CASO DEMÓSTENES TORRES CHEGA À MIDIA INTERNACIONAL E CACHOEIRA VIRA CARLINHOS WATERFALL



Demóstenes Torres | Numbers Are Up? - by Colin Brayton
O senador Torres, do DEM, ou democratas, é ouvido em 300 escutas telefônicas conversando com um grande número de gângsteres intermediários do poder político em seu estado natal de Goiás que envolve os distrito federal de Brasília.
 
Além de Torres, o ex-governador do Distrito Federal, também democrata, José Roberto Arruda, de repente caiu em desgraça por razões semelhantes.
O Brasil vem tornando-se a fazer parte da ordem nova  mundial

 Confesso que eu não gosto do DEM, apesar da minha regra geral sobre a opinar sobre questões políticas - eu pago impostos aqui no Brasil, no entanto. Não, não é mais aquela sensação desagradável de ouvir o discurso dos neoconservadores de minha terra natal sendo Google-traduzidos automaticamente para Português que explodiu em volume total, noite e dia.
Como? Eu me mudei para outro hemisfério para isso?!

O partido do DEM é conhecido por sua retórica macarthista e gestos de indignação moral extrema, mas ele lidera ao partido atual governo, o PT, por uma margem de 6 a 1 em políticos removidos de seus mandatos sobre acusações de corrupção - e 12 a 1 quando a coligação PSDB-DEM unida nas últimas eleições é fatorada.
Se os jornais da minha cidade natal, como o New York Times, realmente quisessem apresentar um quadro de um  profundamente enraizado e uma colorida tradição cultural aqui no Brasil, eles iriam tomar este caso como uma oportunidade para explicar o Carlismo - a máquina política da Bahia, executado com um punho de ferro por Antônio Carlos Magalhães. Este era um homem de brutalidade e estupidez lendárias que é, no entanto, tratado com uma nota de adulação no obituário de Larry Rohter - mesmo repugnante como era.
E agora, por enquanto, uma outra vez come poeira, em um furo de reportagem por Leandro Fortes da revista Carta Capital que conseguiu borbulhar, apesar do silêncio geral da MSM sobre o tema.

O senador Torres é o foco de uma crise política provocada pela operação da Polícia Federal apelidado de Monte Carlo, que no mês passado desmantelou um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro no submundo de máquinas caça-níqueis ilegais.



O chefão suposto do regime, Carlinhos "Waterfall", é um amigo pessoal de Torres e trocou 300 telefonemas com ele em uma linha monitoradas pela polícia.
Torres dizia ter sido de assistência para o Sr. "Waterfall", numa tentativa de legalizar grupos ilegais de bingo e máquinas caça-níqueis. A lei foi aprovada, mas depois, em 2007, foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal, que reconheceu a jurisdição federal. Estes são o tipo de Societeers federais que vemos aqui no Sambodia, onde sociopatia é muitas vezes confundida com o «amante da liberdade».
Ketlin Feitosa Ramos, enteada de ministro do STF, Gilmar Mendes, e é assessora juridica do senador do DEM
O senador admite que recebeu um telefone, um fogão e um frigorífico de "Carlito Waterfall", como presentes de casamento. A investigação revela que ele também pediu a "Carlito" R$ 3.000 para pagar por um serviço de táxi aéreo.



Desde que os senadores têm o direito de "foro privilegiado" - eles só podem ser investigados com a autorização do Supremo Tribunal Federal - todos os arquivos de casos que têm a ver com Torres e outros políticos foram enviados para o procurador federal geral, Roberto Gurgel.



Gurgel pode pedir ao Supremo Tribunal Federal autorização para abrir uma investigação visando especificamente o senador. Não há prazo para fazê-lo.

Se a investigação for aprovada, o caso será automaticamente encaminhado para um dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal, incluindo Gilmar Mendes, não deveria ele abster-se.

Os defensores do senador negam qualquer irregularidades de qualquer forma, dizendo que eles vão passar a rejeitar as evidências, na teoria de que Torres nunca deveria ter sido monitorado sem supervisão judicial da Corte Suprema.

Colin Brayton - Editor-Writer-Translator-Researcher of Stringer at MergerMarket.com
Managing Editor at SourceMedia (Securities Industry News) and  Copy Editor, GQ at Conde Nast




Postar um comentário