VALONGO: ESTAMOS DESCOBRINDO O BRASIL NEGRO


Brazil's leap forward unearths a painful history- by CBS News
A VONTADE ELITISTA DE CRIAR A PARIS TROPICAL FOI A SEMENTE DA FAVELA

Em uma parte de um bairro decadente no porto do Rio de Janeiro, arqueólogos estão escavando fragmentos de uma história que muitos brasileiros preferem ignorar.
Até um milhão de homens e mulheres foram forçados ao cativeiro vindos da África emergiam das barrigas de navios para o cais de Valongo que foi outrora, o mais movimentado do mundo porto de comércio de escravos. Hoje, o Brasil surge à frente no cenário mundial, os estudiosos esperam que o tesouro de pérolas, pulseiras e estatuetas que eles estão encontrando também alertará brasileiros a olhar para trás com maior interesse em sua herança escrava.
O cais que foi intencionalmente enterrado em 1840 e substituído por um  novo belo porto está vindo de volta à luz, como parte de um projeto de 5 bilhão de dolares recriar e preparar a região do porto do Rio de Janeiro  para o turismo e os negócios à frente dos Jogos Olímpicos de 2016. Brasileiros têm visto por muito tempo seu país como uma democracia racial livre de preconceitos e da discriminação institucionalizada que marcaram a história dos EUA.
Paralela do Cais da Imperatriz
"Havia um desejo real de apagar o Valongo, para apagar essa história, para levá-la para  fora do mapa", disse Tania Andrade Lima, arqueólogo-chefe da escavação, como ressaltou ásperas do Valongo, pedras irregulares. "Estas eram calçadas feitas para os escravos a trilhar", disse ela, contrastando-as com a recolocação do tabuleiro de xadrez de lajes polidas do cais que a substituiu "O Brasil nunca chegou lidar com esta parte de sua história", disse ela. "As pessoas que chegaram aqui nunca foram capazes de contar suas histórias."
Brasil assumiu quase a metade dos aproximadamente 10,7 milhões de homens e mulheres enviados através do Atlântico, em comparação com cerca de 645.000 levado para os EUA. Ele aboliu a escravidão somente em 1888 - o último país nas Américas a fazê-lo - e esse legado pesa sobre seus descendentes .
Hoje, quase metade da população de 192 milhões define-se a recenseadores como negro ou parte-negro, e apesar de programas anti-pobreza que elevaram sua renda em 56 por cento, em média, elas ainda ganham apenas 57 por cento, tanto quanto os brancos.
Autoridades do Rio dizem que a redescoberta do Valongo é uma oportunidade para o país a enfrentar a sua história intencionalmente obscurecida.
Por 1821, quase metade da população da cidade estava reduzidos à servidão, de acordo com um censo realizado em seguida. Todos eles passaram por Valongo, muitos permaneceram na área, dando origem a bairros que ainda têm ligações profundas a herança afro-brasileira.
Marco de identificação do calçamento do Cais do Valongo
Valongo passou a existir porque os vizinhos reclamaram. Eles odiavam os riscos de saúde, o malodor e a sujeira que acompanham os escravos ao serem desfilados nus e muitas vezes doentes através de áreas residenciais. Assim, um novo cais, longe das áreas residenciais, foi necessário, e Valongo inaugurado em 1811.
"O comércio de escravos, mesmo assim, já era entendido como desumano, apesar de ainda ser praticado, por isso era necessário para esconder a chegada de escravos", disse Washington Fajardo, diretor do património cultural e da renovação urbana do Rio de Janeiro. 
Valongo durou 29 anos, até 1840, quando foi substituído por cais muito elegante, construído para receber Teresa Cristina, a noiva do imperador português.
 A escavação é um desafio. Não permaneceu qualquer vestígios físicos de Valongo , e a geografia em si havia sido transformado em aterro que empurrou de volta a centenas de metros ao mar. Então, usando mapas históricos, a equipe de Lima, cavaram trincheiras pela vizinhança.
Artefatos peneirado da sujeira já preencher centenas de sacos de plástico. Os achados mais preciosos são um brinco delicado com um pingente de meia-lua muçulmano, anéis feitos de palha trançada, pulseiras de cobre, conchas perfuradas e moedas usadas como pingentes.  Muitos dos artefatos são amuletos ou objectos religiosos ligados à idéia de proteger o corpo, disse Lima. "Estes eram corpos que estavam tão abusados, tão violados, que se cobriram de amuletos destinados a dar-lhes força."
Outros objetos, provavelmente, representam esforços astutos para manter as práticas religiosas e culturais vivas mas escondido de um olho vigilante do chefe.   Existem  potes de barro esculpidos com símbolos religiosos em sua parte inferior, divindades de argila menos de três centímetros (uma polegada) de altura, uma espada e bainha cinco centímetros (duas polegadas) de comprimento.
Nenhum outro sitio arqueologico é tão rico em material sobre os escravos recém-chegados do Brasil, disse Cristina Lodi, chefe do instituto federal de patrimônio histórico no Rio de Janeiro.  Olhando para uma mesa empilhada com artefatos, ela disse: "Podemos escrever esta história agora através dessas descobertas.



A área em torno da escavação tem sido uma área residencial  negra. Rubem dos Santos, também conhecido como Confete ("Confetti"), é um sambista e ativista afro-brasileira de 75 anos de idade que comanda o Centro Cultural Pequena África  perto das ruínas do cais.
 "Este é o lugar onde vamos entender quem somos", disse ele sobre Valongo. "Estas canções que vieram da África, desembarcaram aqui. Tudo para nós começa aqui."

O circuito do património da herança negra planeado para a região irá incluir uma cova coletiva descoberta em 1996 que os historiadores estimam que continha 20.000 corpos, o Centro Cultural Pequena África, e uma pequena praça chamada "Pedra do Sal", dito ser o "berço" do samba.
 "A memória da escravidão e do período histórico tem sido escondida, obscurecida", disse Fajardo, o oficial da cidade. A trilha herança "vai mostrar a ferida que foi a escravidão."

"Mas nós evitamos chamar a isto um memorial - que é algo ligado à morte. Queremos mostrar isto como algo que está vivo, para apontar como a cultura negra ajudou a formar o arquétipo do que hoje significa ser brasileiro hoje.".
Postar um comentário