Londres - Mais de 250 mil pessoas foram às ruas de Londres para protestar contra a política de austeridade

Mais de 250 mil pessoas foram às ruas de Londres neste sábado para protestar contra a austeridade. 

Os manifestantes começaram o protesto no distrito financeiro de Londres, em frente ao Banco da Inglaterra, e percorreram o centro da capital britânica. 


O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, apresentará em julho um novo orçamento para 2015-2016 para cumprir, segundo ele, com as promessas efetuadas durante a campanha, ou seja um aprofundamento na política de ajustes. 

Neste sábado grande parte das ruas do centro de Londres estão repletas de manifestantes que se unem à marcha contra a austeridade. O protesto de 20 de Junho vai ser grande! 

Os sindicatos colocaram ônibus para os manifestantes em vários pontos do país. Houve inúmeras reuniões para preparar esta marcha de protesto do país, que se opõe aos selvagens cortes dos serviços públicos, das comunidades locais e os ataques aos direitos sindicais que o governo Tory está decidido a implementar. 

Os cortes dos últimos cinco anos tiveram um efeito devastador na vida do povo trabalhador e estão destruindo a sociedade. Além disso estão preparando ataques mais duros. A ação do sábado é uma continuação dos protestos que aconteceram durante o Discurso do Reino (na posse do novo governo) e outras marchas de jovens e trabalhadores em distintas cidades contra o corte de 12 bilhões de libras planejado pelo governo conservador de Cameron. 

As principais consignas da convocação são: Moradia acessível para todos! Financiamento do Sistema Nacional de Saúde! Não aos cortes! Reverter as privatizações! Milhares se unem no protesto para gritar: “Eles dizem vamos cortar, nós dizemos vamos lutar!” A marcha marcada para o meio dia na porta do Banco da Inglaterra, seguirá para a praça “Parliament Square”, em frente ao Parlamento.

Um porta-voz do grupo "Assembleia do Povo" afirmou à imprensa que a participação popular no movimento convocado hoje pela organização "superou todas as expectativas".

"A polícia, inclusive, estima que há várias centenas de milhares de pessoas na manifestação. Hoje não é o fim de nossa campanha contra a austeridade, mas o começo de um movimento de massa pronto para enfrentar o governo", declarou a porta-voz.

Entre as personalidades que discursaram no protesto estão a cantora Charlotte Church, o comediante e ativista Russel Brand e o vice-ministro da Irlanda do Norte, ex-dirigente do IRA e líder do partido Sinn Féin, Martin McGuinness.

Outro presente é o deputado Jeremy Corbyn, um dos candidatos nas eleições para a liderança do Partido Trabalhista, principal grupo de posição, depois dos resultados ruins nas eleições gerais de maio.

No começo do protesto, o líder da Assembleia do Povo, Sam Fairbairn, afirmou que esse é "o princípio de uma campanha de protestos, greves e de desobediência civil em todo o país".

Outro dos grupos organizadores, a "Coligação para Deter a Guerra", lembrou hoje que a política de cortes imposta por Cameron durante os últimos anos será "ainda mais cruel" agora que os conservadores governam sozinho após a vitória no último pleito.

O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, apresentará em julho um novo orçamento para 2015-2016 para cumprir, segundo ele, com as promessas efetuadas durante a campanha, apesar de alguns setores interpretarem a medida como uma reviravolta na política de ajustes.

"Estou hoje aqui para demonstrar a minha solidariedade com as pessoas, a participação é enorme. A austeridade não é a única via. É imoral, injusta e desnecessária", opinou Chalotte Church.
Postar um comentário