LULA E OS 34 ANOS DO PT

Lula: "Estou cansado de ouvir gringo dando notícias negativas sobre o Brasil"

Brazil’s Lula: “I Am Tired Of Hearing Negative News About Brazil

SÃO PAULO, Brasil - O ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, mais conhecido como Lula, disse que ele está "cansado de ouvir todas as notícias negativas" sobre o seu país.
O Partido dos Trabalhadores (PT) ou the Workers’ Party, foi lançado durante a era ditadura militar (1964-1985) em 10 de fevereiro de 1980 por membros do sindicato, de esquerda intelectuais, educadores, artistas e teólogos da Libertação. Os membros fundadores, Lula incluído, a maioria vieram dos subúrbios do sul de São Paulo, na mesma região que um jovem Lula era uma figura proeminente e eficaz no sindicato dos metalúrgicos.
O partido cresceu de forma constante em popularidade na década de 1990 e tornou-se uma das duas forças da política brasileira, sendo o outro o Partido da Social Democracia Brasileira de direita (PSDB).
De 2003 a 2011, Lula levou o Brasil como o primeiro chefe de Estado do PT e da nação viu uma expansão econômica inacreditável em seus oito anos como presidente. Ele é creditado com o levantamento mais de 45 milhões de seus compatriotas brasileiros da pobreza para a média e reponsavel por uma taxa de crescimento anual de 4% da economia, incluindo uma surpriendente e robusta expansão de 7,5% em seu último ano como presidente em 2010.
Não é nenhuma surpresa, então, que Lula ocupa, junto com Vargas, a posição de líder mais popular da história do Brasil.   A atual presidenta e sucessora de Lula, Dilma Rousseff, esteve no Centro de Exposições do Anhembi, em São Paulo para celebrar o 34 º aniversário da formação do PT.
Enquanto os membros do partido e simpatizantes pedem apoio para reeleição em outubro de Dilma, Lula estava em reunião Nova York com o ex-presidente dos EUA Bill Clinton. Ele vai continuar  dando um discurso e participando de um debate a respeito de política e economia do Brasil em um evento organizado pela Fundação Clinton.
Ainda assim, Lula enviou uma mensagem em vídeo que foi ao ar durante as comemorações de aniversário. "Nosso partido é um sem dogmas, apenas a democracia. Ninguém tem que abandonar suas convicções, apenas se comprometer a lutar pelas pessoas mais humildes em sua jurisdição. Nosso socialismo não está enraizada em qualquer coisa, mas nas relações dentro do partido que desenvolver nossos princípios."

"É incrível como passamos de nossas dificuldades iniciais para o partido político mais importante da esquerda na América Latina", diz ele na gravação, acrescentando que "alguns podem reclamam que não fizemos tudo o que queríamos, mas ninguém tem feito mais para o Brasil do que nós."


Quando perguntado por que ele estaria ignorando o encontro antes de sair, ele disse que "eu estou indo para Nova York porque eu estou cansado de ouvir todas as notícias negativas sobre o Brasil na mídia internacional. (...) Nós temos uma das mais baixas taxas de desemprego no mundo, a economia cresceu e nós trouxemos uma vida melhor para milhões de brasileiros. Ainda assim, tudo o que se fala é a inflação", disse Lula. "Quem defende inflação zero também defende o emprego zero."

Lula acrescentou que ele estaria defendendo as sua, e sua sucessora, administrações e os seus gastos no desenvolvimento de bancos estatais. "Depois de entregar poder aos bancos estatais em 2008, durante a crise econômica, é exatamente quando o pobre deixou de ser tratado como criminosos por parte dos bancos."

Relativamente ao seu próprio futuro político e uma possível candidatura presidencial em 2018, ele disse que "em política, nunca podemos dizer nunca".

"No momento, não é o meu desejo como eu acredito que eu já fiz a minha contribuição para o Brasil. Em toda a honestidade, eu não sei o qual será as circunstâncias políticas  daqui a quatro anos, mas espero que haja um grande número de pessoas competentes e eu não tenha que participar ", disse ele. 

Por enquanto, aos 68 anos, Lula está totalmente empenhado em ajudar sua sucessora, Rousseff,  para conseguir mais 4 anos de mandato nas eleições de outubro. 
O apoio de Lula ao partido continuará como ele fez na sua primeira aparição em um ato de apoio político quando um comício para um candidato do PT em São Paulo ocorreu. 
Alexandre Padilha é candidato a Governador do Estado de São Paulo, e Lula estava disponível para mostrar seu apoio ao seu ex-membro do Governo, e até a semana passada, o ex-ministro da Saúde, sob Rousseff.



Postar um comentário