Entrega do XV Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos

Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos...
Artigo I - DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS


No inicio de dezembro, aconteceu a 15ª edição do Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos, promovida pela Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana. O evento aconteceu no plenário Juscelino Kubitschek na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.

Os cinco vencedores da 15º edição foram: Movimento Mães de Maio; Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe); a irmã Michael Mary Nolan; o pastor Ariovaldo Ramos dos Santos; e o Centro de Defesa de Direitos Humanos de Campinas.

A solenidade contou com a presença do presidente da Assembléia Barros Munhoz; do presidente da Comissão, Adriano Diogo; dos deputados estaduais Carlos Bezerra Jr, Leci Brandão, José Candido; do deputado federal José Mentor, entre outras autoridades.

O prêmio, criado em 1996 pela Resolução 776/1996, leva o nome do operário metalúrgico Santo Dias da Silva, que foi assassinado por um policial militar durante greve na zona sul da capital paulista em outubro de 1979.
Premiados de 2011
Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana - CONDEPE
Conselho de Cidadania ligado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, conhecido por sua atuação expressiva em defesa dos direitos humanos no Estado de São Paulo.

Pastor Ariovaldo Ramos
O pastor batista Ariovaldo Ramos trabalha no Serviço de Evangelização para a América Latina e está preocupado com o crescimento de igrejas neopentecostais, com pregações superemocionadas e investimentos em mídia, o que diverge da orientação das igrejas evangélicas tradicionais.

Irmã Michael Mary Nolan


Michael Mary Nolan, irmã de Santa Cruz de São Paulo.
É advogada de direitos humanos, voltada ao trabalho com prisioneiras estrangeiras.





Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Campinas

O Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Campinas é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1978, que desenvolve atividades de atendimento a vítimas de violação dos direitos humanos.

Movimento Mães de Maio
Movimento da Baixada Santista responsável por uma verdadeira peregrinação de mães na busca de explicações sobre o assassinato de seus filhos, mortos principalmente no período que se seguiu aos ataques da organização criminosa PCC, em maio de 2006.

Lembrando Santo Dias da Silva
Nasceu em 22 de fevereiro de 1942, em São Paulo, filho de Jesus Dias da Silva e Laura Amâncio.
Operário metalúrgico, era motorista de empilhadeira da Metal Leve S/A. Antes havia sido lavrador, colono, diarista e bóia-fria. Em 1961, foi expulso, com a família, das terras onde era colono, por exigir registro de carteira profissional, como era lei. Trabalhador em fábrica, foi demitido por participar de campanhas coletivas por aumento de salário e adicional de horas extras.
Líder operário bastante reconhecido no meio dos trabalhadores,era casado e pai de dois filhos.

Após sua covarde morte, como homenagem de sua luta e seu exemplo, foi criado o Centro Santo Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese de São Paulo.

Santo era membro da pastoral operária de São Paulo, representante leigo ante a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, membro do Movimento Contra a Carestia, candidato a Vice-presidente da chapa 3, da Oposição no Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e integrante do Comitê Brasileiro pela Anistia - CBA/SP.

Assassinado friamente pela PM paulista quando comandava um piquete de greve no dia 30 de outubro de 1979, em frente à fabrica Silvânia, em Santo Amaro, bairro da região sul.
Postar um comentário