MUDANÇA DE PARADIGMA NO SISTEMA MONETÁRIO MUNDIAL - FIM DA ERA DO DOLAR AMERICANO

Pois é... Se o mundo ocidental queria resposta russa ao crescente número de sanções contra o país, está na iminência de vê-la.

O Ministério das Finanças da Rússia está pronto para iniciar o plano para incrementar radicalmente a participação do rublo russo nas operações de exportação, o que acarretará a redução do percentual nas transações em que se usa o dólar americano. Fontes do governo creem que o setor bancário russo está “preparado para organizar o aumento no número de transações em que se utilizará o rublo”.


Conforme a agência de notícias Prime, o governo organizou um encontro especial, cujo mote foi a procura de uma forma de livrar-se do dólar nas operações russas de exportação. Experts de nível superior dos setores energético, bancário e de agências governamentais foram convocados e postos frente a certo número de medidas a serem tomadas,  como uma resposta às sanções aplicadas à Rússia pelos Estados Unidos, as “sanções histéricas dos EUA”, como as descreveu, bem, o ministro Sergei Lavrov, das Relações Exteriores da Rússia.

A “reunião de desdolarização” presidida pelo vice-primeiro Ministro da Federação RussaIgor Shuvalov, é prova de que Moscou tem sérias intenções de parar de usar o dólar americano. A reunião seguinte foi presidida pelo vice Ministro das Finanças, Alexey Moiseev, o qual declarou mais tarde ao canal Rossia 24 que “será incrementada a proporção atual de contratos em rublo” acrescentando que nenhum dos especialistas e representantes de bancos, ao serem inquiridos, viu qualquer problema no plano governamental de aumentar a quota dos pagamentos em rublo.

Então, se você pensou que só Obama reinaria sozinho mediante ordens executivas, você estava enganado. Os russos também podem fazer o mesmo, com a mesma eficácia. É só clicar em “ordem executiva de troca de moeda”.

É interessante que, em sua entrevista, Moiseev tenha mencionado um instrumento legal que pode ser descrito como “ordem executiva de troca de moeda”; disse que o governo russo tem o poder legal de obrigar as companhias russas a comerciar uma percentagem de certos bens e serviços apenas em rublos. Referindo-se aos casos em que essa proporção pode chegar a 100%, a autoridade russa afirmou que “seria um caso extremo e não posso dizer neste momento como e quando o governo russo usará esse poder”. Ora bolas! Usará sempre que entender que é preciso usá-lo!

Mas o mais importante não é que a Rússia tenha realmente qualquer chance prática de implementar as medidas. O que realmente muda tudo é que, hoje, há outras nações também interessadas em criar relações de comércio bilateral livres do dólar. Esses países, sim, existem e não deve ser surpresa para ninguém que dois deles já intensificaram essa prática: nada menos que Irã e China.

Claro, o sucesso da campanha de Moscou para a mudar-se para o rublo ou outras moedas regionais nas negociações comerciais depende da boa vontade de seus parceiros comerciais, igualmente interessados em livrar-se do dólar. Desde já, dois países estariam dispostos a apoiar a Rússia, conforme fontes citadas por Politonline.ru:  Irã e China.

Vladimir Putin em visita a Pequim - Os contratos de gás e petróleo foram assinados entre Rússia e China e em rublos e yuans, não em dólares.

Rússia e a China estão prestes a anunciar o fim da Era do Dólar dos EUA

Vários países estão dispostos ao desuso do dólar dos EUA.



Desde a eclosão da crise da Ucrânia, o fim do dólar dos EUA parece mais perto do que nunca. Em movimento , pós- movimento, Rússia e China se tornaram aliados mais próximos. Existem inúmeros exemplos disso. Dois exemplos recentes chamam a atenção: Gazprom emitiu obrigações no Yuan chinês e Rússia e China também assinaram acordo de gás em rublos e yuans. 
Há muitos mais exemplos. 40 bancos centrais têm mesmo colocado apostas sobre o yuan como moeda de reserva no futuro.

Até 2014 falar de colapso do dólar parecia ser para teóricos da conspiração, como geopolítica reflete apenas vagamente essa realidade aparente. Este ano, que tudo mudou. Parece que nações de todo o mundo estão fazendo movimentos para um mundo pós- dólar americano. Não é uma questão de "talvez ", mas sim "quando"!

Uma vez que a Rússia, juntamente com vários aliados , faça o movimento fatal , você pode ter certeza que muitas nações a seguirão. Eles já estão tentando fazê-lo. Por quê? Porque os EUA é a força mais destrutiva do planeta, e seu calcanhar de Aquiles é o seu "privilégio exorbitante", conhecido como o dólar dos EUA pela maioria, e o Federal Reserve Note por aqueles a "saber"Em explicação muito resumida: o dinheiro (divisa) americano não é emitido pelo governo americano, mas pelo Federal Reserve Note (que o empresta ao governo dos EUA) e que na realidade é um banco PRIVADO, propriedade de um poderosíssimo grupo de banqueiros internacionais que o manejam conforme seus interesses.  


Um mundo "desdolarizado" , como é chamado na Rússia, vai mudar a vida de milhões de americanos.

Ascensão da Rússia e China: De acordo com a Voz da Rússia , o Ministério das Finanças russo está olhando para aumentar significativamente o papel do rublo russo em operações de exportação , reduzindo a parcela de operações denominadas em dólares . O setor bancário russo , acreditam muitos, está " pronto para lidar com o aumento do número de operações denominadas em rublo".

A agência de notícias informou que o governo organizou uma reunião especialmente dedicada a encontrar uma solução para se livrar do dólar dos EUA em operações de exportação da Rússia. Especialistas de nível superior de bancos , governo e setor de energia vieram juntas, como uma série de propostas foram apresentados como uma resposta para as sanções norte-americanas contra a Rússia.

Esta " reunião desdolarização " foi presidida pelo Primeiro Vice-Primeiro- Ministro da Federação da Rússia, Igor Shuvalov , demonstrando o quão sério Moscou é quando se trata de ir além do dólar.

A reunião seguinte, presidida pelo ministro das Finanças, Vice- Alexey Moiseev , analisou como "a quantidade de contratos denominados em rublo serão aumentados. " De acordo com Moiseev , nenhum dos especialistas e representantes dos bancos pesquisados ​​encontrou problemas com o plano do governo para aumentar a quota de pagamentos rublo.

A Rússia não está sozinha. Outras nações querem se envolver em desdolarização do mundo. Tanto a China como o Irã , por exemplo, tem interesse em avançar com um plano desse tipo . 


O Ocidente está fora de controle , com russophobes no controle da política externa dos EUA. Isso significa que os EUA vão antagonizar a Rússia e outras nações. Isso só vai acelerar o abandono do dólar dos EUA pela Rússia, a China e paulatinamente no mundo.

O que podem os EUA fazer sobre isso? Bomba mais países . 

Posição comprometida dos EUA significa uma coisa: a China e a Rússia vão fazer os seus movimentos , jogando xadrez , enquanto Obama joga damas.

* China apelou para uma nova moeda de reserva em 2013.

* Japão e Índia assinaram uma moeda de negociação vinculando suas moedas em 2011.

* Árabes do Golfo estão planejando - ao lado de China, Rússia, Japão e França - acabar com negócios em dólar para o petróleo, usando uma cesta de moedas , incluindo o iene japonês e o yuan chinês , o euro, ouro e uma nova moeda unificada planejada para as nações em o Conselho de Cooperação do Golfo, incluindo Arábia Saudita, Abu Dhabi , Kuwait e Qatar.

O FIM DO SISTEMA MONETÁRIO como a conhecemos ( TEOTMSAWKI )

Estamos à beira de uma mudança de paradigma enorme no sistema monetário mundial e quase ninguém está tomando consciência disso. Empresários dos EUA estão fazendo planos tensos para gastar o capital como se estivéssemos em uma recuperação. Os americanos continuam gastando dinheiro. E os investidores continuam a investir como se estivesse tudo perfeitamente bem. Eles têm dificuldades em conceituar a verdade sobre a economia dos EUA , que está  atolada em dívidas. 




Rússia e Turquia renunciam ao dólar

Turquia, Russia ,comercio, dolar

Moscou e Ancara decidiram passar para rublos e liras turcas nos pagamentos recíprocos, comunicaram os chefes dos departamentos econômicos da Rússia e Turquia, Alexei Ulyukaev e Nihat Zeybekci, após o “encontro empresarial” dos G20 na Austrália.

Na opinião de peritos, uma das razões do afastamento do dólar é a posição da administração dos EUA, ou seja suas decisões imprevisíveis de introduzir sanções unilaterais contra participantes do mercado internacional.
O chefe da cátedra de relações internacionais da Universidade de Ufuk em Ancara, doutor em ciências políticas e professor Oya Akgonenc Mugisuddin compartilhou com a Voz da Rússia sua opinião sobre a influência de tais sanções unilaterais na situação no mundo:
Mugisuddin: As sanções são um instrumento jurídico internacional teoricamente admissível nas relações entre os Estados. Mas sua aplicação é admitida por uma série de condições. É necessário argumentá-las nitidamente. Por quem, contra quem e que sanções serão declaradas? À base de que e com que objetivo?
Em outras palavras, devemos falar em cada caso concreto não apenas das próprias sanções, mas também da competência do árbitro que autorizou sua aplicação. A tensão em todo o sistema das relações internacionais está crescendo imediatamente no caso da declaração arbitrária unilateral das sanções. A ordem mundial torna-se mais vulnerável, estruturas econômicas são sujeitas à pressão. O ambiente negativo universal não pode deixar de atingir em resultado os interesses do autor das sanções.
Voz da RússiaPelo visto, muitos países europeus recusaram-se por esta causa de aplicar sanções contra a Rússia?
Mugisuddin: Sem dúvida! No processo de tomada de resoluções na área da política externa, cada país considera em primeiro lugar seus próprios interesses. Inicialmente, Bruxelas havia apoiado as sanções americanas contra a Rússia, mas, posteriormente, renunciou a elas, porque essas sanções contrariaram abertamente os interesses dos países da UE.
Os europeus são ligados à Rússia por relações econômicas, políticas e históricas profundas. Destaque-se que não teve o último papel nisso a crescente desconfiança em relação aos americanos que estão vigiando constantemente seus parceiros europeus. Além disso, a América exige que os europeus lhe sejam subordinados incondicionalmente, inclusive em relação às sanções. Tal atitude irrita os países da União Europeia.
Voz da Rússia: No contexto da política de sanções imprevisível dos EUA, cada vez mais países preferem utilizar moedas nacionais em seus pagamentos recíprocos. A Turquia não é uma exceção. Isso foi declarado pelo ministro da Economia, Nihat Zeybekci, que propôs usar rublos e liras turcas em pagamentos russo-turcos. Como o Sr. avalia tal perspetiva?
Mugisuddin: Ultimamente, o mundo sobreviveu a uma série de crises financeiro-econômicas que atingiram tanto os EUA, como os países europeus. Esses acontecimentos tornaram-se possíveis inclusive em resultado da ineficiência das existentes instituições financeiras internacionais e da utilização da divisa única no comércio externo. Não todos os países têm uma economia igualmente potente e dispõem de sua própria moeda forte. A ligação à única divisa encerra consequências nefastas. Bastaria mencionar os problemas com que periodicamente deparavam vários países europeus só porque eles se juntaram da zona do euro.
A crise, contudo, contornou a Turquia em primeiro lugar porque o nosso país não faz parte da UE e não utiliza o euro no comércio externo. A Turquia ganhou em resultado da utilização da moeda nacional nas suas transações econômico-comerciais com vizinhos, inclusive com a Rússia, e agora tenta fixar esse mecanismo de pagamentos recíprocos. Não pode haver nada de mais natural. Hoje, para nós é vantajoso utilizar as divisas nacionais e não depender do dólar ou do euro.

Leia mais: http://portuguese.ruvr.ru/news/2014_07_22/Russia-e-Turquia-renunciam-ao-dolar-6445/
Postar um comentário