SOMOS TODOS CONTRA QUALQUER RESTAURAÇÃO GOLPISTA CONSERVADORA NOS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA

Presidentes latino-americanos Denunciam "cerco" da Venezuela na Cúpula do G77

No G77 + China, realizado na Bolívia, vários presidentes latino-americanos deram o seu apoio público ao presidente venezuelano Nicolas Maduro e pediu unidade regional contra o que consideram uma tentativa de "restauração conservadora" atualmente em curso no país sul-americano.
Em outras notícias internacional, Venezuela saudou a reeleição de Juan Manuel Santos à Presidência da Colômbia como um voto para a "paz".
G77 + China Summit
A cimeira, realizada em Santa Cruz, leste da Bolívia, reuniu 133 países, cerca de dois terços dos Estados membros das Nações Unidas.
Durante o evento de abertura os presidentes do Equador, Bolívia e Cuba fez declarações de apoio à Venezuela. Todos os quatro são membros da aliança regional ALBA.
Os discursos veio no contexto do movimento de oposição venezuelana, que foram às ruas no início deste ano, uma ala linha-dura dos quais abertamente pediu a expulsão de Maduro. Barricadas de rua violentos e motins ocorreram, bem como protestos mais pacíficos. Enquanto os principais membros da oposição afirmaram que os protestos eram para chamar a atenção para os problemas econômicos, autoridades e partidários do governo argumentou que ações violentas foram uma tentativa de provocar um golpe de estado.  
Ao longo dos três meses de agitação 42 pessoas foram mortas e cerca de 900 feridos, com mortes, incluindo activistas da oposição, partidários do governo e membros das forças de segurança.
Funcionários do governo venezuelano também revelou recentemente que as comunicações, argumentam eles, constituem um complô de figuras da oposição de alto nível para organizar o assassinato de Nicolas Maduro. Os acusados ​​negam as alegações.
Presidente equatoriano Rafael Correa declarou a uma multidão de milhares de pessoas no evento de abertura da cúpula do G77 que uma "estratégia de poder coordenado" foi sendo implementado pelo governo dos Estados Unidos e de direita da região para "re-colonizar" a América Latina. Correa colocou os eventos que ocorrem na Venezuela dentro desse contexto.
"No nível regional, há uma restauração conservadora que quer acabar com governos progressistas: há o cerco do governo democrático, legítimo do nosso amigo Nicolas Maduro, e de toda a América Latina é com o nosso amado Venezuela", disse ele .
O presidente equatoriano, em seguida, argumentou que a de esquerda regional deve unir-se em resposta a esta situação. "Nós, os movimentos progressistas e de esquerda deve ser mais unida e coordenada do que nunca, e esta reunião ajuda com isso", continuou ele.
Enquanto isso, o presidente da Bolívia, Evo Morales, disse à imprensa no domingo que os países do G77 + China expressaram seu apoio à Venezuela contra os "ataques imperialistas" de os EUA, que funcionários venezuelanos acusados ​​de apoiar a agitação oposição e intervir nos assuntos do país com o ameaça de sanções.
Morales, o presidente pro tempore do G77 + China, declarou: "Irmão Maduro: toda a nossa solidariedade, todo o nosso apoio. Nós respeitamos a batalha que está sendo travada. Enquanto existir o imperialismo eo capitalismo, a luta vai continuar ".
Em seu discurso na cúpula, o presidente Maduro argumentou que uma campanha diplomática e da mídia internacional estava sendo travada contra o seu governo para justificar uma possível expulsão. Ele alertou que o continente "levantar-se" se qualquer ataque contra a ordem constitucional do país viesse a ocorrer.
A mais recente pesquisa de opinião na Venezuela, realizada pela empresa de private Services International Consulting, coloque a aprovação para Maduro em 62%. Não obstante tais pesquisas têm variado, com votações por duas empresas diferentes em abril / maio, indicando que a aprovação de Maduro foi de 52% ou 40,8%.
Em seu discurso Maduro também defendeu que os países do Sul global resolver os seus problemas sem intervenção externa. "A solução para os problemas do sul é no sul do país, e neste mundo em que o Sul já pode andar com as próprias pernas e pensar com sua própria cabeça, é hora para o Norte para aprender a respeitar os homens e as mulheres do Sul ", afirmou.
O presidente venezuelano continuou por felicitar o trabalho da cimeira. "Pouco a pouco estamos a procurar e encontrar o caminho para superar séculos de exploração, colonialismo e escravidão, para a construção de uma humanidade que é verdadeiramente humano em todos os aspectos", disse ele.
A declaração final da cúpula incluiu pontos na defesa da soberania no uso dos recursos naturais, a importância de reduzir o peso da dívida externa, bem como a necessidade de maiores compromissos globais sobre mudanças climáticas. O G77 + China espera que a sua posição pode definir a agenda para o desenvolvimento global e construir sobre o trabalho dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.
No lado da cúpula do G77, o presidente Maduro se reuniu com o Secretário Geral Ban Ki Moon. De acordo com fontes diplomáticas Maduro informou o alto funcionário da ONU de sua convicção de que existe uma "mão-americano" nos últimos tentativas de desestabilização interna, e que as ações dos EUA em direção a Venezuela representam um atentado contra a soberania ea estabilidade do país.
Enquanto isso, vice-presidente dos EUA Joe Biden fez críticas renovadas de governo de Maduro, referindo-se a Venezuela como "um caso emblemático do enfraquecimento das instituições democráticas", em entrevista publicada hoje no jornal Folha de São Paulo.
Santos reeleição
Maduro ontem parabenizou a re-eleição de Juan Manuel Santos à Presidência da Colômbia. Santos derrotado rival Oscar Zuloaga na segunda rodada segundo turno presidencial com 50,9% dos votos.
Zuloaga é considerado para representar a agenda do ex-presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, que governou 2002 - 2010 e perseguiram políticas beligerantes para Venezuela. As relações foram restauradas quando Santos, ex-ministro da Defesa de Uribe, chegou à presidência em 2010.
Vitória de Santos também foi visto como importante para o progresso continuado em negociações com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), em que a Venezuela é um mediador.
Declarando que a eleição presidencial colombiano tinha sido uma escolha entre "paz e sem paz", Maduro disse: "Eu quero dizer ao povo da Colômbia e do presidente Santos de que eles podem contar com o governo bolivariano da Venezuela para continuar trabalhando pela paz" .
Postar um comentário