DEU NO NEW YORK TIMES: OLÊ! OLÊ! OLÊ! OLÁ! DONA DILMA VEM AÍ E O BICHO VAI PEGAR!

Can Brazil Stop Iran? - The New York Times
UMA SEMANA PARA A CASA BRANCA
A palavra de ordem usada até pouco tempo era: Brasil é a terra do futuro - e sempre será. Mas quando a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, chegar, em sua visita à Casa Branca na próxima semana, ela virá como o líder de um país cujo futuro já chegou.

Com novas enormes descobertas de petróleo na costa e as inundações de investimentos estrangeiros, a economia do Brasil, crescendo duas vezes mais rápido que a dos EUA, superou a Grã-Bretanha para se tornar a sétima maior economia do mundo. Como um membro do Grupo dos 20, anfitrião da Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o Brasil é um líder emergente global.

Mas há uma área onde tem a oportunidade de liderar: evitar a propagação de armas nucleares. O Brasil tem o poder de dar o passo corajoso de voluntariamente acabar com seu programa de enriquecimento de urânio e chamar a outras nações, inclusive o Irã, a seguir seu exemplo.

Brasil começou como uma força para a não-proliferação. Ele voluntariamente colocou a soberania de suas instalações nucleares sob supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica em 1991 e depois se juntou ao Tratado de Não Proliferação Nuclear.
Mas depois da guerra do Iraque, em 2004, o Brasil, que abriga o quinto maior reserva de urânio, também proclamou que todos os estados tinham um "direito inalienável" de enriquecer urânio para "fins pacíficos". Em seguida, construiu uma instalação de enriquecimento e lutou com a AIEA por mais de um ano antes de dar inspetores de acesso.

As mesmas instalações que enriquecem urânio para fins pacíficos também podem ser usados ​​para enriquecer para armas nucleares. E a partir de combustível reprocessado pacífico, o plutónio de reactores podem ser usados ​​em bombas nucleares.
Ao explorar esta "brecha de enriquecimento", a Coreia do Norte desenvolveu um programa secreto para o reprocessamento de combustível irradiado, se retirou do tratado e, logo depois, desenvolveu armas nucleares. Aparentemente o Irã está tentando fazer o mesmo.
Dos países que estão operando agora, ou em construção, com energia nuclear ou reatores de pesquisa sob o tratado, mais de 40 também têm a capacidade de construir armas nucleares, explorando essa brecha. Se o Irã desenvolve essa capacidade, poderia, como o presidente Obama alertou, exercer pressão sobre a Arábia Saudita, Egito e Turquia para rapidamente buscarem armas nucleares próprias.
Brasil detém uma posição única entre as nações em desenvolvimento para lidar com esse perigo de proliferação devido à sua defesa, histórico nacionalista de enriquecimento.  Uma nova postura brasileira tiraria principal argumento do Irã de que os estados com  armas nucleares estão buscando uma forma de "apartheid nuclear", tirando a "ponte" enriquecimento antes que as nações em desenvolvimento tenham a oportunidade de cruza-la. Também, se unindo ao Brasil, daria ao Irã um caminho salvar as aparências para se juntar voluntariamente a outros países em desenvolvimento em um novo esforço multilateral para suspender o enriquecimento em vez de aparecer a ceder as sanções dos EUA e as suas ameaças.

Finalmente, se o Brasil e outras nações em desenvolvimento desistissem de enriquecimento, seria possível fazer um esforço concertado internacional novo para fechar a brecha de enriquecimento de forma permanente, mediante alteração do Tratado de Não Proliferação.
Há obstáculos para Dilma. Poderosos círculos comerciais e militares têm interesse em continuar o programa do Brasil de enriquecimento de uranio, e os nacionalistas brasileiros teriam que ser tranqüilizados. Assim, é vital que o Brasil seja visto pelo mundo como agindo por conta própria ao invés de cedendo à pressão de Washington.

Os Estados Unidos poderiam oferecer incentivos por trás de portas fechadas ao Brasil. Obama está estudando propostas para reduzir arsenal totalmente operacional nuclear em 30 por cento ou até mais. Atualmente, o Brasil lidera um grupo de oito estados não-nucleares que estão a pressionar as potências nucleares, incluindo os Estados Unidos, para entregar os seus compromissos em tratados e se mover em direção ao desarmamento nuclear total eventualmente - e se houvesse um avanço agora nessa frente, o Brasil seria dado crédito substancial . O Congresso e a Casa Branca também poderiam rever as tarifas punitivas sobre o etanol de cana do Brasil, o que obriga os americanos a consumir mais etanol de milho mais caro e que eleva o preço global de alimentos.
Renunciando a seus direitos de enriquecimento iria da noite para o dia catapultar o Brasil em uma posição de liderança global sobre segurança mundial, o desafio mais urgente da comunidade internacional. E a liderança do Brasil, inevitavelmente, dara forma ao contexto para as discussões futuras sobre a membro permanente do Brasil num Conselho de Segurança expandido - uma das ambições de Dilma de longa data.
No momento em que os EUA está enfrentando a perspectiva de guerra com o Irã, Dilma tem o poder e a oportunidade de fazer uma abertura corajosa para ajudar a resolver essa crise, ela deveria aproveitá-la. 
Bernard Aronson, a private equity manager, was assistant secretary of state for inter-American affairs from 1989 to 1993. (Print on April 4, 2012, on page A21 of the New York edition)
Postar um comentário