TVT - A PRIMEIRA EMISSORA DOS TRABALHADORES QUER UNIR QUALIDADE COM PARTICIPAÇÃO SOCIAL

Com versão digital, emissora amplia em 50 vezes o potencial de espectadores
 
Escrito por: Rede Brasil Atual
 
Quase cinco anos depois de entrar no ar, com o pioneirismo de ser a primeira emissora sob gestão de trabalhadores, a TVT lançou na sexta (6) sua versão digital, que amplia em 50 vezes o potencial de espectadores, de 400 mil para 20 milhões, ao atingir a Grande São Paulo.

Com novo transmissor, instalado na Avenida Paulista, a emissora conclui a implementação da estrutura física e se prepara para ampliar e diversificar ainda mais a sua programação. São vários os desafios, como assinalou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "A primeira coisa é convencer as pessoas a assistirem a gente", afirmou durante a cerimônia de lançamento da TVT digital, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo.

Ele ressaltou a parceria entre os sindicatos dos Metalúrgicos e dos Bancários de São Paulo, reunidos na Fundação Sociedade, Comunicação, Cultura e Trabalho, responsável pela TVT. "Não foi uma tarefa fácil", referindo-se às duas entidades. Lula cumprimentou o esforço feito pelos atuais presidentes, Rafael Marques e Juvandia Moreira.


Também fez questão de homenagear um dos pioneiros do projeto, Elizeu Marques da Silva, que morreu em maio de 2013. "Ele tratava a TVT como se fosse um filho."
Sincero, Lula afirmou que há muito o que fazer e deu o exemplo da própria TV Brasil, criada sob sua gestão na Presidência. "Até hoje não conseguimos fazer a TV Brasil desencantar", disse, confessando certa frustração, mas acrescentando que ainda é possível construir uma emissora pública com qualidade. "Eu não imaginava criar uma televisão que competisse com as TVs abertas, mas com uma programação qualificada e que levasse as informações que normalmente algumas não querem levar."
A ideia vale para a TVT. "Quero competir com todas (as emissoras), mas na verdade quero competir com a qualidade e com a seriedade da informação", disse Lula, pedindo inovação. "Vocês tem de ter a preocupação de não fazer a mesmice. Este é um espaço novo para vocês criarem algo novo." O ex-presidente recomendou ainda aos sindicalistas que se preparem para críticas, "como se todo mundo pudesse ter uma televisão e os trabalhadores não".
 
Espaço próprio
Este é o ponto de vista do secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. "Quando a gente vai zapear a televisão, vê que as universidades estão lá, e é importante que estejam. As igrejas estão lá, e têm todo o direito. Portanto, o movimento sindical tem todo o direito de ter seu espaço." Com a constatação de que os grandes meios de comunicação praticamente ignoram os movimentos sociais e o mundo do trabalho, a alternativa, em vez de criticar, é criar e aperfeiçoar mecanismos de comunicação. "Temos de construir nossos próprios veículos", diz Nobre.
Esses veículos devem refletir a diversidade e a complexidade da sociedade brasileira, observa o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, a favor de um aparato "que reflita a diversidade econômica, cultural e regional do país". Uma emissora "que não seja monolítica, autoritária, preconceituosa", define, em crítica ao modelo vigente. "Precisamos respeitar a diversidade de pensamento. É o que deseja a maior parte da sociedade brasileira, não tenho dúvida disso. Que falta faz o debate sobre democratização nos meios de comunicação no nosso país. Esse é o compromisso da presidenta Dilma e o meu também", afirmou Berzoini. Durante o ato em São Bernardo, o ministro leu carta da presidenta da República, que celebrou a "ampliação dos canais de comunicação e diálogo com a sociedade".
Para Berzoini, o projeto coordenado por bancários e metalúrgicos demonstra o compromisso do movimento sindical com a liberdade de expressão. Ele defendeu o direito da população a ter acesso a um serviço de banda larga de qualidade.
O presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Nelson Breve, destacou a parceria já existente com a TVT, que para ele "está entrando no século 21". Ele ressaltou a importância estratégica da comunicação para a formação da cidadania e lembrou que a emissora está construindo "a versão da classe trabalhadora para a sociedade brasileira".
Defesa da democracia
 
Essa é preocupação, aponta o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, para quem a TVT "se propõe a fazer coisas novas e levar a linguagem do trabalhador". Ao exibir a fotografia de uma assembleia que aprovou um aporte inicial para o canal, no valor de R$ 15 milhões, ele observou que "não é fácil montar um TV", mas destacou que a categoria "dá importância ao projeto, que nasceu lá com o Lula".
"Isso aqui é uma luta social para transformar, para influenciar", disse Rafael, já destacando o ato dos movimentos sociais em defesa de direitos trabalhista, da Petrobras e da democracia programado para o próximo dia 13. "Ninguém melhor, mais legítimo, que a TVT para cobrir tudo o que esse ato vai significar." Para o dirigente, a emissora deve "defender a democracia, as minorias, tudo que é conquista social".
"Nossa democracia só se consolidará quando a gente tiver a democratização dos meios de comunicação, quando tiver uma reforma política", reforçou a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira, também vice-presidenta da Fundação. A TVT, afirmou, "não vai fazer divulgação seletiva, um vazamento seletivo das informações, mas buscar a verdade para os trabalhadores".
Ela refutou uma afirmação corrente de que a democratização da mídia signifique censura. Para Juvandia, é justamente o contrário. "Quem não defende (a democratização) está defendendo censura, defendendo que o monopólio da informação continue."
Monopólio que também acontece na área de entretenimento. Juvandia citou o período em que ainda morava no interior da Bahia, e a televisão só passava jogos de futebol de times do Rio de Janeiro. Mais adiante, Lula brincaria com o tema. Segundo ele, a TVT pode transmitir partidas de vários times, "mas o que terá mais público certamente será o do Corinthians". Ele ofereceu-se também para cantar em um eventual programa de calouros.
 
Investimento na base
Ainda impressionado com depoimento de um garoto – Gustavo Gomes da Silva, de 10 anos –, o ex-presidente disse que é preciso "investir na base" e garimpar gente de qualidade para trabalhar na TVT. Gente "das entranhas da sociedade, nas fábricas, bancos, periferia, como aquele menino que falou aqui". Gustavo, estudante de um Centro Educacional Unificado (CEU) municipal, apareceu em um vídeo falando sobre racismo e a importância de respeitar pontos de vista diferentes.
Ao se dizer amante do Vale do Jequitinhonha, no nordeste de Minas Gerais, Lula observou que uma das regiões mais pobres do Brasil possui também uma riqueza cultura pouco conhecida. "E isso não aparece nunca. A TV mercadológica quer o artista pronto, não quer criar o artista. O que as pessoas precisam é chance." Mas ele ressaltou também que é preciso ter preocupação em criar um canal com programação de qualidade, buscar patrocínio e audiência. E investir não só "na telinha da TV", mas também na internet, acrescentou. Segundo a TVT, a emissora já tem mais de 11 mil vídeos produzidos e postados no site (www.tvt.org.br) e no canal no Youtube, com mais de 5 milhões de visualizações.
Conduzido pelo presidente da Fundação e diretor de Comunicação do Sindicato dos Metalúrgicos, Valter Sanches, e pelo diretor da Rede Brasil Atual, Paulo Salvador, o evento teve também as presenças dos prefeitos de São Bernardo, Luiz Marinho, e de Santo André, Carlos Grana, entre outros convidados.
Um marco na história da TVT é o dia 29 de setembro de 1987, quando o país ainda dava os primeiros passos no processo de redemocratização, depois de 21 anos de ditadura, encerrada formalmente em 1985. Uma comissão de metalúrgicos – ao lado do então deputado constituinte Lula – foi recebida pelo ministro das Comunicações, Antonio Carlos Magalhães, no governo José Sarney – que é lembrado, entre outras coisas, pelo grande número de concessões. Mas o pedido dos trabalhadores levaria mais de duas décadas para ser atendido: a TVT só entrou no ar, ainda no formato analógico, em 23 de agosto de 2010.
 
Para ver a TVT:
Canal 44.1 HD (Grande São Paulo)
Canal 46 analógico (Alto Tietê)
Canal 12 NET (ABC)
Canal 13 NET (Alto Tietê)
Canal 12 NET (Capital , de segunda a sexta, das 19h às 20h30)
Canal 8 GVT (ABC)
Satélite C3, frequência 3851, symbol rate 6247, vertical (em todo o Brasil)
Portal: www.tvt.org.br
App para Android: RedeTVT
Canal YouTube: youtube.com/redetvt
Facebook.com/redetvt
Postar um comentário