DILMA ANUNCIA FINANCIAMENTO FEDERAL PARA A LINHA DO METRO VILA BRASILÂNDIA


Dilma  anunciou financiamento de R$ 2,6 bi para obras de mobilidade urbana e obras de drenagem e saneamento para a região metropolitana, na sede da Prefeitura de São Paulo.


Metrô: nova linha
Dilma  assinou o contrato de financiamento da R$ 1,7 bilhão para a Linha 6-Laranja do Metrô, que vai ligar a Brasilândia, na Zona Norte, a São Joaquim, na região central da cidade. O valor é parte dos R$ 4,7 bilhões previstos para a obra pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Economico e Social (BNDES).
A Linha 6 vai ligar a Vila Brasilândia, na zona norte da capital, à estação São Joaquim (Linha 1-Azul), com 15,9 quilômetros de extensão e 15 estações (Brasilândia, Vila Cardoso, Itaberaba, João Paulo I, Freguesia do Ó, Santa Marina, Água Branca, Sesc Pompeia, Perdizes, PUC-Cardoso de Almeida, Angélica-Pacaembu, Higienópolis-Mackenzie, 14 Bis, Bela Vista e São Joaquim). A Linha Laranja vai se integrar com as linhas 7 e 8 da CPTM, na futura estação Água Branca; Linha 4, na futura estação Higienópolis-Mackenzie; e Linha 1, na estação São Joaquim. O percurso todo será feito em apenas 27 minutos, que ligará o ABC à rede metroferroviária.
O Consórcio Move São Paulo vai iniciar as obras de implantação da Linha 6-Laranja no segundo semestre de 2014. O Move São Paulo - composto pelos grupos Odebrecht, Queiroz Galvão, UTC Participações e pelo Fundo Eco Realty - foi o vencedor da licitação que concretizou a primeira PPP integral de metrô do Brasil. O financiamento federal através do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai compor os 50% do aporte financeiro do Estado de São Paulo. 
Fernando Haddad pretende também investir em viadutos, pontes e túneis em diversos pontos de São Paulo para viabilizar plano de construção de 129 km de corredores de ônibus. As vias exclusivas serão implantadas em avenidas movimentadas como 23 de Maio e Bandeirantes. 
Nas obras de mobilidade urbana está sendo colocado R$ 1,98 bilhão do Orçamento Geral para coletivos leves sobre pneus, os BRTs, e corredores exclusivos. Com esses recursos, a Prefeitura prevê a construção de 51,7 km de BRTs. Dilma disse que a primeira etapa é o corredor Perimetral-Bandeirantes-Salim Farah, com 16 km, que liga Zona Sul à Zona Leste. Do total anunciado, R$ 651 milhões servirão para obras de drenagem e saneamento e R$ 1,9 bilhão para mobilidade. “Obviamente aqui tem ‘Minha Casa, Minha Vida’, tem saneamento, tem outros programas. Mas hoje eu quero falar de mobilidade e de chuvas", disse a presidente.
Quatro corredores, que a principio seriam financiados, passarão a ser feitos com orçamento do governo federal, portanto, a fundo perdido: M'Boi Mirim, Estrada Cachoeirinha, Guarapiranga, Guavirutuba, Avenida Carlos Caldeira Filho, e o primeiro trecho da Avenida Belmira Marin. "Por que nós trocamos a fonte? Para acelerar a implantação, para permitir que essa implantação se dê mais rápido", disse a presidente.

O prefeito Fernando Haddad lembrou que em 2013, Dilma anunciou investimentos de R$ 3 bilhões em mobilidade na cidade dentro de um pacote de R$ 8 bilhões. "A senhora anunciou, e complementarmente hoje, recursos federais para 120 km de corredores de ônibus na cidade de São Paulo, que vão se somar aos 350 km de faixas exclusivas entregues pela administração municipal", disse o prefeito.
A presidente anunciou ainda investimentos em mobilidade em  Mauá e Ribeirão Pires, no ABC. "O total dos investimentos nesses dois municípios chega a R$ 96,5 milhões.” Em Mauá, é para a construção do viaduto exclusivo de transporte público coletivo na confluência dos corredores Barão de Mauá e Castelo Branco e do Eixo Tamanduateí.

“Em Ribeirão Pires é tanto orçamento como financiamento para transposição da via férrea no corredor da Avenida Francisco Monteiro que reduzirá em cerca de 25 minutos o tempo entre o Centro e o bairro Centro Alto.”

Postar um comentário