SOLIDARIEDADE VOLTA AO COMANDO DA LUTA TRABALHADORA CONTRA O PATRONATO

Polacos exigem demissão de Tusk
Mais de cem mil pessoas deram corpo, no sábado, 14, a uma das maiores manifestações realizadas na Polónia nos últimos anos, que foi o ponto culminante de quatro dias de protestos.

Num momento em que a economia capitalista estagnou e se acentuam as medidas antilaborais e anti-sociais, os principais sindicatos polacos ameaçam convocar uma greve geral para derrubar o governo liberal de Donald Tusk.
«Estamos a tornar-nos escravos no nosso próprio país» declarou o líder do Solidariedade, principal central sindical do país, mostrando-se indignado com «o desprezo do poder pelos operários».
No mesmo tom, Jan Guz, líder da central OPZZ, garantiu que os trabalhadores «não aceitarão mais uma política que conduz à pobreza e à miséria. Vamos derrotar um governo que não defende os interesses dos trabalhadores.
Refletindo o descontentamento que alastra no país, milhares de pessoas afluíram à capital em centenas de autocarros que partiram de várias regiões. Entre os manifestantes destacavam-se os mineiros e metalúrgicos da Silésia (Sul) e os operários dos estaleiros navais de Gdansk (Norte).
Os sindicatos exigem a reposição da idade da reforma aos 65 anos, limite aumentado para os 67 anos pelo governo de Tusk, bem como a subida dos salários e a revogação de uma recente lei que permite o alargamento do horário de trabalho.
A estagnação da economia é outra das preocupações dos sindicatos, que temem que a crise se instale e o desemprego dispare. Apesar de ter conhecido um crescimento económico durante vários anos, a Polónia aproximou-se da recessão no primeiro trimestre com a economia a crescer apenas 0,4 por cento.
Neste contexto, as sondagens revelam uma crescente impopularidade da Plataforma Cívica (PO) de Tusk, atribuindo-lhe 21 a 25 por cento das intenções de voto.
Em contrapartida, o partido conservador Direito e Justiça (PiS), dirigido pelo antigo primeiro-ministro, Jaroslaw Kaczynski, volta a subir nas sondagens podendo aspirar a 34 por cento dos votos.
No parlamento, o governo de Tusk, coligado com o partido camponês (PSL), conta com uma maioria absoluta tangencial de apenas dois deputados, após ter sido enfraquecida com a defecção de três deputados liberais.
Postar um comentário