Haddad na Zona Norte já põe a Prefeitura para funcionar. Isso é que é competência!


O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, deixa a zona norte de São Paulo. Foto: Ricardo Matsukawa/Terra
Haddad ironiza Serra e Kassab na zona Norte

05 de abril de 2012  20h43  atualizado às 21h17

O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, deixa a zona norte de São Paulo
Foto: Ricardo Matsukawa/Terra
VAGNER MAGALHÃES
Direto de São Paulo
O pré-candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PT, Fernando Haddad, foi irônico com os últimos dois prefeitos da capital paulista em um encontro com moradores da região de Santana, na zona norte da capital paulista. Para uma plateia de cerca de 100 pessoas, ele disse não saber o que é pior: um prefeito que abandona o cargo ou outro, que em sua opinião, abandonou a cidade nos últimos sete anos.
Ele se referia diretamente ao pré-candidato do PSDB à Prefeitura, José Serra, que em 2006 deixou o cargo para se candidatar à presidência da República. Gilberto Kassab (PSD), que assumiu na ocasião e foi reeleito em 2008, também não foi poupado.
"Não sei o que é pior, um prefeito que deixa a cidade abandonando o cargo ou um que abandona a cidade ficando no cargo", disse ele. Durante o encontro Haddad também citou por várias vezes a dificuldade da mobilidade na cidade de São Paulo, abordando o tema que deverá ser o centro das atenções nas eleições de outubro.
"As críticas são pelo descontentamento com os problemas da cidade, entre os quais o apagão dos transportes. Queremos governar com a prioridade para áreas como a saúde, a educação e o transporte", disse, para depois completar:
"A seis meses da eleição, ele (Kassab) lança o edital para a construção de corredores de ônibus previstos para 2005. O sistema de transporte da cidade pode ser caracterizado como perde tempo. Não tem povo que perde mais tempo do que a gente", disse o pré-candidato.
Haddad ironizou a presença do pré-candidato do PSDB, José Serra, no lançamento de um novo posto do Poupatempo, do governo do Estado, na zona oeste da capital paulista, na terça-feira. Na ocasião, o prefeito Gilberto Kassab também esteve presente.
A pessoa leva 3 horas para chegar lá e tirar um documento rápido. O problema do trânsito é a qualquer hora do dia, a qualquer dia da semana. E isso aconteceu quase por caprico. Eles tinham um projeto de mobilidade pronto, abandonado", disse.
E seguiu na ironia. "Depois de 8 anos você não encontra uma obra estruturante na cidade. Nosso desafio é apresentarmos um projeto.
Coligações
Haddad disse que as negociações com o Partido da República (PR) em São Paulo, em busca de uma aliança para as eleições de outubro, estão em andamento. De acordo com ele, o diagnóstico sobre a cidade dos dois partidos é semelhante e disse não saber se a aliança nacional vai prevalecer sobre a local.
"Tenho conversado com os vereadores (do PR) e os dois partidos pensam de forma semelhante, sobretudo em função do desinteresse da atual administração municipal (do prefeito Gilberto Kassab) por assuntos que estão prejudicando a população.
O PR estaria insatisfeito com o tratamento que está recebendo da presidente Dilma Rousseff em Brasília. O partido se uniu com o PTB no Senado, o que poderá fortalecer ambos nas negociações com o governo Federal.
Uma das condições impostas pelo PR para permanecer na base aliada é o controle do Ministério dos Transportes, em uma discussão que dura desde a saída de Alfredo Nascimento, há 9 meses.
"Todos os partidos estão esperando o processo decantar, deixando todos os prazos correrem para se alinhar a uma ou outra candidatura para >quais das candidaturas vão prosperar dos demais partidos".
Limpeza
Haddad passou o dia na zona norte da capital paulista, em conversas com lideranças da região de Santana. Em sua agenda, ele se encontraria com a imprensa na praça Margarida Albuquerque Gimenes às 15h50, mas acabou atrasando cerca de 1 hora e 30 minutos.
Pouco antes da chegada do pré-candidato, dois caminhões, com equipes da Prefeitura, iniciaram a limpeza do local, com a retirada de lixo que estava sobre a grama. Com a saída do candidato, o motorista de um dos caminhões deu a senha: "vamos embora. O homem já foi".
Postar um comentário