélgica. Ela defendeu a ampliação da cooperação, comércio e investimentos entre os dois países. “Discutimos sobre algumas áreas que são importantes para ambos os países. O Brasil acaba de lançar um grande plano de concessão e investimento em logística e as empresas belgas estão no Brasil em algumas áreas. Então, para nós e importante que essa relação se expanda”, avaliou.
A presidenta agradeceu a parceria da Bélgica no Programa Ciência sem Fronteiras e propôs a expansão da cooperação com a criação de vagas de estágio para estudantes brasileiros em empresas belgas. “Os estudantes que buscam universidades de alto nível para fazer seus estágios e bolsas, encontraram aqui na Bélgica um local e um acolhimento especial. Agradeci por eles e, ao mesmo tempo, nos propomos a expandir essa relação”.
Após o encontro com o primeiro-ministro, Dilma seguiu para a abertura da cúpula, que reúneu chefes de Estado da Celac e da União Europeia. Em dois dias de reuniões, os dois blocos vão tratar de temas comerciais e de questões como direitos humanos, migração e mudanças climáticas.
celac

Dilma defende Fundo Verde e diz que Brasil chegará à COP21 em situação vantajosa

O Brasil chegará em uma situação bastante vantajosa à COP-21, a Conferência Mundial sobre o Clima da ONU, que será realizada de 30 de novembro a 11 de dezembro, em Paris, com relação às metas de emissão de carbono, disse a presidenta Dilma Rousseff nesta quarta-feira (10), em Bruxelas. A presidenta está na Bélgica para participar da II Cúpula União Europeia-Celac .

Segundo ela, o Brasil está à frente dos outros países com relação a esse assunto. “Lá atrás, quando ninguém definiu metas voluntárias [para a redução das emissões de carbono], em 2009, durante a COP15, em Copenhague, nós definimos uma meta de um mínimo de 36%. Dessa meta, agora, em 2015, nós já cumprimos 72% ”, comemorou a presidenta.
Após reunião de cúpula da Celac-EU (na foto acima), a presidenta Dilma destacou aos jornalistas que o Brasil foi um dos primeiros países do mundo a definir metas voluntárias para a redução das emissões de gás carbônico. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Após reunião de cúpula da Celac-EU (na foto acima), a presidenta Dilma destacou aos jornalistas que o Brasil foi um dos primeiros países do mundo a definir metas voluntárias para a redução das emissões de gás carbônico. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma relatou que os participantes do encontro Celac-EU manifestaram uma “preocupação generalizada” no sentido de viabilizar um acordo vinculante, sustentável, entre todos os países, com vistas a garantir a definição dessas metas e o compromisso de cumpri-las.
Segundo Dilma Rousseff, o Brasil tem conseguido manter suas metas, primeiramente, pela redução drástica do desmatamento. Em segundo lugar, por ter adotado, já há alguns anos, um programa de agricultura de baixa emissão de carbono. “Com plantação direta na palha, com rotação lavoura-pecuária-floresta, com replantio de áreas degradadas”, explicou.
Fundo Verde

Os representantes dos países que participam da Cúpula Celac-UE estão conscientes de que é necessário investir num Fundo Verde, para financiar a transição de uma economia baseada em carbono para uma economia de baixo carbono, principalmente nas nações em desenvolvimento, afirmou a presidenta.
Isso vai exigir, então, um fundo que, pela sugestão que se apresenta, monta em torno de 100 bilhões, alguns dizem euros, outros dizem dólares. Mas, o fato é que é necessário esse fundo”, defendeu a presidenta. Outra preocupação diz respeito à transferência de tecnologia para fazer essa transição, acrescentou.
Postar um comentário