FORA TEMER! O GOLPE GLOBOSTA DO BRASIL É INTERNACIONALMENTE INACEITÁVEL

Rússia descreve O GOLPE como interferência estrangeira
 
Zajárova: A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zajárova declarou que a relação com o nosso país fica crítica. Brasil tem fundamental importância na geopolítica. O governo russo declarou que tudo foi orquestrado e financiado a partir dos Estados Unidos. 

"É uma interferência política externa inaceitável" 

Ela afirmou que todos os processos políticos golpistas em curso nos países sul-americanos decorrerem no quadro constitucional. 

Zajárova reiterou que Moscou está interessado em um Brasil democrático e estável, que se desenvolva de forma dinâmica e desempenhe seu papel importante na arena internacional - por Ria Novosti.

A composição política poderia criar um modelo perigoso que ameaça a base social da nação e que motiva a reflexão dos movimentos sociais, de acordo com o analista, que também disse que "vindo não são apenas 180 dias sem Rousseff, mas muitos mais poderia ser dada a agenda doméstica que visa promover um atraso durante impeachment ".
"O problema é que a corrupção atribuída busca apenas aos partidos, líderes e movimentos de esquerda (...) é uma forma de criminalização da esquerda (...) para politizar a corrupção, quando o presidente tem sido o promotor a punição para este crime corpos e aplicação da lei reforçada e instituições judiciais ".
Temer e sua agenda de medidas veio para acabar com os programas sociais, especialmente de saúde e educação. O golpista é descrito por analistas como "anti-social"


Comunicado da Rússia - "O Brasil é um país importante tanto na América Latina como parceiro estrangeiro mundo". O golpe parlamentar contra a presidenta foi orquestrado e financiado pela operação Washington. "O golpe parlamentar é uma operação muito sofisticada e não é apenas no Brasil, é uma ação internacional e orquestrada a partir dos Estados Unidos."

Esta tese foi comprovada inclusive com a viagem que fez o senador Aloysio Nunes fez a Washington depois que a Câmara aprovou o julgamento de Dilma. Nunes viajou para os EUA para a realização de reuniões com diversas autoridades dos EUA e assessores próximos a Hillary Clinton.

PLANTÃO BRASIL
Uruguai, Chile, Bolívia, Venezuela, Equador, El Salvador, Nicarágua não reconhecem Temer como presidente

O ministro das Relações Exteriores e chanceler do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, fez questão de se posicionar mais uma vez em relação ao impeachment de Dilma Rousseff (PT) e garantiu que o governo do país cisplatino não tem intenções de reconhecer Michel Temer (PMDB) como presidente do país.

“O Uruguai se manifestou politicamente, já disse o que tinha que dizer. (...) A posição do nosso governo está clara, pois nós já nos posicionamos a respeito disso”, disse Nin Novoa em entrevista a jornalistas na última quinta (12), data do primeiro dia de mandato do presidente em exercício.

 Perguntado se irá entrar em contato com Temer ou com alguém de seu gabinete, o chanceler foi direto: “Não [haverá nenhum tipo de comunicação]. Já dissemos o que deveríamos ter dito, de maneira que não temos mais nada a agregar.”

Bolívia
 O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou mais cedo que a direita brasileira quer dar um golpe na presidente Dilma Rousseff e "castigar" o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que não volte à presidência.

 Equador
 O presidente do Equador, Rafael Correa, garantiu nesta sexta-feira que a crise política do Brasil faz parte de um "novo plano Condor" contra os governos progressistas da região.

 Venezuela
 Na quinta-feira, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, já havia manifestado apoio a Dilma e Lula, chamando a crise política no Brasil de "golpe de estado midiático e judicial". 

 "Você acha que isso é casualidade? É o novo plano Condor (aplicado na década dos 70 pelas ditaduras militares do Cone Sul para coordenar o extermínio de opositores) contra os governos progressistas", declarou o mandatário em uma entrevista na rede televisão oficial. A Venezuela fechou sua embaixada no Brasil.

 Nicarágua e El Salvador
 O presidente de El Salvador, Sánchez Cerén, declarou que há um golpe acontecendo no Brasil e que o próximo passo será chamar a embaixadora de volta ao país e fechar a embaixada no Brasil.

 Rússia e China
 A Ministra das Relações Exteriores da Rússia, María Zajárova, afirmou que “é inaceitável a interferência externa na atual situação política do Brasil” e que Moscou espera um país “estável e democrático”. A China tem a mesma posição. Ambos fazem parte dos BRICS, ao lado de Brasil, Índia e África do Sul.

 Chile
 De acordo com o portal da TeleSur, o governo do Chile também manifestou sua preocupação com as circunstâncias em que Dilma foi afastada. “Nos preocupamos com a nossa nação irmã, que tem gerado incerteza em nível internacional”, alegou institucionalmente em comunicado. O país não pretende manter contato com o governo Temer.

 Outras legendas e órgãos, como o Die Linke, da Alemanha, e o PSUV, da Venezuela, bem como a Unasur (União das Nações Sul-Americanas), também criticaram duramente o processo.

Postar um comentário