BRASIL E INDONÉSIA SÃO IGUALMENTE VÍTIMAS DO IMPERIALISMO AMERICANO

Golpe na Indonésia: 1 milhão de mortos CIA preparou “listas de execução” para Suharto
Se há algum crime que as agências de terrorismo dos EUA, em especial a que centraliza as outras, a CIA, fazem, há anos, tudo o que podem para ocultar as provas documentais (que não faltam), é o golpe contra o presidente Sukarno e o massacre na Indonésia, que se sucedeu a ele, em 1965 e 1966. Foram massacradas pelos esbirros da CIA – Suharto e quadrilha, ou diretamente – um milhão de pessoas.

Em 2.001, a CIA literalmente seqüestrou o volume editado pelo Departamento de Estado sobre essa época, já impresso, encadernado e pronto para distribuição. O livro (Foreign Relations, volume XXVI, referente às relações dos EUA com a Indonésia, Malásia e Filipinas no período 1964-1968) é composto, como os demais da série, por documentos já liberados de acordo com a lei, acompanhados de comentários dos editores – o “Comitê Consultivo Histórico do Departamento de Estado”.
Não foi a primeira vez: em 1990, a CIA censurou outro volume, o referente ao golpe no Irã, e apagou dele qualquer menção à sua participação – ou seja, reduziu o volume a nada, pois sem a CIA não teria havido golpe nenhum no Irã. Em protesto, a coordenação do Comitê do Departamento de Estado renunciou, e o escândalo acabou na imprensa.
Ou seja, apesar do Departamento de Estado ser um ministério, a CIA decide o que ele publica ou deixa de publicar. No entanto, pelo menos um exemplar do livro sobre a Indonésia escapou ao seqüestro, pois a Imprensa Oficial dos EUA já tinha enviado alguns aos seus próprios pontos de venda, e seu conteúdo tornou-se público antes que fosse recolhido.
Pelo que se pode ler nele, difícil é saber onde acaba a CIA e começa o Departamento de Estado – ou, talvez, vice-versa. É verdade que o último tem seu próprio antro de terrorismo, o Bureau of Intelligence and Research (INR), implicado em ações encobertas em várias partes do mundo, segundo investigação do próprio Congresso dos EUA.
 ANTRO DE TERRORISMO 
Mas não é somente o INR que é um antro de terrorismo. Pelo livro do Departamento de Estado sobre a Indonésia, ele próprio, que é o ministério de relações exteriores dos EUA, funciona como antro de terrorismo, em estreita vinculação com a CIA e demais congêneres.
No livro, se sabe que Suharto e sua gangue usaram as “listas de descarte” preparadas pela CIA para assassinar em massa. O Departamento de Estado admite que três listas foram entregues aos bandidos de Suharto pela embaixada. Um telegrama, datado de agosto de 1966, assinado pelo embaixador dos EUA em Jacarta, Marshall Green, informa ao Departamento de Estado que “uma versão saneada [isto é, sem rastros dos seus verdadeiros autores] das listas foi disponibilizada para o governo indonésio [isto é, os golpistas] no último mês de dezembro e está aparentemente sendo usada pelas autoridades de segurança da Indonésia, que parecem carecer da mais simples e evidente informação sobre a liderança do PKI [Partido Comunista Indonésio]” (Foreign Relations, XXVI, págs. 386-387). Green acrescenta que também foram entregues listas de membros do Partindo (um outro partido progressista), e também do Baperki, a associação dos indonésios descendentes de chineses, que tinham apoiado o presidente Sukarno.

FARISEU MAFIOSO 
A linguagem é de fariseu mafioso: para que as listas de execução foram entregues, senão para que os integrantes delas fossem executados? Um mês antes da entrega das listas a Suharto, no dia 13 de novembro de 1965, um telegrama da embaixada ao Departamento de Estado informava que de “de 50 a 100 membros do PKI são mortos todas as noites no leste e no centro de Java” (págs. 338-339). O telegrama esclarece que a fonte eram os esquadrões da morte de Sukarno, isto é, “tropas de civis anti-comunistas com a bênção do exército”.
Os mortos não eram somente membros do PKI, na época um dos maiores partidos do mundo. Eram quaisquer progressistas, nacionalistas, simpatizantes de Sukarno, líder da independência da Indonésia, embora a correspondência do Departamento de Estado sempre prefira – contradizendo a si mesma – dizer que são todos membros do PKI. Em 15 de abril de 1966, um outro telegrama diz que “francamente, nós não sabemos se o quadro real é perto de 100.000 ou de 1.000.000 [de mortos], mas acreditamos que seria mais sábio errar para o lado mais baixo das estimativas, especialmente quando questionados pela imprensa” (pág. 339).
Uma série de outros telegramas se esmera em dar detalhes. Quanto mais macabros, melhor. Por exemplo, “em Atjeh estão decapitando e colocando suas cabeças em estacas ao longo da estrada. Os corpos foram lançados nos rios ou no mar para não contaminar o solo” (pág. 338).

CONLUIO CRIMINOSO 
Tudo isso era dirigido pela CIA e pelo Departamento de Estado. Em 2 de dezembro de 1965, o mesmo embaixador Green subscreve ao Departamento de Estado um pedido de 50 milhões de rúpias para um esquadrão criminoso imitador dos nazistas até mesmo no nome, Kap-Gestapu. Segundo diz Green ao secretário de Estado Assistente, George McBundy, “a julgar pelos resultados, eu diria que suas atividades são altamente bem sucedidas. Este grupo de inspiração militar, mas composto de civis, está carregando o peso dos atuais esforços repressivos, tendo como alvo o PKI, particularmente em Java central”.
O documento seguinte é um memorando da CIA sobre o mesmo assunto, assinado pelo famigerado William Colby, nomeado por Nixon para diretor geral da CIA, no lugar de Richard Helms. Colby, o mesmo que organizara os assassinatos da “Operação Phoenix”, no Vietnã, era, na época do golpe na Indonésia, diretor de operações da “agência”. Mas o memorando de Colby está censurado totalmente. O fato é que o Kap-Gestapu se empanzinou de sangue na ilha de Java. Depois, a CIA e outros antros ianques fizeram com que o corrupto Suharto tornasse o Estado indonésio um monopólio do assassinato, da tortura e do terrorismo - até sua queda, em meio à fúria popular, e à ascensão da filha do grande Sukarno ao governo.
Jacarta
Os fortes contrastes de uma das cidades mais populosas do mundo
Jacarta, um dos maiores centros urbanos do mundo, a capital de um país de mais de 200 milhões de habitantes, a Indonésia, é uma cidade marcada por contrastes: um velho forte holandês, um porto cheio de pequenas embarcações à vela, prédios modernos e ferrovias monotrilho, lojas elegantes, grandes hotéis e quartéis, fábricas e jardins de orquídeas coexistir sob um céu com fumaça cinza.

Um composto cidade
Capital da Indonésia , Jacarta (Indonésia em Jacarta , antigo Jayakarta "cidade da vitória") é uma das cidades mais populosas do mundo: 8.347.000 habitantes na cidade propriamente dita dentro do distrito especial da capital, cerca de 10 milhões em 'conurbação todo.
A cidade fica na costa norte da ilha de Java, uma das regiões mais densamente povoadas ao redor do mundo, graças à fertilidade do solo e do clima equatorial, que fez da sua agricultura um polo rico, apesar de já não ser mais hoje suficiente para necessidades da população.
Jakarta é um importante centro comercial e industrial, com muitas atividades industriais movimentado porto e, além de administrativa e de gestão relacionados com a função do capital político que a cidade herdou do passado da capital (o antigoBatavia ) de possessões de Índias Orientais Holandesas.
Mesmo a estrutura topográfica de Jacarta é afetado pelo status especial da cidade: o centro histórico de cunho colonial, atrás do porto, tem construções antigas e interessantes, que foram localizados o governo holandês, e lá está o século forte. As áreas que abrigam as atividades políticas de hoje foram construídos a poucos quilômetros ao redor da Praça Merdeka, dominada pelo monumento nacional (um obelisco de mármore mais alto do que 130 m), e do centro de Jacarta, independentes, modernos e de alta edifícios céus qualidade arquitectónica (como o Palácio do Parlamento ea do chefe de Estado); áreas residenciais cresceram em torno do núcleo antigo político eo moderno, ampliando especialmente para o sul, até a 25 km do mar. Em ambos os lados do porto, no entanto, ter-se formado nas áreas industriais maiores (mas muitos outros que eu sou um pouco de sorte "em todas as direções); os pobres e abusivos casas e, finalmente, já aumentaram a em todas as direções, ocupando todo o espaço disponível e em torno dos bairros regularmente.
Port-a-capitais
A cidade que se tornou Jacarta já era habitada no século 5 e foi por muito tempo o porto de vários reinos de Java. Em 1522 ele foi "descoberto" pelo Português, que construíram um forte, logo recuperou por um rei javanês. Em 1619 foi ocupada pela Companhia das Índias Orientais holandesa. Os holandeses deram-lhe o nome de Batavia, fortificado, ele drenou os arredores da malária e ampliou o porto de Sunda Kelapa, ainda hoje usado pelos barcos tradicionais coloridas para velejar. O site do novo porto (Tandjung Priok), a poucos quilómetros a nordeste da cidade, foi equipado no final do século XIX e ligado à cidade por uma estrada de ferro. Perto os holandeses estabeleceram grandes plantações.
Quando a Indonésia tornou-se independente em 1949, a cidade finalmente tomou o nome de Jacarta. Logo depois, ele teve um rápido crescimento e impressionante: ele tinha meio milhão de habitantes na independência e já 2,7 milhões em 1960; Hoje, a área construída ocupa 660 km 2 . Em 1958, ele tentou controlar o afluxo de população fundando a cidade "satélite" de Kemayoran Baru, a sudoeste de Jacarta, agora completamente unida à capital.
Os problemas de Jacarta, apesar dos esforços para modernizar e reorganizar a cidade, são muito graves: o tráfego está congestionado, de alta poluição, rios e canais, causando inundações, as favelas são privados de serviços essenciais.
Jacarta é, naturalmente, também um grande centro cultural: ele tem uma dúzia de universidades, museus, muitas vezes criados em edifícios antigos (como o Museu Central, um dos mais interessantes em toda a Ásia, no antigo palácio do Supremo Tribunal holandês), um centro de da arte, um enorme jardim botânico com 3.000 espécies de orquídeas. No parque de Taman Mini, você pode visitar a reconstrução em miniatura das 27 casas tradicionais, representando as 27 províncias da Indonésia, enquanto que na cidade velha você vai encontrar todos os tipos de mercados, incluindo um dos únicos pássaros.
Postar um comentário